Quinta-Feira, 22 de Outubro de 2009, 19h58
Caso Lutero
Oitiva de testemunhas é marcada por confissões e tensão



Comissão ouve duas testemunhas de acusação; entre demais vereadores, só Antônio Fernandes comparece
Foto: Josinei Moreira

   O segundo dia de maratona das oitivas das testemunhas de acusação arroladas pela Comissão Processante, que investiga o suposto rombo de R$ 7,5 milhões na gestão Lutero Ponce (PMDB), foi marcado por confissões. Nesta quinta (22), a sessão começou com o anúncio de que o empresário Waldir Dias de Moura não prestaria declarações, já que não fora encontrado para receber a notificação. Apenas o proprietário da empresa de locação de veículos, Marco Antônio Freitas Pinheiro, e o empresário Hudson Benedito foram ouvidos pela Comissão, formada por Francisco Vuolo (PR), Lúdio Cabral (PT) e Lueci Ramos (PMDB).

   Além da presença das testemunhas e membros da Comissão durante as seis horas de depoimentos, e de Lutero, o único vereador que acompanhou a oitiva foi Antônio Fernandes (PSDB). Primeiro a ser ouvido, Marco Antônio não relutou em afirmar que seu depoimento na Delegacia Fazendária, ocorrido em 30 de junho deste ano, teria termos que foram alterados. Segundo ele, a delegada Luzia Guimarães teria dito que lhe daria delação premiada, caso ele confirmasse que recursos eram devolvidos ao ex-secretário-geral Hiran Monteiro.

   Segundo Paulo Taques, advogado de Lutero, as declarações não teriam o surpreendido. "As declarações que Marco Antônio fez sobre seu depoimento ter sido distorcido pela Delegacia Fazendária não é novidade. Já ouvi esse tipo de afirmação em outros casos que atuei", revelou.   No segundo depoimento, o do empresário e proprietário da empresa de informática Servcom, Hudson Benedito, o clima ficou tenso, já que ele teria afirmado participar do esquema de fraudes na Câmara.

   Ele garantiu ainda que devolveu cerca de R$ 60 mil ao contador Marcos David de Andrade. Após essas declarações, Benedito foi questionado por Paulo Taques sobre qual o motivo dele não constar na razão social da empresa. Hudson se recursou a responder a pergunta. Um requerimento foi feito à Mesa, porém indeferido, o que resultou no descontentamento de Taques. Nesta sexta (23), a previsão é de que Enrique Camargo e Hiran Monteiro sejam ouvidos pela Comissão no período da manhã, já os empresários Gustavo Salgueiro, Sirlene dos Santos e Auge Cardoso serão ouvidos durante a tarde. (Lisânia Ghisi)


Fonte: RDNEWS - Portal de notícias de MT
Visite o website: https://www.rdnews.com.br/