Quarta-Feira, 10 de Outubro de 2007, 07h14
ARTICULAÇÃO
De olho em 2010, Silval e Bezerra racham PMDB


   As mesmas pretensões políticas para 2010 do vice-governador Silval Barbosa e do deputado federal Carlos Bezerra transformaram o desgastado PMDB em dois. Como ambos articulam projeto a governador, Silval tenta construir sua base de um lado e, Bezerra, que preside a legenda há mais de uma década, puxa a militância para outro rumo. O desejo de Silval e que a agremiação peemedebista "cole" no governo Blairo Maggi. Assim, o vice hoje pode ser o governador de amanhã com Maggi na chapa majoritária como candidato a senador.

   Já Bezerra, na bronca com Maggi por não dar abertura de espaço ao PMDB, é a favor da ruptura. Bateu duro até que o deputado Juarez Costa entregou a vice-líder do Palácio Paiaguás na Assembléia. A legenda peemedebista só não rompeu de vez porque ainda é representada dentro do governo por Silval que, sem alarde, vem construindo sua liderança. A bancada do partido na AL também não se entende.

   Pela segunda vez, Silval ocupa provisoriamente a cadeira de governador, enquanto Maggi percorre a Europa numa comitiva. Sem alarde, Silval tenta conquistar a direção do PMDB. O seu perfil moderado agrada a maioria da militância. O problema é que o vice teme Bezerra. A cada investida do cacique político, o ex-presidente da Assembléia Legislativa recua.

   O partido que já foi das massas e empolgava a militância, hoje é carimbado, por ações de seus líderes, como fisiologista, atrelado ao poder e que toma de decisão de cúpula. No Estado, comanda 14 prefeituras. Perde para o PP e DEM (ambos com 17) e para o PR (74). O partido não definiu o seu rumo. Está empacado. Fala em projeto próprio, mas não se mobiliza para isso. Assim, deve continuar coadjuvante e viver de sonhos ao lembrar que certa época, década de 80, comandou o Estado com Carlos Bezerra.


Fonte: RDNEWS - Portal de notícias de MT
Visite o website: https://www.rdnews.com.br/