Executivo

Segunda-Feira, 18 de Novembro de 2019, 17h:04 | Atualizado: 18/11/2019, 17h:11

ENCONTRO NA AMM

Líderes municipalistas dizem que extinção de municípios é uma proposta desastrosa

Assessoria

Neurilan Fraga AMM

Neurilan Fraga, presidente da AMM, durante discurso feito  na abertura do Encontro Municipalista, na manhã de hoje

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que prevê a extinção de 1.252 municípios brasileiros com até cinco mil habitantes, sendo 34 de Mato Grosso, foi um dos principais assuntos debatidos   na abertura do Encontro Municipalista, promovido pela AMM realizada nesta segunda (18). A  proposta  foi apresentada  pelo Governo Federal ao Congresso Nacional no início de novembro e desde então, tem mobilizado lideranças de todo o país que contestam a viabilidade da proposta.

O presidente da AMM, Neurilan Fraga (PSD), disse que a medida está sendo proposta de cima para baixo e que não foi submetida a uma ampla discussão com a sociedade. Além disso, Neurilan questiona alguns critérios adotados para a extinção dos municípios, como a arrecadação de impostos  inferior a 10% do total de receitas.

“Municípios pequenos contam  com pouca arrecadação de IPTU, ITBI e ISS, que foram incluídos na PEC pelo governo. Não foram considerados o ICMS e o FPM, que também compõem o orçamento das prefeituras e são as principais fontes de receitas de muitos municípios brasileiros”, assinalou.

Neurilan disse, ainda, que dos 34 municípios de Mato Grosso que se enquadram na proposta do Governo, todos estão com folha de pagamento em dia, embora tenham que complementar financeiramente vários serviços, por conta do subfinanciamento de programas federais. “Não concordamos e não vamos aceitar. Vamos pedir que a bancada federal levante essa bandeira e apoie a manutenção da autonomia desses municípios”.  

O presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Glademir Aroldi, também contestou a PEC do Governo Federal. Pontuou que a arrecadação dos entes federados em 2018 representou R$ 2,3 trilhões e que deste montante, apenas 0,7% se referem à arrecadação dos 1.252 municípios ameaçados de extinção.

 “Não é com essa medida que o Governo Federal vai resolver o problema do país. Não podemos admitir que mais de 1,2 mil municípios sejam extintos. A unificação de planos de carreira e do  sistema de previdência, por exemplo, será impraticável”, afirmou.

Aroldi lembrou que o repasse de recursos do Governo Federal é insuficiente para atender várias demandas, como na área da saúde. Ele citou como exemplo o programa Estratégia Saúde da Família, que  tem um custo mensal de cerca de R$ 50 mil, no entanto, as prefeituras recebem apenas cerca de R$ 10 mil para prestar o serviço.

Parlamentares federais e estaduais também contestaram a viabilidade da proposta. O senador Wellington Fagundes (PL)  disse que o desenvolvimento ocorre no município e que cada ente da federação administra aquilo que é arrecadado na esfera municipal. “Não acredito que essa proposta vai passar nem na Comissão de Constituição e Justiça do Senado”.

A deputada federal Rosa Neide (PT) disse que a sociedade tem que ser ouvida sobre a proposta e defendeu que é no território municipal que as políticas públicas acontecem. “Não daremos nenhum voto contra os municípios” (Com Assessoria).

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • Gladston | Terça-Feira, 19 de Novembro de 2019, 08h39
    0
    0

    Neurilam e demais, A TETA ACABOU!!!!!

  • Renato Rosa Fortes | Segunda-Feira, 18 de Novembro de 2019, 21h22
    2
    0

    "Empresa" que não dá lucro, tem que fechar. Políticos que gostam dos cabos eleitorais...

  • Ricardo | Segunda-Feira, 18 de Novembro de 2019, 19h03
    5
    0

    Desastre é ficar com município sem renda dependendo de repasses para sobreviver Riva na cadeia já

  • Antonio | Segunda-Feira, 18 de Novembro de 2019, 18h46
    4
    0

    Tem muitos prefeitos e vereadores mamando ....o povo quer acabar é com isso .....será que ninguém percebe!!!

Partidos acirram disputa a vice de Léo

leonardo 400 curtinha   Em Primavera do Leste, o prefeito emedebista Léo Bortolin (foto), um dos mais bem avaliados gestores mato-grossenses, convive com uma disputa acirrada de pretendentes ao cargo de vice-prefeito de sua chapa. A corrida por novo mandato está tão confortável que Léo praticamente não tem...

MDB e PRB devem se juntar em ROO

luizao 400 curtinha   Ao menos dois blocos de oposição em Rondonópolis estão levando a sério a observação do ex-governador e ex-senador Blairo Maggi, para quem Zé do Pátio ganharia a reeleição numa boa se o município tiver várias candidaturas. Ou seja, quanto...

Parlamentares numa disputa cômoda

thiago silva 400 curtinha   Parlamentares que estão se aventurando na disputa a prefeito nada têm a perder. Não precisam nem se afastar dos mandatos para concorrer ao pleito. Em caso de derrota nas urnas de novembro, continuam com suas cadeiras garantidas até 2022 (situação de estadual e federal) e...

Sob recall e apoiamento de Bolsonaro

roberto franca 400 curtinha   Mesmo isolado e sem grupo político da época em que foi prefeito por duas vezes, Roberto França (foto), filiado ao nanico Patriota, não desiste da pré-candidatura em Cuiabá. E há um motivo forte que o deixa empolgado. Seu nome vem se consolidando como o segundo nas...

Prejuízos para Acorizal de R$ 753 mil

clodoaldo monteiro 400 curtinha acorizal   O conselheiro interino Moisés Maciel concedeu medida cautelar proposta pela secretaria de Controle Externo de Contratações Públicas do TCE, suspendendo de imediato um termo de parceria, em vigor desde 2017, entre a prefeitura de Acorizal e a Oscip Iso Brasil. Foi descoberto...

"Eu não devo um centavo para Júlio"

sergio rezende 680   O empresário e ex-vereador de Chapada dos Guimarães, Sergio Rezende (foto), que foi "enquadrado" pelo cacique político do DEM, Júlio Campos, reagiu, mas sem as críticas duas de antes contra o ex-governador. Irritado pelos ataques feitos por Rezende em um grupo de WhatsApp, Julio gravou um...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.