Judiciário

Segunda-Feira, 20 de Maio de 2019, 07h:22 | Atualizado: 20/05/2019, 17h:18

Advogado vê porte de arma com reserva

Rodinei Crescêncio

Advogado F�bio Capil�

Advogado Fábio Capilé, do Iamat, entende que, se há liberação, tem que atender a todos

O presidente do Instituto dos Advogados Mato-grossenses (Iamat), Fábio Capilé, disse entender que o porte de armas deveria ser liberado não a apenas algumas categorias, como advogados, mas a toda a população. Na semana passada, o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), publicou decreto em que autorizou o porte a diversas categorias como advogados, oficiais de Justiça, entre outros.

“Eu tenho reservas a esse tipo de decreto. Embora tenha votado no Bolsonaro e esteja lutando por uma transformação do país, aprovando inclusive medidas como a Reforma da Previdência, que são voltadas para o crescimento... com relação a medidas dessa natureza eu tenho certa restrição porque acredito que o princípio da igualdade deve prevalecer”, disse.

A justificativa para o decreto é que os profissionais atuam em situações de risco à vida e enfrentam violência na atuação profissional. Mato Grosso tem 18 mil advogados ativos registrados na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Em teoria, todos eles poderiam passar pelos procedimentos para obter o porte.

“Eu acho que a partir do momento em que há uma liberação, ela tem que atender a toda a sociedade. Se a gente for analisar bem, tem pessoas que moram em periferias, em áreas de extremo risco. Tem pessoas que moram em verdadeiros casebres, um vento que bate a casa já cai. Imagine como fica a proteção dessas pessoas perante a marginalidade. A polícia não consegue alcançar esses lugares, até porque a polícia está no seu posto... a casa é invadida... até que a polícia chegue já aconteceu o fato. Então, existem pessoas que estão em uma situação de risco muito maior que os próprios profissionais elencados no decreto”, avaliou Capilé.

A partir do momento em que há uma liberação, ela tem que atender a toda a sociedade

No caso de Mato Grosso, os principais pontos de conflito estão nas zonas rurais do interior do Estado. O advogado disse entender que o porte de arma poderia ajudar a população a se defender, por exemplo, de quadrilhas especializadas no roubo de defensivos agrícolas.

“Eu entendo que a liberação do porte de arma é válida, tem que existir, principalmente onde não há efetividade da segurança pública, que é na zona rural, onde você só tem o fazendeiro ou o peão que está ali. Ainda mais em Mato Grosso, onde você vê o roubo de agrotóxicos e outros itens voltados para o plantio da safra, você não tem como se defender. Então você tem que ficar ali só a observar o mal ser feito”, exemplificou.

A medida do presidente ainda pode ser revogada. Os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Fabiano Contarato (Rede-ES) apresentaram, na quarta (8), um projeto de decreto legislativo (PDL) para suspender o decreto presidencial.

“Acho que tem que ter a liberação, mas ela deve também contemplar a todos, seguindo o princípio da igualdade prevista na Constituição. Isonomia deve prevalecer para todos os segmentos”, continuou Capilé.

O advogado ainda ponderou sobre a necessidade de rigor na fiscalização do uso de armas de fogo. O jurista defendeu a implementação de políticas para treinamento e análise psicológica dos candidatos ao porte.

“Do mesmo jeito que vem a liberdade, tem que ter responsabilidade. O porte não é uma permissão para cometer arbitrariedade ou para utilização indevida desse instrumento. A consciência está acima de tudo”, disse.

“O fato de você ter um diploma, uma carteira, para o exercício de uma profissão, isso não é um teste de sanidade mental. Você tem que ter elementos psicológicos que te habilitem a exercer o porte, mas de uma forma responsável visando tão e simplesmente a defesa pessoal e não utilizando desse instrumento para proliferação da violência”, destacou.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • GILMAR DE PAULA | Segunda-Feira, 20 de Maio de 2019, 10h39
    2
    0

    Lógico que, só será concedido o porte para àqueles que atendam as exigências legais. Também, o porte não é obrigatório, se habita ao porte o profissional que assim o desejar.

Matéria(s) relacionada(s):

5 ensaiam em Cáceres pela oposição

tulio fontes curtinha   Enquanto três tucanos da base do prefeito Francis vivem expectativa por candidatura pelo palanque situacionista em Cáceres, grupos de oposição se movimentam para lançar nomes competitivos. O advogado e ex-prefeito por dois mandatos Túlio Fontes (foto), do PV, demonstra certo...

Base de Francis, Júnior e divergências

eliene liberado curtinha   O prefeito de Cáceres Francis Maris, no segundo mandato e, portanto, fora do projeto majoritário de 2020, não esconde mais de ninguém que o nome preferencial para a disputa à sucessão é do seu secretário de Turismo, Júnior Trindade. E isso não tem...

Prefeito é ovacionado em solenidade

emanuel pinheiro curtinha   O prefeito Emanuel Pinheiro (foto) foi ovacionado nesta segunda (17), durante a solenidade que marcou entrega das chaves das unidades do Residencial Nico Baracat I,  no Jardim Liberdade, região da Grande Osmar Cabral. No geral, 360 famílias receberam as chaves dos imóveis, programa do Minha...

Governador, Nota MT e provocação

mauro mendes curtinha   Ao lançar a Nota MT, programa que estimula e incentiva o contribuinte a pedir nota em toda compra de mercadoria, o que ajuda na cultura do combate à sonegação fiscal, o governador Mauro Mendes (foto) copia para o Estado a mesma proposta implantada em Cuiabá na época em que foi...

Cândida Farias troca MDB pelo DEM

candida farias curtinha   Aos 68 anos, completados nesta segunda (17), a empresária Cândida Farias (foto), segunda-suplente do senador Jayme Campos, está desembarcando do MDB e vai se filiar ao DEM. Apesar da mudança de legenda, ela não tem pretensões de concorrer a cargo eletivo nas urnas de 2020....

Vander forte pela oposição em Tangará

vander masson curtinha   O nome mais forte hoje da oposição em Tangará da Serra, do ponto de vista da densidade eleitoral, é do empresário Vander Masson (foto), que ficou em terceiro lugar para prefeito em 2016 e, no pleito do ano passado, concorreu e perdeu para deputado federal. Filho do ex-prefeito e...

ENQUETE

Tramita na Câmara Federal o projeto 832/2019, do deputado José Medeiros, requentando uma proposta de 2007 do então deputado Jair Bolsonaro, propondo extinguir o Exame da Ordem como exigência para inscrição na OAB e, assim, poder exercer a profissão. O que você acha disso?

Concordo - esse Exame tem de acabar

Discordo - bacharel precisa, sim, se submeter ao Exame

Sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.