Sábado, 12 de Abril de 2008, 15h18
EDUCAÇÃO
Panfleto "cola" Riva ao candidato a reitor Valente



Panfleto vincula candidato Valente ao deputado José Riva

  A disputa pela reitoria da Universidade Federal de Mato Grosso, envolvendo três candidatos, começa a descambar para a baixaria. Críticas, ataques pessoais e até distribuição de panfletos apócrifos revelam a dimensão dos conflitos. As maiores divergências estão entre a professora Maria Lúcia Cavalli Neder, candidata da situação e apoiada pelo grupo do atual reitor Paulo Speller, e João Pedro Valente, da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária. A eleição acontece na próxima sexta (18).

João Valente, um dos candidatos a reitor da UFMT  Ex-secretário de Educação no início da gestão do prefeito de Cuiabá, Wilson Santos (PSDB), João Valente acusa a professora Maria Lúcia Neder de agir de forma “ardilosa e apelativa” . "Ela (Lúcia) se utiliza de expedientes ardilosos e de práticas condenáveis", reage o candidato. Ele disse que a adversária e "o pessoal do PT" estão tentando vincular a sua imagem com a do deputado estadual José Riva (PP), que comanda a Assembléia Legislativa há vários anos e enfrenta processos na Justiça. Um panfleto traz charges de Valente e Riva e, logo abaixo, as expressões "Rivalente  - digas no avião de quem tu andas, que eu direi...".

   "Isso é baixo nível e desespero de causa. Eles sabem que estão em desvantagem e, por isso, apelam pra essas baixarias”, reage João Valente. Garante que não é amigo e nem tem qualquer relacionamento com Riva. “A última vez que conversamos, em 1998, foi sobre a possibilidade de levarmos cursos para o município de Juína. Foi uma conversa institucional, em um local público. Nunca fui à casa de Riva ou ele à minha”, disse.

   Valente conta que tem amizade com o deputado federal Eliene Lima (PP), aliado de Riva. “Fomos professores da antiga Escola Técnica Federal por 15 anos e demos aulas em cursinho pré-vestibular. Eles estão forçando a barra e usando este fato para dizer que eu seria do grupo do PP. Isso é uma afronta à minha inteligência e ao bom-senso da comunidade da UFMT”, disse.

Professora Maria Lúcia Neder, que concorre à cadeira de reitora Uso da máquina

  Segundo Valente, a professora Maria Lúcia foi denunciada formalmente por usar a máquina adminsitrativa da instituição e insiste em continuar cometendo a irregularidade. A denúncia partiu da Comissão de Consulta das Entidades ligadas à UFMT, composta pelo Sindicato dos Trabalhadores da UFMT (Sintuf), Associação dos Docentes (Adufmat) e do Diretório Central dos Estudantes (DCE). Em discurso feito no campus de Pontal do Araguaia, em Barra do Garças, em 20 de março e gravado por uma câmara de vídeo, a candidata afirma o seguinte: “(...) Estamos sempre privilegiando os espaços da universidade. (...) Não temos comitê fora da universidade. Não temos nenhum trabalho fora dos espaços institucionais. Utilizamos as salas, utilizamos os telefones da UFMT porque compreendemos que a eleição de reitor é diferente (...”).

  Para João Valente, a postura da adversária representa uma indecência. "É faltar com o respeito para com a instituição. Pior ainda é que ela foi notificada e disse, publicamente, que iria continuar a se utilizar desse expediente. É lamentável que a coisa tenha chegado a esse ponto”, afirmou Valente.

   Valente disse ainda que Maria Lúcia Neder, sim, tem relações oficiais com o PT e com o PC do B. “As duas siglas fecharam questão com ela. A militância dos partidos está na campanha dela, tentando coagir professores, alunos e técnicos administrativos. Eles pensam que podem ganhar a disputa no grito, mas estão enganados”. Ponderou que não pretende vencer a disputa “a qualquer custo”. “Não vou passar por cima dos meus princípios. Não vou me nivelar a essa baixaria. Infelizmente, do jeito que as coisas andam, daqui a pouco eles vão querer comprar voto. Eles usam os piores expedientes da escola do PT e de seus aloprados.

  Enquanto Valente e Maria Lúcia polarizam a disputa, corre por fora o professor e diretor da Faculdade de Ciências Médicas (FCM), Domingos Tabajara de Oliveira Martins. O grupo que apóia Tabajara também é opositor ao reitor Paulo Speller, que está no segundo mandato.

    A expectativa é de que a eleição seja realizada em dois turnos, o primeiro no próximo dia 18. Caso nenhum candidato consiga atingir a 50% dos votos mais um, haverá disputa em segundo turno no dia 13 de maio. Cada segmento da comunidade universitária (docentes, servidores técnico-administrativos e alunos) tem peso de 1/3 dos votos. Essa divisão foi estabelecida para que cada um dos seguimentos possa votar na mesma proporção. Depois, uma lista tríplice, encabeçada pelo mais votado, segue para escolha e nomeação pelo presidente da República. O mandato de reitor é de 4 anos.

As chapas na corrida à Reitoria da UFMT

Renovação UFMT
Reitor: Domingos Tabajara
Faculdade de Ciências Médicas
Vice-reitor: João de Deus Guerreiro Santos
Departamento de Engenharia Civil

A UFMT É VOCÊ
Reitora: Maria Lúcia Cavalli Neder
Departamento de Educação
Vice-reitor: Francisco José Dutra Solto
Faculdade de Ciências Médicas

UNIVERSIDADE HUMANA, TRANSPARENTE E DEMOCRÁTICA
Reitor: João Pedro Valente
Faculdade de Agronomia e Medicina
Veterinária
Vice-reitor: Germano Guarim Neto
Instituto de Biociência


Fonte: RDNEWS - Portal de notícias de MT
Visite o website: https://www.rdnews.com.br/