Judiciário

Sábado, 20 de Outubro de 2018, 10h:20 | Atualizado: 20/10/2018, 10h:24

Dono da Consignum diz que ver nome em delação de empresário causa indignação

Tarso Nunes

Willian Paulo Mischur

Willian Paulo Mischur, dono da empresa Consignum, no momento em que chega à Delegacia Fazendária em 2016

O proprietário da empresa Consignum, Willians Mischur, por meio de nota, afirma que causa estranheza e indignação o surgimento de seu nome na delação premiada do empresário Alan Malouf. Mischur nega a negociação e afirma ainda que a verdade prevalecerá.

Na delação, Mischur teria doado R$ 900 mil à campanha eleitoral do governador Pedro Taques (PSDB) ainda em 2014. O objetivo era garantir a continuidade do contrato com o Estado para oferta de empréstimos consignados aos servidores do Executivo.

O dono da Consignum afirma que jamais tratou de qualquer acordo com ninguém ligado ao governador, tanto que logo que Taques assumiu o Palácio Paiaguás, o contrato com sua empresa acabou e não foi prorrogado. “O maior patrimônio que tenho é o meu nome. Fui obrigado a ceder às exigências do Governo Silval, mesmo não recebendo qualquer valor do Estado e, no governo Taques, perdi o convênio e minha empresa sofreu as consequências", diz trecho da nota.

Segundo a delação, a doação teria sido feita após Taques ter conhecimento do esquema na secretaria estadual de Gestão (Seges) em que Willians Mischur pagava propina ao ex-governador Silval Barbosa (ex-MDB, hoje sem partido) com valores entre R$ 500 mil e R$ 1 milhão. O governador nega qualquer irregularidade.

 A manutenção do esquema teria sido intermediada pelo ex-chefe da Casa Civil Paulo Taques, que é primo do governador e coordenou a campanha em 2014. Neste caso, Alan Malouf não teria tomado parte da negociação. Apenas ficou sabendo que Mischur repassou R$ 900 mil através de Paulo Taques.

 A delação diz que teriam sido pagos R$ 500 mil em espécie a Paulo Taques e R$ 400 mil por meio de cheques, que foram entregues por Paulo Taques a Dozinete Aguilera Castrillon, que fez a doação oficial em nome de sua empresa, a Aguilera Auto Peças Ltda.

Sodoma

A propina da Consignum a Silval foi alvo da Operação Sodoma II e Mischur chegou a ser preso. O empresário fez acordo judicial e devolveu dinheiro ao Estado.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Desgaste no começo, lisura e entregas

emanuel pinheiro curtinha   A dedicação com que o prefeito Emanuel Pinheiro conduz a capital administrativamente e sem escândalo, coisa que se tornou raro nos executivos municipais, tem surpreendido lideranças até da oposição. Com a massificação do episódio do vídeo em que...

Selma diz não para "fio desencapado"

abilio junior curtinha   O emblemático vereador Abílio Júnior (foto), do PSC, iria lançar pré-candidatura a prefeito de Cuiabá esta semana, conforme ele próprio havia planejado. Só faltava um detalhe: apoio da senadora Selma Arruda, do PSL. Mas, na última sexta, ao ser perguntada sobre...

Recado do governador e a carapuça

junior fecomercio curtinha   Em comunicado oficial, o governador Mauro Mendes manda recado a alguns empresários, quando destaca que incentivos fiscais foram concedidos no passado a determinados setores de forma irregular, em troca de propina, confessada, inclusive, em delação premiada. O recado tem endereço certo:...

Elogios ao prefeito e à primeira-dama

julio campos curtinha   O ex-governador, ex-senador, ex-deputado e ex-prefeito várzea-grandense Júlio Campos (foto), um dos líderes do DEM, partido do governador Mauro, disse nesta quarta, em visita à sede do Rdnews, que é preciso reconhecer que o prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro está fazendo uma...

Oposição tenta vencer pelo cansaço

L�dio Cabral curtinha   A oposição formada pelos deputados Lúdio Cabral (foto), Valdir Barranco - ambos do PT - e Wilson Santos (PT), que decidiu obstruir a pauta da Assembleia enquanto o Executivo não apresentar uma prosposta aos trabalhadores da educação, tentam vencer o presidente...

Boicote à audiência sobre Fethab Milho

Conduzida pelo deputado Ulysses Moraes, a audiência pública na Assembleia para debater a questão do Fethab Milho e a possibilidade de exclui-lo da taxação não aconteceu conforme o planejado por causa de boicote dentro da própria AL. A TV Assembleia, que costuma transmitir ao vivo esse tipo de debate, não o fez. Alegou que uma peça de transmissão estragou. De última hora, mudaram a sessão de local, de um...

ENQUETE

Profissionais da Educação estão em greve há mais de um mês. O que você acha disso?

estão corretos. Devem continuar

discordo. Deveriam voltar às aulas

pra mim, não faz diferença

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.