Atualização Automática: LIGADA | DESLIGADA
  • 19h:01

    "Os oficiais deixam a sala, deixam o Palácio, e o governado me liga me convocando. Vou até o gabinete, a sala de reunião dele, e ele está acompanhado de coronel Siqueira Júnior e  do secretário da Casa Civil José Adolpho. Me perguntam: e aí? Respondo a ele que: governador, é isso que os secretários estão falando, uma possível deflagração de operação contra a Casa Militar. Ele se exaspera e determina aos assessores para fazer um ofício ao presidente do TJ noticiando esses fatos, de uma operação que teria como alvo secretários de Estado. E determina ao secretário José Adolpho que leve em mãos. E na minha presença pede uma ligação ao desembargador Orlando Perri.. Muito exaltado e intimidatório, ele disse que não admitia oficial da PM ir ao Palácio ameaçar que haveria operação, que haveria busca"

  • 18h:59

    O coronel narra a ida de dois oficiais da PM, entre eles o coronel Mendes, à Casa Militar para avisar que haveria uma operação com busca e apreensão na pasta com base no primeiro Inquérito Policial Militar (IPM) instaurado no caso dos grampos, que era relatado pelo desembargador Orlando Perri. A situação ocorreu em 23 de junho de 2017.

  • 18h:46

    Em determinado momento, já em 2015, sistema foi tirado de uma sala comercial no Edifício Master e levada a uma sala da Titânia Telecom. Neste momento foi desmontado o sistema Wytron e um novo sistema, desenvolvido com ajuda do empresário José Marilson da Silva, da Simples IP, teria sido instalado em uma sala da Titânia Telecom. O novo sistema funcionava a distância, apenas com login e senha, não sendo necessário ir ao prédio onde fica a Titânia.

  • 18h:46

    Gisele Bergamasco, que trabalharia junto ao Comitê de Assuntos Fundiários, teria sido grampeada a pedido de Paulo Taques, por interesse político do grupo.

  • 18h:41

    O coronel declarou que o ex-vice-governador Carlos Fávaro teria sido grampeado "de maneira oblíqua". Um servidor ligado a ele, que trabalhava no Observatório de Gestão, teria tido o nome indicado pelo então chefe da Casa Civil Paulo Taques para ser interceptado ilegalmente.

  • 18h:38

    Lesco narrou que foram repassados R$ 12 mil inicialmente. A execução das interceptações estariam sendo de maneira precária, e então um novo aporte de R$ 13 mil teria sido feito. Em momento posterior, mais R$ 40 mil teriam sido gastos pelo grupo. Os valores teriam sido repassados pelo ex-secretário-chefe da Casa Civil Paulo Taques em parte, e outra parte passado por Lesco por meio de empréstimos com a promessa de que Paulo Taques pagaria posteriormente.

  • 18h:36

    As placas da marca Wytron utilizadas para interceptações ilegais teriam sido doadas pelo procurador Jorge Prado, do Ministério Público Estadual (MPE). "Se não fosse a doação das placas feita pelo procurador Paulo Roberto Jorge do Prado nada disso estaria acontecendo auqi hoje", disse o coronel Lesco no depoimento.

  • 18h:35

    "Depois disso, o coronel Zaqueu me aciona, em uma segunda tratativa, dizendo que precisava que desse esse suporte. O Corrêa o procura e recebe dele as placas de interceptação da marca Wytron. O cabo Gerson Corrêa era o único a ter a viabilidade técnica para colocar o esquema "em ativação""

  • 18h:34

    Fui acompanhado do cabo Gerson ao McDonalds na avenida do CPA, ao abaixar o vidro, o veículo ao lado estava sendo conduzido pelo Paulo Taques. Seguimos para a estrada da Chapada para o restaurante Reserva. O Paulo Taques faz uma exposição para dizer que queria fazer interceptações telefônicas para grampear adversários políticos.

  • 18h:33

    "Me sinto obrigado a pedir desculpas. Para minha família, para a Polícia Militar do Estado de Mato Grosso. Desculpas ao Ministério Público Estadual, desculpa à imprensa, que dedicado ao seu dever constitucional, bravamente vem se empenhando em divulgar os fatos. Pedir desculpas à Ordem dos Advogados do Brasil, e ao Poder Judicíário. Cheguei ao ponto de tentar obstruir a Justiça, gravando um desembargador, e por isso peço desculpas", diz, a falar da pressão feita ao coronel José Henrique Costa Soares, para que gravasse conversa com o desembargador Orlando Perri.