Judiciário

Quarta-Feira, 01 de Maio de 2019, 07h:47 | Atualizado: 02/05/2019, 07h:57

NOVAS REGRAS

Ações trabalhistas caíram 30% depois de reforma e Justiça ainda vive um "limbo"

Processos

Processos sendo manuseados por servidor do Poder Judiciário em MT

As ações trabalhistas tiveram uma queda de cerca de 30% em seu volume e a jurisprudência ainda tem uma espécie de “limbo” a ser esclarecido por decisões do Tribunal Superior do Trabalho (TST) depois da Reforma Trabalhista, sancionada pelo ex-presidente Michel Temer (MDB) em 2017. Os apontamentos são da advogada Narana Souza Alves. O número de ações, porém, tende a voltar aos patamares anteriores na medida em que advogados passam a estudar mais profundamente as mudanças trazidas pela reforma.

“O TST precisa revisar as súmulas dele. Tem decisões de juízes de primeiro grau que contrariam as súmulas do TST e isso está sendo um grande problema. Então, ainda há muito a se fazer. Apesar de ter mais de um ano da reforma, a gente ainda tem que desenvolver muita coisa”, afirmou ao .

Os entendimentos referentes à Justiça gratuita e à condenação ao pagamento de honorários sucumbenciais são os pontos mais críticos.

Em março, o ex-vendedor de uma concessionária de caminhões no interior do Estado foi condenado a pagar R$ 750 mil em honorários ao advogado da empresa. Ele entrou na Justiça em 2016 reclamando de reduções salariais irregulares e do cancelamento de uma viagem prometida como prêmio aos melhores funcionários. A juíza Adenir Alves da Silva Carruesco, da 1ª Vara de Trabalho de Rondonópolis, se baseou na regra de sucumbência prevista na Reforma Trabalhista para condená-lo ao pagamento dos honorários.

“A maioria dos reclamantes quando vão entram com uma ação trabalhista requererem verbas alimentares. Essas verbas alimentares são direitos deles e têm toda uma questão de que não podem ser penhoradas, é uma necessidade essencial, e a lei vem trazendo que, mesmo que esse reclamante seja beneficiário da Justiça gratuita, pode haver condenação em honorários sucumbenciais”, ressalta Narana.

Rodinei Crescêncio

Narana Alves

Advogada Narana Alves, em conversa com o , sobre perfil das ações trabalhistas após a reforma de Temer

“Vamos dizer que a pessoa entrou com uma ação pedindo R$ 100 mil e no final das contas ele ganhou R$ 30 mil. Então, teria que pagar os honorários sucumbenciais em cima de R$ 70 mil. Vamos colocar aí 5% em honorários sucumbenciais ou 10% em cima disso, seriam R$ 7 mil. Ele ganhou R$ 30 mil e esses R$ 7 mil seriam descontados disso que são verbas trabalhistas, verbas alimentares. Então, isso tem sido um grande problema”, exemplificou.

As decisões ainda não chegaram ao TST para que haja uma jurisprudência pacificada sobre o assunto. Pela legislação, as ações devem ter pedido certo, determinado e devem indicar o valor a ser pago. A advogada também aponta que os empregados não têm o hábito de guardar documentos relativos ao pagamento dos salários e também do ponto, mesmo quando o registro é eletrônico.

“Hoje para a gente entrar com uma ação contra a empresa, a gente precisa saber exatamente a evolução salarial por essa questão de indicação de valores, que ainda não foi pacificado se é liquidado ou se é apenas indicação. Se ele quer pedir horas extras, como eu peço horas extras se eu não tenho esse controle? Mas ele recebeu o recibo, toda vez que ele bateu ponto e jogou fora”, afirmou.

É impossível em uma sociedade não existir conflitos trabalhistas. E tendo em vista que a maior parte dos processos envolvem grandes empresas, essas companhias não passaram a agir corretamente com os seus empregados só por conta de uma reforma. Elas continuam, às vezes, pecando em alguns pontos

Quando o trabalhador não tem a documentação, há necessidade de entrar com pedido junto à empresa para obter a segunda via. As empresas, porém, têm se negado a disponibilizar pela justificativa de que o documento foi fornecido durante o vínculo empregatício e que não são obrigadas a produzir provas contra si. Nestes casos, é necessário entrar com uma ação para produção de provas.

Extinção da Justiça do Trabalho

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) extinguiu o Ministério do Trabalho em janeiro deste ano, logo após assumir o cargo. Ele também já se pronunciou sobre um suposto “excesso de proteção” e cogitou a extinção da Justiça do Trabalho.

A advogada defendeu a necessidade da jurisdição especializada e avaliou que os maiores interessados em sua extinção são aquelas empresas que, reiteradamente, descumprem normas de segurança do trabalhador. Em Mato Grosso, grandes frigoríficos e empresas do agronegócio são alvos da maior parte das ações trabalhistas desse tipo.

No caso dos frigoríficos, os processos são, em geral, pelo não pagamento do adicional de insalubridade, diz a jurista. A legislação prevê a possibilidade de não pagamento do adicional nas empresas em que for fornecido e cobrado o uso de equipamentos certificados pelo extinto Ministério do Trabalho, com prazo de validade e que sejam trocados regularmente.

“É impossível em uma sociedade não existir conflitos trabalhistas. E tendo em vista que a maior parte dos processos envolvem grandes empresas, essas companhias não passaram a agir corretamente com os seus empregados só por conta de uma reforma. Elas continuam, às vezes, pecando em alguns pontos”, avaliou.

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Joao | Quarta-Feira, 01 de Maio de 2019, 17h24
    0
    3

    É uma sem noção mesmo.

  • laerte | Quarta-Feira, 01 de Maio de 2019, 14h46
    2
    4

    Tá preocupada com os trabalhadores ou com a renda pessoal???

  • Jão Barra do Garças | Quarta-Feira, 01 de Maio de 2019, 11h18
    2
    4

    qto mais açoões melhor né Dra.

Matéria(s) relacionada(s):

Visita a todos setores e agradecimento

domingos neto tce 400 curtinha   Numa demonstração de humildade e respeito aos servidores, o presidente do TCE Domingos Neto visitou nesta 4ª todo os setores do Tribunal para agradecer pessoalmente o esforço, dedicação e a contribuição de cada colaborador para que sua gestão do...

Equipe, foco e elogios ao governador

mauro carvalho 400 curtinha   Mauro Carvalho (foto), o número 2 do Palácio Paiaguás, faz questão de destacar que o governador Mauro Mendes está fechando o 1º ano de mandato sem promover uma única mudança no quadro dos 16 secretários, incluindo os que comandam a CGE e PGE. Entende isso...

Até Galvan quer o Senado pelo agro

antonio galvan 400 curtinha   A eleição suplementar ao Senado para início de 2020 começa a despertar interesse de diferentes setores. Só dos chamados representantes do agronegócio são pelo menos quatro possíveis candidatos. Até Antonio Galvan (foto), presidente da Aprosoja Mato...

Sem elo com a servidora denunciante

abilio 400 curtinha   Sob investigação da Comissão de Ética da Câmara de Cuiabá por causa de reincidentes casos de quebra de decoro, Abílio Brunini (foto), em nota, contesta o colega Juca do Guaraná, que divulgou imagens e afirmou que o vereador do PSC esteve no Hospital São Benedito e...

Goleada na cassação no TRE e no TSE

edson fachin 400 curtinha   No TRE-MT, em abril, a juíza aposentada e senadora Selma Arruda, que trocou o PSL pelo Podemos, teve o mandato cassado por unanimidade. No julgamento do recurso da parlamentar no TSE, nesta terça, o placar também foi "elástico": 6 a 1. Somente o ministro Edson Fachin (foto) votou acatando o...

PP não quer se desgrudar do prefeito

vanderlucio 400 curtinha   O PP de Cuiabá está mergulhado na gestão Emanuel Pinheiro, inclusive, comandando três secretarias com Vanderlúcio Rodrigues (foto), de Obras Públicas e que preside a legenda na Capital, Francisco Vuolo (Cultura, Esporte e Turismo) e Débora Marques (Agricultura, Trabalho e...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.