Judiciário

Quinta-Feira, 12 de Novembro de 2020, 15h:17 | Atualizado: 12/11/2020, 19h:14

CRIME DE MANDO

Sakamoto revoga prisão de empresária que estava foragida; ré por assassinatos

Rodinei Crescêncio

Pedro Sakamoto

O desembagador Pedro Sakamoto devogou a prisão da empresária, que havia sido decretada por juiz de 1ª instância porque ela fugia da Justiça

O desembargador Pedro Sakamoto, do Tribunal de Justiça, revogou a decisão que havia decretado a prisão da empresária Mônica Marchett, que era considerada foragida. Mônica é acusada de ser uma das mandantes do assassinato dos irmãos Brandão Araújo Filho e José Carlos Machado Araújo, o Zezeca, em 1999 e 2000.

Reprodução

Empres�ria M�nica Marchett

A empresária Mônica Marchett conseguiu revogar o decreto de prisão contra ela na Justiça

A prisão havia sido decretada em 8 de outubro pelo juiz Wagner Plaza Machado Junior, da 1ª Vara Criminal de Rondonópolis, que também negou revogar o decreto prisional em 3 de novembro. A defesa de Mônica, feita pelo marido dela, o advogado Claudio Paim dos Santos, entrou com habeas corpus no Tribunal de Justiça em 27 de outubro e teve o pedido atendido na quarta (11).

De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público Estadual em conjunto com a família dos irmãos Araújo, que atua como assistente de acusação, afirma que Mônica teria participado da contratação dos pistoleiros Hércules Agostinho e Célio Alves, que confessaram os assassinatos de Brandão e Zezeca. A negociação teria envolvido a entrega de um veículo que Mônica transferiu de seu nome para o de Célio Alves, além do pagamento de R$ 120 mil.

Os pistoleiros eram conhecidos à época por atuar em crimes ligados ao ex-comendador João Arcanjo Ribeiro, que era apontado como chefe do crime organizado em Mato Grosso. O MPE relata na denúncia a proximidade de Mônica e da família Marchett com Arcanjo para apontar a relação que levou à contratação dos pistoleiros.

É razoável admitir que, se a paciente não mais respondia à ação penal por homicídio, por decisão Colegiada deste egrégio Tribunal de Justiça proferida no ano de 2018, por certo, não haveria como saber da obrigação de manter a atualização de seus endereços para o fim de ser novamente citada, em ação penal reaberta após um ano

Desembargador Pedro Sakamoto

Não sabia da nova ação

A defesa de Mônica argumentou no habeas corpus que ela não sabia que respondia à ação penal e, por isso, não haveria motivo para decretar sua prisão ao não se apresentar à Justiça para responder ao processo. Antes, ela chegou a ser acionada, mas conseguiu revogar a "pronunciação", que é quando a pessoa passa a responder frente ao Tribunal do Júri.

"Assevera que, não bastasse essa circunstância, a conclusão de que a paciente está em local incerto e não sabido ocorreu antes mesmo que fossem finalizadas as diligências para a sua localização, visto que ainda está pendente de cumprimento uma carta precatória expedida para a Comarca de São Paulo, em seu endereço profissional, documento datado de 18.3.2020 e remetido em 7.4.2020, daí porque não caberia a citação por edital, muito menos a aplicação dos efeitos da revelia, com a decretação de sua prisão preventiva", diz trecho da decisão.

O recurso passou pelas mãos dos desembargadores Juvenal Pereira da Silva e Rui Ramos Ribeiro durante plantões e redistribuições antes de ser distribuído a Sakamoto.

"Com efeito, da detida leitura da petição inicial, bem ainda dos documentos que a instruem, pude verificar que há elementos aptos a respaldar o pedido antecipatório formulado nesta ação constitucional, na medida em que foi juntada a cópia integral do processo, que corresponde àquele inserido no PJe", afirma Sakamoto.

O desembargador concordou com a defesa e afirmou que a empresária não teria tentado fugir da Justiça quando não foi localizada para receber citação de denúncia. O magistrado entendeu que é "razoável admitir que, se a paciente não mais respondia à ação penal por homicídio, por decisão Colegiada deste egrégio Tribunal de Justiça proferida no ano de 2018, por certo, não haveria como saber da obrigação de manter a atualização de seus endereços para o fim de ser novamente citada, em ação penal reaberta após um ano".

 

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • CHIRRÃO | Sexta-Feira, 13 de Novembro de 2020, 09h06
    4
    0

    QUERIA SÓ 10 % DO VALOR DESSA REVOGAÇÃO !! JÁ ME APOSENTARIA RICO.

  • Matheus | Quinta-Feira, 12 de Novembro de 2020, 17h19
    7
    0

    As nossas leis juntamente com a nossa justiça tem meu causado repugnância. Infelizmente o capital tem ditado as regras nesse país.

  • renato | Quinta-Feira, 12 de Novembro de 2020, 15h45
    8
    0

    estranhooooooooooooooooooooooooo

Extremista vai ter que se explicar na PF

Marcelo Stachin 400   O barulhento militante de extrema-direita Marcelo Stachin (foto) tem perdido o palco desde que teve um pífio desempenho nas urnas e acabou com apenas 0,8% dos votos para prefeito de Sinop. Em sua busca incessante por aparecer, o bolsonarista, que é investigado pelo STF por espalhar fake news, decidiu ironizar e...

Prefeitos, MPE e afastamento do cargo

jose antonio borges 400 Prefeitos de MT que descumprirem as diretrizes do decreto estadual que impôs o toque de recolher em todo o território podem até mesmo ser afastados do cargo. O alerta é do procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira (foto), e reforçada pelo procurador Domingos...

Prefeito se rebela e é enquadrado

vander masson 400 curtinha O prefeito de Tangará da Serra Vander Masson (foto), do PSDB, bem que quis ser rebelde, mas acabou enquadrado pelo MPE. Vander fez um decreto mais ameno que o do governo do Estado, impondo toque de recolher a partir das 23h, mas teve de recuar após ser notificado pelo MPE. Nas redes sociais, para evitar desgaste com...

AL realiza lockdown de faz de contas

Funcionários da AL se mostram revoltados com o lockdown de “faz de contas” promovido por deputados. Isso porque, apesar de estar com as portas fechadas, funcionários estariam sendo obrigados a ir trabalhar e entrando por outras portas. Atendem parlamentares que preferem trabalhar presencialmente. Pelo menos 36 funcionários estariam infectados e os servidores temem que mais pessoas sejam contaminadas pelo coronavírus. O pânico ficou ainda maior...

EP na batalha por vacinas e insumos

emanuel pinheiro 400 O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (foto) entrega nesta segunda (8) PL para a aquisição de vacinas para combate à Covid-19, medicamentos, insumos e equipamentos. O documento foi elaborado pela Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) e será votado na Câmara. Esse é mais um movimento...

Fúrio volta à carga contra secretário

celio furio 400 curtinha Depois de se enganar ao abrir investigação contra o secretário de Saúde Gilberto Figueiredo e ter de pedir desculpas, o promotor Célio Fúrio (foto) voltou à carga. Fúrio entrou na Justiça para que Gilberto seja condenado à perda da função...