Quarta-Feira, 17 de Outubro de 2007, 08h00
ARTICULAă├O
Bloco se une para eleiš§es e vai se op˘r a Maggi



Caciques do DEM, PMDB e PP formam bloco independente para confrontar PR e PT em 2008 e chegar ao Paiaguás em 2010 

   O senador Jaime Campos (DEM), o deputado federal Carlos Bezerra (PMDB) e o estadual José Riva (PP), pré-candidatos majoritários para 2010, fecharam um acordão visando as duas próximas eleições. Os efeitos, porém, já começam a ser sentidos agora, com reflexos na Assembléia Legislativa e no Palácio Paiaguás. O governador Blairo Maggi tende a se tornar refém da  tríplice-aliança e vai enfrentar um período nebuloso.

   Os caciques dos três partidos entendem que precisam formar um bloco independente porque estão sendo ignorados por Maggi, que buscou apoio no DEM, PMDB e PP para se reeleger e agora descarta retribui-los, também com apoio nas urnas.

   Dessa forma, os grupos começam a se dividir. De um lado, Maggi se junta aos petistas, numa composição PR/PT. De outro, democratas, peemedebistas e progressistas se unem. Um terceiro bloco começa a ser formado com PPS, PSDB e PDT.

   O bloco DEM/PMDB/PP estabeleceu que vai trabalhar unido nas eleições municipais de 2008. A estratégia é partir para o enfrentamento onde tiver candidatos do PR e do PT. Em Sinop, por exemplo, Riva chegou a provocar a dissolvição do diretório do PP para que a comissão provisória nomeada conduzisse a legenda ao apoio à candidatura a prefeito do deputado Juarez Costa (PMDB). Em Rondonópolis, o PP também apoiará o peemedebista Zé do Pátio no confronto contra o prefeito Adilton Sachetti (PR). Em moeda de troca, o PMDB estará no palanque do deputado Walter Rabello, candidato do PP a prefeito de Cuiabá.

   A tríplice-aliança pretende ganhar a maioria das prefeituras do Estado para partir com força na corrida às eleições gerais de 2010. Pelo acordão, quem tiver melhor nas pesquisas entre Jaime, Riva, Bezerra e/ou o vice-governador Silval Barbosa será o candidato a governador. Os outros dois concorreriam ao Senado, já que haverá abertura de duas vagas no Congresso Nacional. A idéia é cada um ficar com uma vaga majoritária.

   Na Assembléia, o grupo reúne nada menos que 11 dos 24 deputados, que vão começar a fazer oposição dura ao governo Maggi. O governador, por sua vez, terá de refazer sua base.

   Conjecturas

   Com a divisão de três grupos políticos, o cenário começa a clarear sobre a disputa majoritária de 2010. As articulações só devem avançar após o pleito de 2008, mas já é possível, em meio a algumas conjecturas, esboçar as seguintes tendências:
   1) A turma da botina lançaria a governador ou o diretor-geral do Dnit, Luiz Antonio Pagot, ou o prefeito de Rondonópolis, Adilton Sachetti. Ao Senado, seriam Blairo Maggi e o deputado federal petista Carlos Abicalil;
   2) A tríplice-aliança (DEM/PP/PMDB) costura a candidatura de Jaime a governador, enquanto seriam candidatos à senatória José Riva e Silval Barbosa ou Bezerra;
   3) PDT, PSDB e PPS já falam numa virtual candidatura ao Paiaguás dos deputados Otaviano Pivetta ou Percival Muniz. e do tucano Wilson Santos, hoje prefeito da Capital.


Fonte: RDNEWS - Portal de notÝcias de MT
Visite o website: https://www.rdnews.com.br/