Executivo

Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019, 16h:28 | Atualizado: 22/08/2019, 16h:34

DISCURSO "AGRESSIVO"

O Governo não está imune a críticas, diz ministro para "rebater" análise de Blairo

Mayke Toscano

Ricardo Salles e Mauro Mendes

Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles ao lado do governador Mauro Mendes, nesta 4ª

O ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, que visitou Mato Grosso nessa quarta (21) para vistoriar in loco as queimas que atingem o Estado, preferiu não entrar em polêmicas nem mesmo  para defender o presidente da República Jair Bolsonaro (PSL). Sempre que questionado sobre alguma declaração que gerou contestações, se limitou a dizer que o “governo não está imune a críticas”.  

Uma das personalidades com que Salles fugiu da polêmica foi o ex-senador e ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi.  Isso porque o empresário do agronegócio, que fez quarentena de seis meses após deixar o Governo Federal, avalia que o discurso “agressivo” de Bolsonaro em relação à área ambiental tem combustível suficiente para cancelar o acordo de livre-comércio entre Mercosul e União Europeria. Em entrevista ao site Valor Econômico, Blairo pontuou que se a retórica de Bolsonaro e seus ministros não for contida no mercado internacional, o agronegócio brasileiro pode voltar à “estaca zero”.

“O agronegócio brasileiro é um exemplo de sustentabilidade para o mundo, faz agricultura sustentável com boas práticas e nem por isso estamos imunes a críticas. Por isso, o Brasil precisa permanentemente manter boas práticas, mostrar que segue regras internacionais, inclusive com relação a mudanças climáticas, Acordo de Paris, etc”, defendeu Salles.  

  Bolsonaro já sinalizou seguir os Estados Unidos e sair do Acordo de Paris, mas acabou recuando diante da pressão internacional. Em relação a mudanças climáticas, existem figuras do staff, como o chanceler Ernesto Araújo, que negam o aquecimento global, classificando como “pauta globalista”.

Além disso, Salles defendeu que o Brasil precisa receber mais recursos internacionais como recompensa por preservar o meio ambiente. Entretanto, pela postura de Bolsonaro, Alemanha e Noruega cortaram recursos destinados à preservação da Amazônia na ordem de quase R$ 200 milhões.

“Precisamos receber mais recursos em função do bom trabalho que se faz aqui em serviços ambientais, serviços ecossistêmicos. Enfim, uma gama enorme de ativos ambientais brasileiros que precisam ser monetizados”, completou.  

 Enquanto ministro da Agricultura, Blairo teve o trabalho reconhecido internacionalmente por demonstrar que o país possui uma produção com respeito ao meio ambiente. Inclusive, foi uma das lideranças do agronegócio que declarou publicamente voto ao atual presidente da República. O agronegócio, por sua vez, apoiou em peso a eleição de Jair Bolsonaro, convencido de que o discurso de neoliberalismo econômico seria uma realidade.

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Antonio Marcos | Sexta-Feira, 23 de Agosto de 2019, 08h47
    1
    1

    Moro na região amazônica já faz 40 anos. Todo ano é assim, ou seja, desmatamento e queimadas. Só agora fui saber que a culpa disso é do Bolsonaro. Eu hein!?

  • José Vilmar Ferreira Costa | Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019, 17h40
    1
    3

    Essa falacia de que os grandes importadores de alimentos do Brasil podem impor alguma retaliaçao, utilizando a questao ambiental como desculpa é uma falacia...o mundo precisa do Brasil para suprir alimentos ou eles vao querer comprar alimentos (carne, açucar, etc) mais caro de outros paises....a nossa produçao agropecuaria é totalmente sustentavel...somos exemplo para o mundo...essa questao ambiental é pano de fundo para tentar impor um freio na nossa produçao agropecuaria.

  • Zora | Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019, 16h51
    2
    1

    O tempo dirá quem está certo. Até lá, procuremos abrigo e estoquemos alimentos - a perspectiva é nebulosa.

Galvan vai deixar PDT e ir pra o PRTB

antonio galvan 400 curtinha   Embora não tenha perdido de vistas o Aliança pelo Brasil, partido que está sendo criado por Bolsonaro, Antonio Galvan (foto), presidente da Aprosoja e que acabou levado à frigideira dentro do PDT em meio ao embate por tentativa de candidatura ao Senado, se mostra disposto a ingressar no...

"Pátio igual gato, comendo e miando"

jose medeiros 400 curtinha   O deputado José Medeiros (Podemos), vice-líder do Governo Bolsonaro na Câmara, disse que o prefeito Zé do Pátio, de Rondonópolis, está parecendo gato, comendo e miando, pois recebe recursos federais, inclusive de programas habitacionais e, mesmo assim, ainda alardeia nos...

Adair lançará ex-vice em Alto Paraguai

adair 400 curtinha   O ex-prefeito de Alto Paraguai, advogado emedebista Adair José Alves Moreira (foto), não vai disputar novamente, apesar da insistência do seu grupo. A tendência é de apoiar o seu ex-vice Luiz Figueiredo, com quem administrou a cidade de 2013 a 2016. Luiz também é do MDB e...

Deputado bolsonarista critica prefeito

claudinei deputado curtinha 400   O deputado Claudinei Lopes (foto), morador em Rondonópolis, ficou na bronca com o discurso populista do prefeito Zé do Pátio, para quem o povo nordestino votou em massa no PT e que não tem conseguido construir mais casas populares porque, diferente dos governos petistas, o presidente...

Sem Senado e tudo pela Mesa da AL

max russi curtinha 400   Presidente regional do PSB-MT, o deputado Max Russi (foto) tem participado das discussões para definição de candidaturas ao Senado, na suplementar de abril, mas não mais como pré-candidato. Seu desafio é outro. A prioridade é a busca da reeleição como...

Lúdio desiste e PT perde com Barranco

ludio cabral 400 curtinha   O deputado Lúdio Cabral (foto) estava se movimentando para tentar convencer o PT a lançá-lo ao Senado, por aclamação, e ainda instigar o diretório estadual a buscar recursos junto à Nacional para a campanha. Mas o tiro saiu pela culatra. O guru do partido no Estado,...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.