• Anônimo | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    O MP precisa entender que existem cargos que necessita - se de pessoas de extrema confiança do administrador para exerce-la e sabemos que ninguém é mais de confiança do que as pessoas mais próximas.
    O que precisa ser analizado e avaliado é realmente a capacidade da pessoa que ocupa o cargo ou função e quanto a isto não há o que se discutir em relação a Sra Terezinha Maggi.
    Portanto neste caso sou solidario ao Governador Blairo Maggi.

  • Anônimo | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Vale ressaltar que o MP existe para fiscalizar o cumprimentos das Leis e não para determinar nenhuma ação e até porque desconheço alguma lei que regulamente ou proiba a nomeação de parentes em cargos de confiança.
    O que existiu foi um procedimento administrativo interno onde o Conselho Nacional de Justiça determinou aos TJ a exoneração deparentes dos cargos de confiança.

  • Milena | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    essa foto da Terezinha retrata o deboche com o povo matogrossense,porque mesmo sendo parente,mesmo cometendo erros na condução da politica social do governo,nada vai acontecer com a lindinha

  • Maria da Penha | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Poiis é Sr. Blairo, como o sr. mesmo disse, Terezinha não precisa nem de emprego e nem de salário. Eu lhe pergunto; se ela é tão boa como V. Exa. fala, porque ela não faz esse trabalho de maneira voluntária como primeira dama? Se não precisa de salário, nem emprego, PORQUE TANTO APEGO? como primeira dama ela deve e tem as prerrogativas de fazer esse mesmo trabalho, SEM PORTANTO RECEBER SALÁRIOS.
    ESTE GESTO SIM SERIA O PRIMEIRO ATO DE GRANDEZA QUEn TODOS ESPERAM DA CHAMADA POR TODOS DE RAINHA DA SOJA.

  • Andre Milicino | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Milena e Maria da Penha, vocês são muitos invejosas, credo em cruz, uma mulher por perto feito vocês, xô vai pra lá.
    Isso é pura dor de cotovelo, vão trabalhar.

  • Maria da Penha | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas.
    Queira, por gentileza, refazer o seu comentário.

  • Rosa Maria do Coxipo | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas.
    Queira, por gentileza, refazer o seu comentário.

  • Arcanjo | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Caros leitores, estão discutindo nepotismo, não competência, Competência nós sabemos que a família Maggi tem.O povo Mato-grossense espera que o grupo da butina tenha ética somente. Gostaria muito de saber quem é o fiel depositário do Comendador Arcanjo.

  • Ana Flavia | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0



    Senhor Governador, não teria sido dito por Vossa Excelência enquanto pedia voto: Em minha Administração não nomearei um político na Educação. Em minha Administração Educação será feita pensando nas proxímas gerações e não nas proxímas eleições. O que fez??? Em minha adminstração cumprirei a lei. O que é a Cosntituição de um País??? salvo engano La Salle dizia que pode até ser um mero pedaço de papel. É o que parecece ser a nossa Constituição para o Senhor Governador. Se sua esposa quer ajudar que faça valer o que lhe é de Direito, seja 1ª Dama. E o MP público, não creio que seja afrontado e fique por isso mesmo. O Procurador Geral de Justiça não manifesta??? As demais instâncias, existem para quê???

  • Arcanjo | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    DECRETO-LEI Nº 1202 \ 08.04.1939

    Dispõe sobre Administração dos Estados e dos Municípios

    ART. 44. O interventor, ou governador, e os prefeitos não podem conceder serviços públicos a parentes, de uns e outros, até o 4º grau, consangüíneos ou afins, ou com eles efetuar qualquer espécie de contrato, nem nomeá-los para função ou cargo público, salvo para funções temporárias de confiança imediata.