Quarta-Feira, 01 de Abril de 2009, 15h50
MEIO AMBIENTE
Após troca de farpas, ministro Minc faz elogios a Maggi


   O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, enfim, demonstrou contentamento com medidas de preservação ambiental tomadas pelo governador Blairo Maggi (PR). Após sucessivas trocas de farpas, ele e o republicano se entenderam no final do ano passado e, desde então, segundo Minc, trabalham em conjunto na elaboração de projetos. "Houve várias reuniões com o governador e sua equipe em Brasília durante a elaboração do MT Legal. Este entendimento pode significar um marco não só para Mato Grosso, mas para os demais estados da Amazônia", disse Minc nesta quarta (1º), em Cuiabá, ao chegar no Centro de Eventos do Pantanal, onde participa da conferência mundial Katoomba Meeting Brasil 2009. Minc vai assinar, junto com o governador Blairo Maggi (PR), o termo de cooperação técnica que estabelece o MT Legal, projeto que busca a regularização do passivo ambiental das propriedades mediante o cadastramento das áreas. Pela nova legislação, os produtores vão assinar um termo de ajustamento de conduta que prevê prazo para regularização das reservas legais das áreas particulares.

   Questionado sobre a reclamação dos produtores de que as adequações geram prejuízos, Minc  argumentou que o setor não será penalizado com a adesão às normas para cumprimento das leis ambientais. "Nosso objetivo não é prejudicar a vida de ninguém, mas impedir o desmatamento, a degradação ambiental e a impunidade. Os produtores estão reconhecendo os erros do passado e têm interesse na legalização das atividades”. O ministro ponderou que se trata de um processo de adequação que exige paciência. "Isso não é fácil, exige um aparato técnico, informatização, georreferenciamento”, lembrou o ministro.

Minc afirma que MT Legal criado no
governo Maggi significa proteção
ambiental e incremento na produção

   Na avaliação do ministro, o MT Legal significa não apenas proteção ambiental, como incremento na produção. "Esse tipo de acordo agiliza o cadastro, cria um mecanismo de adesão, acena com termos de ajustamento de conduta no lugar de punição e o ganho será o reflorestamento das áreas degradadas nas propriedades", avaliou. Ele também teceu elogios a Maggi pela redução do índice de desmatamento, conforme aponta o levantamento divulgado na semana passada pela entidade sem fins lucrativos, Imazon. "Mato Grosso é um dos maiores produtores de grãos do país e é de bom tom que um Estado nessa posição resolva investir nessa questão”. (Andréa Haddad e Musmê Pecini)


Fonte: RDNEWS - Portal de notícias de MT
Visite o website: https://www.rdnews.com.br/