Judiciário

Quinta-Feira, 11 de Abril de 2019, 08h:13 | Atualizado: 11/04/2019, 14h:25

Vitória

2ª Turma do STF rejeita denúncia contra ex-parlamentar por ausência de provas

Por unanimidade, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal rejeitou, na sessão extraordinária desta terça (9), a denúncia no Inquérito (INQ) 3711 contra o ex-deputado federal Nilson Aparecido Leitão (PSDB). O Ministério Público Federal (MPF) acusava o parlamentar pela prática dos crimes de corrupção passiva, tentativa de peculato e fraude em licitação, quando à época em que foi prefeito de Sinop.

Marcelo Camargo/Agência Brasil

C�rmen L�cia

Carmén Lúcia citou prescrição de um dos crimes e falta de provas em relação aos outros

O julgamento foi retomado com o voto-vista da ministra Cármen Lúcia, que seguiu o entendimento do relator, ministro Gilmar Mendes, no sentido da extinção da punibilidade quanto ao delito previsto na Lei 8.666/1993 (Lei de Licitações), em decorrência da prescrição, e pela rejeição da denúncia quanto às demais acusações, por ausência de justa causa, nos termos do artigo 395, inciso III, do Código de Processo Penal.

Cármem destacou que as provas contidas nos autos não evidenciam a participação do deputado na prática dos crimes e que a jurisprudência do STF é no sentido de rejeitar denúncia quando inexistentes elementos mínimos de provas que caracterizarem autoria ou materialidade. Ela também seguiu o voto do relator no sentido de que o crime previsto no artigo 90 da Lei de Licitações prevê pena máxima de quatro anos e, no caso, o prazo prescricional é de oito anos. Como o certame licitatório ocorreu em abril de 2006, ocorreu a prescrição quanto a esse delito.

O presidente da Segunda Turma, ministro Ricardo Lewandowski, também acompanhou o voto do relator. Na sessão em que o inquérito começou a ser julgado, em 5/4/2016, na qual houve o pedido de vista da ministra Cármen Lúcia, o ministro Teori Zavascki (falecido) havia votado com o relator. Assim, por unanimidade, foi rejeitada a denúncia por falta de justa causa para o exercício da ação penal e julgada extinta a punibilidade em relação à suposta prática de fraude em licitação.

Denúncia

Segundo o MPF, o então prefeito teria recebido vantagem indevida para praticar ato de ofício consistente na contratação de obra de engenharia civil mediante direcionamento em favor da empresa de Zuleido Veras, sócio da construtora Gautama, e teria havido superfaturamento na construção da rede de esgoto da cidade.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Ggm | Quinta-Feira, 11 de Abril de 2019, 09h03
    1
    0

    Essa suprema corte e o atraso no Brasil.

Matéria(s) relacionada(s):

Governo liquida toda folha de março

luciana rosa 190 curtinha tesouro   A secretaria de Fazenda creditou neste sábado o pagamento de março dos servidores ativos e inativos que recebem acima de R$ 7,5 mil para quem tem conta no BB. Já para aqueles com conta em outros bancos, a liberação será na segunda (22). Segundo a...

Delator afirma não ter promissórias

silval barbosa curtinha   As tais notas promissórias que o STF alegou não ter encontrado nos autos do processo, pelo visto, não vão aparecer. O próprio delator, ex-governador Silval Barbosa (foto), que confessou esquemas criminosos dentro de sua gestão, disse que jamais prometeu apresentar esses...

Ex-prefeito de Chapada agora na AL

gilberto mello chapada curtinha   Após duas tentativas frustradas de retorno ao comando da Prefeitura de Chapada, em 2012 e 2016, o ex-prefeito e pecuarista Gilberto Schwartz de Mello (foto) agora atua como assessor-adjunto da Primeira-Secretaria da Assembleia Legislativa. Tem salário de R$ 5,6 mil. Ele arrumou o cargo comissionado...

Projetos irregulares e ressarcimento

leandro carvalho curtinhas   Alguns proponentes da época de Leandro Carvalho (foto) como secretário estadual de Cultura, no Governo Taques, estão sendo obrigados a devolver ao erário o que receberam de ajuda financeira porque simplesmente não prestaram contas. Marcos Aurélio Oliveira da Silva é um...

Servidores do Judiciário ganham RGA

carlos alberto curtinha   Os servidores do Judiciário, sob Carlos Alberto (foto), assim como nos outros anos, receberam a sua Revisão Geral Anual. Neste ano, têm direito a 3,43% a título de reajuste, índice calculado com base na inflação. De um certo modo, trata-se de uma categoria de um Poder...

Presidente vê quebra de paradigma

misael galvao curtinha   Misael Galvão (foto) disse que nestes primeiros 90 dias como presidente da Câmara da Capital tem tomado decisões que representam quebra de paradigma e que terão reflexos positivos junto à população cuiabana daqui a dois meses. Enfatiza a questão da transparência,...

MAIS LIDAS