Executivo

Terça-Feira, 21 de Janeiro de 2020, 14h:38 | Atualizado: 22/01/2020, 09h:15

COMPARATIVO

Gastos do Governo com energia crescem após expediente voltar ao normal - veja

Dados da Seplag apontam que em um ano, aumento foi de 18%; mas Transparência mostra valor diferente

Mayke Toscano

Pal�cio Paiagu�s

Palácio Paiaguás, no Centro Político Administrativo; Governo aumenta 18% do gasto com energia, segundo a Seplag, e 78% conforme Transparência

Em 2019, o Governo do Estado aumentou o gasto com energia, depois que o expediente dos servidores públicos retornou ao horário normal. Segundo dados da secretaria estadual de Planejamento e Gestão (Seplag), o aumento foi de 18%.

Já dados do Portal Transparência levantados pelo até esta terça (21) mostram um aumento ainda maior, de 78%, nos pagamentos feitos à Energisa Mato Grosso, entre 2018 e 2019.

A Seplag apresentou números constatados a partir dos valores faturados pelo Governo com a Energisa. Pelos dados da Pasta, foram gastos com energia R$ 76,2 milhões em 2018 contra R$ 90 milhões no ano passado. Esses números contam com estimativas dos meses de novembro e dezembro, que ainda não foram fechados pelo Paiaguás.

Pelos dados da Transparência, no entanto, foram pagos R$ 395,4 milhões pelo Executivo no ano passado, enquanto o último ano do ex-governador Pedro Taques (PSDB) fechou com R$ 222,1 milhões pagos à companhia. As informações do portal são apuradas a partir dos pagamentos inseridos no Fiplan, ou seja, a execução financeira no período.

Nos dois conjuntos de dados, houve aumento. Um dos fatores que pode ter empurrado a conta de luz do Governo para cima está o retorno do expediente dos servidores públicos ao horário normal, com carga horária a ser cumprida entre 7h30 e 19h30.

A Controladoria Geral do Estado (CGE) respondeu à reportagem informando que os dados a ser considerados deveriam ser os do Mira Cidadão, que são similares aos informados pela Seplag. O Portal Transparência estaria apresentando "inconsistência" e "instabilidade por causa de tecnologia, cabeamento" e outros fatores. Não foi explicada a razão da suposta inconsistência abranger dois anos seguidos de pagamentos feitos à Energisa.

Horário de trabalho

Entre setembro de 2016 e dezembro de 2018, o expediente no Governo ia das 13h às 19h. O retorno ao horário normal foi regulamentado no primeiro decreto assinado pelo governado Mauro Mendes (DEM), publicado em 2 de janeiro do ano passado, passando a vigorar desde então.

O ato assinado pelo governador deixou aberta a possibilidade de cada secretaria regulamentar seu expediente, dentro do horário estabelecido. Outro decreto, o nº 8 de 17 de janeiro de 2019, determinou que os órgãos e entidades do Executivo deveriam reduzir gastos de energia elétrica, entre outros itens de consumo básico como água e material de escritório.

A Seplag, por exemplo, instituiu trabalho entre as 7h30 e as 17h30, ficando fora do chamado “horário de ponta”, que tem tarifa mais cara. O mesmo horário foi adotado também pela secretaria estadual de Fazenda (Sefaz) em sua sede.

O horário de ponta tem início às 17h30 e vigora até as 20h30 nos dias úteis. Fora dessa faixa, os consumidores pagam a “tarifa branca”, que desde o começo do mês vale para todas as unidades, incluindo aquelas com consumo mensal menor que 250 kWh.

A tarifa em Mato Grosso foi reajustada em abril do ano passado, com autorização da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O reajuste anual foi de 11,29% em média a todos os consumidores, ficando próximo aos 10% para o Executivo. O aumento é apontado pela Seplag como um dos fatores que influenciaram os gastos.

Os valores pagos à Energisa, porém, sofreram poucas alterações nos meses seguintes ao reajuste, pelos dados da Transparência. Em abril foram pagos R$ 36,7 milhões, em maio foram R$ 36,2 milhões, em junho foram R$ 37,5 milhões, e os valores seguiram nesse patamar até setembro, quando foram gastos R$ 32,3 milhões.

Em outubro, a conta subiu para R$ 44,8 milhões. Novembro de 2019 foi o mês com maior pagamento no período observado pela reportagem. Foram pagos R$ 50,3 milhões pelo governo à Energisa.

O Governo esclareceu que já adotou medidas para controle da despesa com energia elétrica. Além da alteração do expediente em alguns órgãos para fugir do horário de pico, os contratos de consumo de energia por demanda também vêm sendo reajustados em busca de economia.

Meses atípicos em 2018

A conta mais baixa no último ano de Pedro Taques à frente do Executivo foi influenciada também por três meses com pagamentos atípicos. Junho, julho e agosto registraram R$ 8,2 milhões, R$ 4,5 milhões e R$ 5,9 milhões, respectivamente. Esse é o patamar normalmente registrado apenas em janeiro e dezembro, quando há servidores em férias. Há indícios de que houve retenção de pagamentos no período. Assim como no ano passado, 2018 teve reajuste na energia elétrica, de 11,53% a partir de abril.

Apesar do pagamento da conta de energia ter sido reduzida nesses três meses, o período também registrou pagamentos feitos à Energisa em razão de uma ação judicial de execução fiscal. O valor total era de R$ 17,3 milhões, segundo empenho mostrado no Portal Transparência para o mês de junho de 2018.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Renato Rosa Fortes | Terça-Feira, 21 de Janeiro de 2020, 16h06
    12
    2

    Super interessante essa notícia.... Quer dizer que após o retorno do expediente em dois turnos, o consumo aumentou ? Puxa.... Isso é fantástico kkkkkkkk

  • mauro santana | Terça-Feira, 21 de Janeiro de 2020, 15h01
    2
    23

    Claro que iria crescer como também cresceu o numero de atendimentos a população, cresceu a satisfação de quem necessita dos serviços públicos e também a vontade dos funcionários que trabalhavam 6 horas diárias e recebiam por 8 horas.

Matéria(s) relacionada(s):

Pivetta promete permanecer no PDT

allan kardec 400 curtinha   O empresário Otaviano Pivetta, que se tornou o mais badalado nesta fase de pré-campanha ao Senado por causa da grande logística em torno do seu nome, se encontra numa saia-justa. Para líderes do Podemos com os quais passou a ter afinidade política, como os senadores Álvaro Dias e...

Ao Senado, 2 partidos e apoio para EP

elizeu nascimento 400 curtinha   Elizeu Nascimento (foto), terceiro-sargento PM licenciado, não é nada bobo. Ex-vereador pela Capital e no mandato de deputado estadual, Elizeu hoje controla o DC-MT e ainda levou aliados de confiança para o PSL-MT, partido que ainda está ligado ao presidente Bolsonaro e que só de...

Digital de Selma no apoio para Pivetta

olga lustosa curtinha 400   Mesmo com laços antigos de amizade com Otaviano Pivetta, Olga Lustosa, que está se desligando do cargo de assessora do gabinete da senadora cassada Selma Arruda em Brasília, causou aquele climão dentro do Podemos quando apareceu no encontro do PDT, neste sábado. O ato marcou o...

Fritado ao Senado, Galvan deixará PDT

antonio galvan 400 curtinha   Como já esperado, o presidente da Aprosoja, Antonio Galvan (foto), foi mesmo patrolado dentro do PDT estadual na tentativa de concorrer ao Senado na suplementar de abril. Com a decisão oficial do partido de lançar o vice-governador Otaviano Pivetta à disputa, Galvan agora pensa em sair da...

Contratos suspensos de 7 prefeituras

domingos neto 400 curtinha   O conselheiro do TCE-MT, Domingos Neto, determinou, até julgamento do mérito, a suspensão de pagamento por sete prefeituras à Oscip Tupã. Ele é relator de uma representação feita pelo Ministério Público de Contas contra as prefeituras de Vera,...

Contrariando estatística do governador

silvano amaral 400 curtinha   Mais um secretário de Estado contraria a estatística do governador Mauro, que no ano passado se orgulhou de anunciar que nenhum dos integrantes do primeiro escalão respondia por condenação judicial. O emedebista Silvano Amaral (foto), ex-deputado, ex-secretário de...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.