Sexta-Feira, 09 de Outubro de 2009, 05h40
ARTICULAÇÃO
Sérgio pede que Maggi tente Senado para PR "sobreviver"


   O primeiro-secretário da Assembleia, deputado e apresentador de TV Sérgio Ricardo, conclamou o governador Blairo Maggi, que o recebeu nesta quinta no Palácio Paiaguás, a disputar cadeira de senador. Segundo ele, o PR precisa priorizar sua maior liderança e apostar todas as fichas no nome de Maggi numa chapa majoritária, até como forma de "sobrevivência". "O futuro do nosso partido depende do que o Blairo fizer. Me preocupa se o governador não for candidato no ano que vem porque a sobrevida do partido está vinculada a ele", enfatiza o parlamentar, após o encontro. Como a tendência é de Maggi entrar no páreo, o presidente regional do PR, deputado federal Wellington Fagundes, vai enterrar seu projeto ao Senado e buscar o sexto mandato.

--------------------------------------------
Com a saída de Brito da militância para poder
assumir Agecopa e a desfiliação de Mendes
do PR, Sérgio tende a se tornar principal cabo
eleitoral de Maggi na Baixada Cuiabana
---------------------------------------------

   Ex-presidente da Assembleia, Sérgio é o primeiro dos seis da bancada republicana na Assembleia a procurar o governador para fazer um apelo no sentido deste entrar no páreo por uma das duas vagas à senatória, que serão abertas com o vencimento dos mandatos de Serys Marly (PT) e de Gilberto Goellner (DEM). Em resposta, o governador disse ao deputado que vai avaliar a ideia "com muito carinho". "A impressão que eu tive é de que o Blairo vai ser candidato a senador. E esse é o anseio da bancada do PR", enfatiza Sérgio. A agremiação republicana detém a maior bancada na Assembleia. É composta por Mauro Savi, líder do Executivo, Wagner Ramos, Jota Barreto, Wagner Ramos, Sebastião Rezende e o próprio Sérgio. Na Câmara Federal, dos oito representantes mato-grossenses, dois são do PR: Homero Pereira e Wellington Fagundes.

   Em verdade, Sérgio tende a se tornar, dos líderes republicanos, o principal aliado de Maggi na Baixada Cuiabana, onde o deputado possui boa inserção eleitoral. Sua votação, desde a de vereador em 2000 e as duas de deputado, em 2002 e 2006, tem crescido de forma gradativa. Nesse interím, Sérgio tentou e perdeu para prefeito. Maggi perde dois aliados importantes na região. O ex-deputado e ex-secretário de sua gestão Carlos Brito (PDT) se desvincula da militância político-partidária para integrar a diretoria da Agecopa, autarquia que conduzirá os projetos voltados à Copa do Mundo de 2014 em Cuiabá. O outro que seria espécie de braço de Maggi na Baixada Cuiabana, empresário Mauro Mendes, saiu do PR e migrou para o PSB, se distanciando do Palácio Paiaguás. Com isso, o governador deve ver em Sérgio um forte cabo eleitoral na Grande Cuiabá. 

    Governador desde janeiro de 2003, Blairo Maggi se mostra empolgado com a retomada do projeto ao Senado. Enfatiza que, antes da decisão oficial, precisa "encaminhar algumas conversas". Se optar pela candidatura, terá até 3 de abril para renunciar ao mandato, já que a legislação estabelece prazo de seis meses antes do pleito para a desincompatibilização. O vice Silval Barbosa (PMDB) não esconde a empolgação com a notícia, afinal vive expectativa de assumir por oito meses a cadeira de governador e, de quebra, receber o combustível ideal para "turbinar" sua pré-candidatura à sucessão estadual. O peemedebista conta com apoio declarado de Maggi.


Fonte: RDNEWS - Portal de notícias de MT
Visite o website: https://www.rdnews.com.br/