Executivo

Sexta-Feira, 25 de Outubro de 2019, 08h:07 | Atualizado: 25/10/2019, 18h:12

CPI DA ENERGISA

Governo alega forte crise financeira e descarta reduzir ICMS da energia - saiba

Assessoria

Aliquotaicms

Confira, acima, como se dá a cobrança de ICMS sobre as contas de energia no Estado

O governador Mauro Mendes (DEM) descarta qualquer tipo de redução do ICMS que impacta diretamente no valor das faturas de energia elétrica - que é um dos objetos de investigação da CPI da Energisa.

"Olha gente, se nós não temos dinheiro hoje para pagar e arrecadamos o que nós temos com as nossas despesas, como é que vamos diminuir arrecadação? Será que o servidor está disposto a diminuir o seu salário? Será que a AL está disposta a diminuir o seu duodécimo? Será que a população está disposta a diminuir mais policiais na rua?", dispara o chefe do Executivo em coletiva à imprensa.

O valor da alíquota de ICMS é cobrado mediante uma escala de gastos. Isto quer dizer que é cobrado de forma correspondente ao consumo do mês. Se, por exemplo, uma residência consome de 251 KWh A 500 KWH (2º faixa), será cobrado um percentual de 25% sobre o consumo. Nesta semana, ao divulgar lista de orientações, o Procon trouxe tabela com os percentuais da cobrança do imposto estadual - veja ao lado.

Na semana passada, o governador já havia comentado sobre a criação da CPI. Entretanto, ao ser questionado se poderia ajudar a reduzir o valor da fatura, Mauro desconversou sobre o assunto. “Tá caro, quem regula é a agência nacional de energia elétrica, não é um problema que está sob a tutela do Estado”, disse.

A polêmica em torno do ICMS da energia elétrica é antiga e costuma ser tema de debates políticos em época de campanha. Muitos chegam a prometer reduzir o valor do imposto, mas ele segue sem alterações. Tentando conter uma crise financeira, Mauro afirma que a diminuição dio imposto só poderia ocorrer se houver redução dos gastos. "Então, que apontem aonde nós podemos cortar, além daquilo que nós já fizemos até o presente momento", desafia.

O chefe do Executivo, embora enalteça o papel do legislador, tem se colocado contra possível "politicagem" na CPI da Energisa. “A politicagem é um termo que se refere aquela política de falas irresponsáveis que não traduzem a realidade. A CPI é um instrumento legítimo, legal, que faz parte do papel do legislador. Quando é feito com responsabilidade e entrega resultados, eu diria que é bem-vindo e é salutar”, disse.

Proposta pelo deputado Elizeu Nascimento (DC), a CPI foi instaurada para investigar o aumento abusivo das faturas e a má prestação de serviço. Em audiência pública, Procon e sindicato chegaram a afirmar que a Energisa presta uma mau serviço população e falta funcionários na empresa. Já o presidente da Energisa Mato Grosso, Riberto José Barbanera, justificou que 80% do valor pago pelos mato-grossenses é destinado ao pagamento de impostos e repasses ao setor elétrico. A secretária-adjunta do Procon-MT, Gisela Simona, inclusive, será a primeira ouvida oficialmente pela CPI. 

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Boris | Sexta-Feira, 25 de Outubro de 2019, 10h10
    2
    0

    Não faz questão de reduzir porque paga energia por isso, afff ainda bem que não votei nesse ai

  • claudir | Sexta-Feira, 25 de Outubro de 2019, 09h57
    3
    0

    Com esse governo descontrolado e esganado por dinheiro, ta mais pra aumentar os impostos do que baixar, tem que ter gestão no Estado, desinchar a máquina, qualquer cidadão que montar uma atividade e trabalhar com esta metodologia, em um mês fecha a portas, por isso que a inciativa privada é eficiente, quanto mais se privatiza mais se anda, agora tem o outro lado, o governo tem que sair das costas dos contribuintes, não adianta transferir a responsabilidade e meter imposto em cima do setor, assim quebra até igreja....

  • Carlos | Sexta-Feira, 25 de Outubro de 2019, 08h10
    5
    0

    Mauro sendo Mauro....

Puxando o "rei" pra baixo em Tangará

reinaldo morais 400 curtinha   A pré-campanha ao Senado do empresário Reinaldo Morais (foto), o "rei dos porcos", evangélico e bolsonarista, vem ganhando aceitação popular em vários municípios. Mas, em Tangará da Serra, enfrenta muita resistência. Algumas pessoas próximas ao...

3 estaduais e 2 federais para prefeito

juarez costa 400 curtinha   Se na Assembleia, três dos 24 deputados se articulam por candidatura a prefeito, na Câmara Federal dois entre oito da bancada mato-grossense também pretendem fazer o mesmo. Tratam-se do emedebista Juarez Costa (foto), que apostará todas as fichas no retorno ao comando de Sinop, e do petebista...

PSDB rachado sobre nome a prefeito

ricardo saad 400 curtinha   O tucanato enfrenta uma incógnita em Cuiabá. A bancada na Câmara, hoje composta pelos vereadores Renivaldo Nascimento, Ricardo Saad (foto) e Toninho de Souza, defende apoio ao projeto de reeleição do prefeito Emanuel Pinheiro. O partido, presidido na Capital por Saad, já faz parte...

Poucos da AL se arriscam pra prefeito

silvio favero 400 curtinha   Inicialmente seriam seis dos 24 deputados estaduais dispostos a concorrer ao pleito de novembro deste ano. Mas a lista vem sendo reduzida à medida que se aproxima das convenções. Sílvio Fávero (foto), por exemplo, sabe que a chance de ganhar a Prefeitura de Lucas do Rio Verde, onde...

Transferindo pandemia para Cuiabá

lucimar campos 400   Prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos (foto) transferiu praticamente o pepino da pandemia da Covid-19 à gestão da cidade vizinha, comandada por Emanuel Pinheiro. Ela faz questão de enfatizar que, numa reunião com porta-vozes do governo estadual, do TCE, da Assembleia e dos dois maiores...

"Oposição desorganizada ajuda Pátio"

blairo maggi 400 curtinha   Com a experiência de quem já foi governador por dois mandatos, senador e ministro da Agricultura, o megaempresário Blairo Maggi (foto) disse, em entrevista numa live nesta sexta, com os jornalistas Eduardo Ramos e Lucas Perrone, que se a oposição não se organizar em...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.