Executivo

Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 10h:36 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:28

INVESTIGAÇÃO

Supervisor da CEF estaria entre os que fraudavam as licitações

PF prende servidores e empresários que fraudavam licitações


Superintendente da PF Valmir Lemos e delegada federal Luciene Alves falam das investigações
Foto: Josinei Moreira

  A Polícia Federal deflagrou a Operação Atlântida nesta sexta (19) de manhã e prendeu 26 pessoas envolvidas num esquema de fraudes a licitações e desvios de verbas federais. Entre os presos estão empresários e servidores públicos da secretaria estadual de Infraestrutura, além de agentes municipais e membros de comissões de licitação. A ação foi determinada pelo juízo da 3ª Vara Federal da Seção Judiciária. Além das 26 prisões temporárias, são cumpridos 35 mandados de busca e apreensão e 9 de condução coercitiva, em Cuiabá, Barra do Garças, Pontal do Araguaia, Canarana, Novo São Joaquim e Ribeirãozinho. Também foi decretado o sequestro de bens de 33 investigados, sendo 26 pessoas físicas e 7 jurídicas.

Valmir LemosArnaldo Gomes Flores   A operação dos agentes federais foi desencadeada após uma investigação em conjunto da PF e a Controladoria Geral da União (CGU), que também participa das ações desta sexta. As apurações tiveram como base um trabalho realizado pela PF que pretendia identificar organizações criminosas voltadas ao desvio de verbas públicas e fraudes em processos licitatórios nos municípios da região do Vale do Araguaia. Foi constatada a existência de um verdadeiro cartel em licitações, havendo conluio e combinação prévia entre os licitantes, direcionamento dos certames, supressão de propostas, rodízio e subcontratação, bem como extensão de atuação da base empresarial em órgãos públicos, especialmente no que se refere às comissões de licitação das prefeituras da região.

   O inquérito policial foi instaurado em fevereiro deste ano para investigar a existência de uma associação de empresas, que atuam no Vale do Araguaia com o objetivo de frustrar, mediante ajuste e combinação de propostas, o caráter competitivo de licitações de obras de engenharia e pavimentação asfáltica, que possuem recursos provenientes de convênios firmados entre municípios da região e o governo federal. Durante a apuração, verificou-se que o grupo fraudava procedimentos licitatórios levados a efeito em alguns dos municípios da região, além de desviar recursos. Para tanto, eles contavam com o apoio de agentes públicos municipais, membros de comissões de licitações, servidores da Sinfra e de um empregado da Caixa Econômica Federal.

Luciane Alves  Neste momento a CGU passou a atuar no caso fiscalizando todos os procedimentos. Na primeira etapa foram feitas análises de processos licitatórios e realizadas inspeções visuais nas obras de engenharia. Posteriormente, foi realizada nova fiscalização, especificamente para verificação da conformidade entre o projetado e o executado nos contratos mais significativos de pavimentação. Também foram verificadas as partes físicas das obras, que envolvem os materiais utilizados e a espessura da pavimentação. Após perícia constatou-s um prejuízo de R$ 2 milhões.

  Além das fraudes nos processos licitatórios, comprovou-se que uma das formas utilizadas para desvio de recursos públicos era a subexecução da terraplanagem nas obras de pavimentação asfáltica, por intermédio da realização de espessuras bem menores nas camadas de base e sub-base. Neste caso os prejuízos podem ultrapassar R$ 38 milhões. Todos os envolvidos poderão responder por peculato, corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha, fraude em licitação, falsidade ideológica e advocacia administrativa, entre outros crimes.

Às 11h20 - Maior parte das prisões foi efetuada em Barra do Garças

   A PF divulgou o primeiro balanço da Operação Atlântida. Do total de 26 prisões efetuadas, 12 pessoas foram presas somente em Barra do Garças, onde ainda são cumpridos 19 mandados de busca e apreensão e cinco de condução coercitiva. As demais aconteceram em outros seis municípios, incluindo a Capital.

Veja a lista:
Cuiabá
6 presos
3 mandados de condução coercitiva
6 mandados de busca e apreensão
Barra do Garças
12 presos
5 mandados de condução coercitiva
19 mandados de busca e apreensão
Canarana
3 presos
4 mandados de busca e apreensão
Novo São Joaquim
2 presos
2 mandados de busca e apreensão
Pontal do Araguaia
3 presos
4 mandados de busca e apreensão
 Ribeirãozinho
1 mandado de condução coercitiva

Às 12h05Esquema envolvia servidores municipais, estaduais e federal

   Com a prisão já efetuada de três servidores da Sinfra e outros cinco municipais, além de um funcionário da Caixa Econômica Federal, a PF revela um ousado esquema de servidores públicos para fraudar licitações. De acordo com o chefe da CGU em Mato Grosso, Arnaldo Gomes Flores, cada um agia em sua esfera. Nas prefeituras, os funcionários responsáveis por elaborar o edital de licitação, incluiam cláusulas para beneficiar empresas específicas, enquanto, no Estado, os envolvidos autorizavam a aprovação dos projetos. Já o servidor da CEF era responsável pela liberação dos recursos do Governo Federal. As fraudes incluíam obras realizadas com recursos de diversas pastas da União, como Ministério da Saúde, por exemplo, e emendas parlamentares, todas realizadas em municípios. No entanto, Gomes ressalta que não foi constatado, até o momento, o envolvimento de nenhum agente político no esquema.

Às 12h13 - Supervisor da CEF está entre envolvidos

   A PF não divulgou os nomes dos envolvidos no esquema, mesmo aqueles que já tiveram a prisão decretada. A reportagem do RDNews apurou que um dos envolvidos seria o supervisor de filial da gerência de Apoio ao Desenvolvimento Urbano da CEF, Antônio Maurício de Carvalho. Além dele, também são alvos da Operação, Luiz Antonio Giacomini e Américo da Mota.

Postar um novo comentário

Comentários (22)

  • paulo cesar | Sábado, 20 de Novembro de 2010, 22h34
    0
    0

    em confresa existe esquema nas licitações onde todo mundo sabe o vencedor antes mesmo de sair o edital sempre e o mesmo Ilario da SEMEC, que superfatura as obras e quando executa alguma coisa não tem qualquer qualidade, veja o valor da travessia urbana, um recapeamento de pista que custou mais de 12 (doze) milhões de reais

  • Nando | Sábado, 20 de Novembro de 2010, 13h07
    0
    0

    DE escandalo em escandalo mato grosso vai vivendo. Esse é mais um onde parlamentares que agenciam e acobertam os ladrões irão gastar uma certa quantia que pra eles é um merreca para tirar seus afiliados da cadeia,nojo. Que falta faz dois Bin Ladem para derrubar as torres dos canalhas,me refiro a esse bando de ladrões citados na reportagem. Isso é só 1/5% do que a policia federal fica sabendo.ha casos que qualquer leigo vê,se denuncia morre.

  • Francisco Costa | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 20h15
    0
    0

    A Policia Federal devia investigar o convenio feito entre a Prefeitura de Nova Marilandia, diga-se Cidinho e o Governo do Estado para a costrucao de um mini estadio. Ja faz mais de 03 anos e abra nada. Mais i dinehiro saiu da prefitura e quem esta terminando e o atual prefito. Verificar tambem os contratos de admistacao das patrulhas rodoviarias de diversos Consorcios, sabem quem estar por traza: Wagner e Cidinho, atraves de uma empresa da regiao. Todo mundo sabe que e o Wagner e cidinho quem administram as patrulhas, inclusive direciona pra onde eles querem. E as escolas contruidas pela mesma firma, todas acertadas com o Cidinho quando foi presidente da AMM e secretario de estado. Sem falar em outros rolos, projeto casulo, area de terra adquirida pelo banco da terra, etc. Vai la investigar que encontra rolo.

  • João Marcos | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 19h42
    0
    0

    João Marcos, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • juca | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 17h36
    0
    0

    seria bom que PF desse uma olhadinha aqui na obra de travessia da cidade de Nova Mutum .- sao 28 milhoes num asfalto casca de ovos. Um fato intrigante é que existem tambén uma denuncia de um tal de Lourival lá de Sorriso que possui um contrato de assessoria técnica com a Prfeitura de Mutum ganhando 53 mil reais por mes só prá vir na cidade uma vez a cada 30 dias , assinar um relatório dizendo que a obra está andando bem , pegar o cheque do valor acima e ir embora . enquanto isso os vereadores e o MP nada fazem.

  • Amarildo | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 17h31
    0
    0

    ai ó Gustavo, os homi virão pra Jaciara, sim. é questão de tempo. www.faroldascontas.blogspot.com

  • sandro | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 16h30
    0
    0

    Tenho plena certeza que o grande sairá logo, ou nem prezo será, mas o pequeno já entra na cadeia condenado. Enquanto isto o Pagot viaja para o exterior rindo dos otarios que foram prezo.

  • julio Cezar | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 16h22
    0
    0

    É desta vez o Wagner lobista irmão de Cidinho vai cair, também ele se especializou em falcatruas, também com um professor igual ao irmão suplente de senador Cidinho, quem é que não vira bagre ensaboado? Espera-se que Blairo não se entre na defesa.

  • Nelson Bonfim | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 14h42
    0
    0

    LUCIO, por aí voce ve quem o blairo escolheu para ser o 1º suplente. "irmão intermediador de obras em brasília".

  • Gustavo Borges | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 14h07
    0
    0

    O que me deixa mais triste de tudo isso é que isso não aconteçe por aqui. Será que os políticos envolvidos por aqui são mais fortes e poderosos? Por que será que estes órgãos policiais e judiciários não se viram para estes lados. Não entendo.

Servidores sem pagar os empréstimos

adevair cabral curtinha 400   A Câmara de Cuiabá rejeitou o veto total do prefeito Emanuel e promulgou a Lei 6.547, que suspende por 90 dias o pagamento de parcelas de contrato de crédito consignados tanto dos servidores públicos ativos e inativos da prefeitura quanto da própria Câmara Municipal. A...

Eleição ao Senado junto com municipal

carlos favaro 400 curtinha   A eleição suplementar para uma vaga ao Senado deve ocorrer em MT junto com o pleito municipal, em 15 de novembro. A definição oficial partirá do TSE até o final deste mês. Em princípio, a suplementar estava marcada para abril, mas, por causa da pandemia, foi...

Wellington tem 47 lotados no Senado

wellington 400 curtinha   Com dois meses e meio na cadeira de senador, Carlos Fávaro tem hoje 18 assessores lotados no gabinete, muito aquém do quadro dos colegas Jayme Campos e Wellington Fagundes. O chefe de gabinete de Fávaro é o advogado Irajá Rezende de Lacerda, filho do primeiro-suplente Zé Lacerda....

Cáceres, lockdown e frases de alerta

francis maris 400 curtinha   Em Cáceres, o prefeito Francis Maris (foto) decretou lockdown desde a última segunda, dia 29, como forma de forçar os moradores a permanecer em casa para conter o avanço da Covid-19. Mas as medidas restritivas não estão surtindo tanto efeito na prática. Muitos continuam...

4 prefeitos de MT com coronavírus

luiz binotti 400 curtinha   Pelo menos quatro prefeitos em Mato Grosso já foram diagnosticados com Covid-19. O caso mais recente envolve Luiz Binotti (foto), de Lucas do Rio Verde. Ele aguarda resultado de exames, mas já se encontra em isolamento domiciliar. Com sintomas do novo coronavírus, Binotti decidiu ficar em casa. De um...

Forçando cuiabanos a ficar em casa

emanuel pinheiro 400 curtinha   Acuado por causa do avanço dos casos de Covid-19, o que tem provocado colapso na rede pública de saúde, principalmente em Cuiabá, o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) decidiu adotar medidas mais restritivas para conter circulação e aglomerações de pessoas,...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.