Terça-Feira, 17 de Junho de 2008, 09h33
CUIABÁ
Câmara mal começa e já suspende a sessão


   A sessão ordinária da Câmara de Cuiabá desta terça (17) mal começou, às 9h, e já foi suspensa por falta de quórum, ou seja, pela ausência de vários parlamentares em plenário. O fato se tornou uma rotina no parlamento cuiabano. Praticamente todas as sessões são suspensas por alguns minutos. O curioso é que a suspensão deveria ser de 15 minutos, mas normalmente demora ao menos meia-hora para retornar.

   O Legislativo da Capital realiza duas sessões semanais, às terças e quintas. Fora esses 2 dias, os 19 vereadores não têm obrigação de comparecer à Câmara. Cada um recebe um salário de R$ 7,5 mil, além de uma série de privilégios. (Pollyana Araújo)

   Os atuais 19 vereadores:

  • Lutero Ponce (PMDB)
  • Domingos Sávio (PMDB)
  • Mário Lúcio (PMDB)
  • Lúdio Cabral (PT)
  • Enelinda Scala (PT)
  • Luiz Poção (PP)
  • Levi de Andrade (PP)
  • Marcus Fabrício (PP)
  • Márcia Campos (DEM)
  • Luiz Marinho (DEM)
  • Edivá Alves (PSDB)
  • Lueci Ramos (PSDB)
  • Júlio Pinheiro (PTB)
  • Clovis Hugueney, o Clovito (PTB)
  • Chico 2000 (PR)
  • Francisco Vuolo (PR)
  • Permínio Pinto (PSDB)
  • Ivan Evangelista (PPS)
  • Éden Capistrano (PSDB)

(Às 9h42) - Sessão retorna após 40 minutos de suspensão

   A sessão retornou após mais de 40 minutos de suspensão, com a leitura da ata feita pelo primeiro-secretário da Câmara, vereador Luiz Poção (PP).

(Às 10h19) - Lúdio apresenta requerimento e cobra prefeito

   O vereador Lúdio Cabral (PT) apresentou um requerimento nesta terça com vistas a cobrar do prefeito Wilson Santos (PSDB) documentações referentes ao programa QualiSUS. Segundo o petista, o governo federal liberou R$ 8,8 milhões ao programa. Esse recurso deve ser destinado à reforma das policlínicas do Verdão, Planalto e Coxipó. Também deve ser usado em obras para melhoria do atendimento do Pronto Socorro de Cuiabá.

(Às 10h45) - Sindicalista repudia portaria criada por Soares

   A representante do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sispumc), Maria Ângela Conceição, foi à Câmara nesta terça (17) para manifestar repúdio à Portaria 021/2008 criada pelo secretário de Saúde de Cuiabá, Luiz Soares. Maria Ângela considera absurdas  as exigências previstas na portaria que vetam o direito dos servidores de receberem o prêmio Saúde. Nesse caso, aquele que pegar licença médica, licença maternidade e atestado de óbito em família para justificar o motivo da falta não terá direito ao benefício que equivale a 60% do salário de cada trabalhador.

   Além disso, ainda retira o "prêmio" daqueles que aderirem às eventuais greves do setor. "Na verdade essa portaria é uma verdadeira coersão aos servidores. Há profissionais doentes que estão cuidando de outros doentes, pois não temos o direito de apresentar um atestado médico". A sindicalista avalia que quem deve julgar greves não é o Executivo, pois existem outras instâncias para cuidar desses casos.

  O vereador Mário Lúcio (PMDB) aproveita o momento e diz que o prefeito Wilson Santos (PSDB) errou na escolha do secretário Luiz Soares. "Acho que foi uma infeliz escolha do prefeito ao escolher o Luiz Soares". (Pollyana Araújo)


Fonte: RDNEWS - Portal de notícias de MT
Visite o website: https://www.rdnews.com.br/