Judiciário

Quarta-Feira, 25 de Março de 2020, 14h:00 | Atualizado: 25/03/2020, 14h:04

MEIO AMBIENTE

Aprosoja nega risco ambiental e defende mediação para plantar soja experimental

Assessoria

Soja

Plantio experimental de soja no período que deveria ser de vazio sanitário é defendido pela Aprosoja, que afirma não haver riscos ambientais

A Aprosoja, que representa os produtores de soja, publicou uma nota em que nega haver risco ambiental no plantio experimental de soja em fevereiro. O texto vem em resposta ao Ministério Público Estadual (MPE), que entrou com diversas ações civis públicas contra a associação e seus produtores por plantio no período que deveria ser de vazio sanitário.

O MPE afirma que a pesquisa desenvolvida pela Aprosoja coloca Mato Grosso sob risco de volta da praga conhecida como ferrugem asiática. Também cita o risco de danos ambientais, pois o plantio fora de época precisaria de uso mais intenso de agrotóxicos, prejudicando meio ambiente e população.

A pesquisa havia sido acordada entre a Aprosoja e o Indea na Câmara de Mediação, Conciliação e Arbitragem (Amis). Depois que o MPE enviou notificação recomendatória para que o plantio fosse suspenso, o Indea concordou e publicou instrução normativa seguindo a recomendação, mas os produtores deram sequência ao experimento.

“É que o procedimento de medicação instaurado pela Aprosoja busca a revisão da instrução normativa por ausência de pesquisa científica que embase data limite de plantio para 31/12. O atual status da mediação é de acordo parcial, com concordância e autorização para realização de pesquisa científica, inclusive já foi tratada a metodologia desenvolvida no experimento. As partes concordaram e assinaram o início do experimento em ata, e o procedimento de mediação foi suspenso até a realização e conclusão da pesquisa pela Fundação Rio Verde e Instituto Agris”, diz a Aprosoja.

A associação ainda afirma que além de Indea e Aprosoja, a Sema, representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa)  e a Fundação de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico Rio Verde, apoiada pelo Instituto Agris, assinaram e autorizaram o início da pesquisa científica .

A pesquisa foi iniciada conforme o acordo, mas o Indea, em 17 de fevereiro (três dias após a finalização do plantio das 21 áreas de pesquisa), voltou atrás e determinou o indeferimento de cadastro de campos experimentais e a suspensão da pesquisa.

“Conforme dados da pesquisa, em análise comparativa de plantio de soja de dezembro e fevereiro, a metodologia demonstra a redução de mais de 50% do uso de defensivos agrícolas (fungicidas e inseticidas) nos plantios de fevereiro. Na forma proposta, há maior sustentabilidade ambiental, menor uso de defensivos químicos, mais qualidade no grão e economia no custo de produção”, dizem os produtores.

Conforme a presidente da Amis, advogada e mediadora judicial, Meire Correia de Santana da Costa Marques, a mediação é um método de solução de conflitos que privilegia o diálogo entre as partes, incluindo órgãos públicos.

No caso do processo instaurado pelos produtores de soja, “as partes foram convidadas a participar da Mediação, indicadas pela Aprosoja, todas pertencentes à Administração Pública, inclusive o Ministério Público do Estado de Mato Grosso e Procuradoria Geral do Estado. Incluindo Casa Civil e o Ministério da Agricultura”, contou a mediadora.

“As partes decidiram realizar uma pesquisa antes de concluir a realização ou não de um acordo quanto ao objeto da mediação, encontrando-se o Procedimento suspenso até a sua realização, por decisão das próprias partes. Ou seja, a mediação não está concluída”, explicou Meire Correia.

A Delegacia do Meio Ambiente do Estado de Mato Grosso (Dema) foi convidada pela Aprosoja, mas justificou ausência e enviou como representantes os peritos para acompanhar a sessão de mediação. Já a Sema entrou por determinação do procurador geral do Estado, “sendo que todos participaram das discussões de metodologia e realização do Acordo Parcial Extrajudicial para realização da pesquisa cientifica”. O MPE também teria sido convidado, mas não participou das reuniões do acordo.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Calistro, dúvida à reeleição e Sumaia

sumaia leite 400 curtinha   Jânio Calistro, reeleito para o 2º mandato de vereador em 2016 e como o mais votado em Várzea Grande, com 3.658 votos pelo PSD, se mudou para o DEM dos Campos, mas ainda avalia se vai encarar o teste das urnas deste ano. Ele se mostra um tanto baqueado, após ficar preso por três meses. E...

Grupos convergem para Emanuelzinho

emanuelzinho 400   O jovem deputado federal Emanuelzinho (foto) está cada vez mais empolgado com a possibilidade de disputar a Prefeitura de Várzea Grande. Até se mudou da Capital para a cidade vizinha, onde montou apartamento no Edifício Maktub. Uma das revelações políticas do PTB, Emanuelzinho tem...

Câmara de ROO e pasta de Controle

orestes miraglia 400 curtinha   A Câmara de Rondonópolis deu de ombros para uma decisão do Tribunal de Justiça e, em primeira votação, aprovou mensagem do prefeito Zé do Pátio, criando a secretaria de Transparência Pública e Controle Interno (SETRACI) em...

Morre pai do secretário da Casa Civil

Mauro Carvalho pai   Faleceu, aos 97 anos, o pai do secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho. O empresário, que também emprestava o nome ao filho, Mauro Carvalho, foi vítima de um infarto nesta quinta (9). A informação foi confirmada pela deputada estadual Janaina Riva (MDB) que publicou nota de...

Deucimar vence Covid-19 após 20 dias

deucimar silva 400 curtinha   Após 13 dias numa unidade intensiva e mais sete se recuperando no leito de hospital, o empresário e ex-vereador pela Capital, Deucimar Silva (foto), recebeu alta médica nesta terça. Ele está curado da Covid-19. Ex-presidente da Câmara Municipal, Deucimar ficou emocionado, fez...

Estudo sobre 13º a vereadores de VG

jaqueline jacobsen curtinha 400   A conselheira-substituta Jaqueline Jacobsen (foto) estabeleceu prazo de 120 dias, em sessão de julgamento do TCE por videoconferência no último dia 2, para que o presidente da Câmara de Várzea Grande, Fábio Tardin, realize estudo prévio de impacto...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.