Judiciário

Domingo, 15 de Setembro de 2019, 12h:00 | Atualizado: 15/09/2019, 12h:10

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Desafio é convencer mulheres a manter medidas protetivas, diz desembargadora

Rodinei Crescêncio

Desembargadora Maria Erotides Kneip

Desembargadora Maria Erotides Kneip cita necessidade de se respeitar a decisão de cada mulher sobre a sua relação

Convencer mulheres em situação de violência doméstica de que medidas protetivas são necessárias e que elas precisam deixar a relação abusiva. Para a desembargadora Maria Erotides Kneip, coordenadora do Cemulher, que trata da questão no Tribunal de Justiça de Mato Grosso, esses são os dois maiores desafios para o Judiciário no combate à violência doméstica.

Em diversos casos, a vítima busca ajuda e obtém resposta, como por exemplo com decisão de juízes para manutenção de distância do agressor, entre outras medidas protetivas. Em um segundo momento, quando as agressões param temporariamente, há tendência de um retorno da mulher ao relacionamento, o que pode culminar na volta da violência e eventualmente em feminicídio.

Nós não podemos decidir pelas pessoas

Maria Erotides

“A gente vê isso com todo respeito, porquê cada pessoa tem direito de decidir pela própria vida. Então, se a mulher denunciou, e se ela quis retirar depois a denúncia, se ela quis prosseguir sendo vítima, ela também tem direito a isso. É lógico que não é isso que eu queria que ela fizesse, mas não sou eu quem decido, é ela. Em primeiro lugar a gente vê com respeito, ao Poder Judiciário incumbe isso, a gente julga aquilo que nós entendemos que é o justo, que a lei diz que é justo. Agora, nós não podemos decidir pelas pessoas”, afirma Maria Erotides.

A desembargadora diz que, por sua experiência, a maior parte dos casos de vítimas de feminicídio não tinham medidas protetivas ativas. Algumas das mulheres chegaram a acionar o Estado, por meio das polícias e do Judiciário, mas desistiram de continuar com as ações contra o agressor em algum momento anterior à morte.

Temos que, cada vez mais, entregar a essa mulher motivos pelos quais ela não deve permanecer nessa relação abusiva

Maria Erotides

“Temos que, cada vez mais, entregar a essa mulher motivos pelos quais ela não deve permanecer nessa relação abusiva. Procurar mostrar que ela está em uma relação abusiva e que o fato de retirar a denúncia pode desencadear a sua morte. A nós cabe o papel de mostrar, mas sempre com muito respeito, tentando tirá-las do ciclo da violência. Mas a decisão cabe a elas”, avalia.

Em 26 de setembro, o Tribunal de Justiça recebe o encontro nacional das coordenadorias estaduais da mulher em situação de violência doméstica e familiar. Os tribunais estaduais irão trocar experiências no enfrentamento da questão.

Maria Erotides destaca que, em Mato Grosso, o Judiciário vem fazendo trabalhos com a Polícia Militar e também com assistentes sociais e psicólogos, que fazem os primeiros atendimentos à mulher que busca sair do ciclo da violência doméstica. A ideia é criar um ambiente de acolhimento e não de julgamento para as vítimas.

Além disso, há um trabalho de convencimento para que, a exemplo do que acontece na Capital, os municípios, ainda que organizados por região ou polo, possam disponibilizar casas de amparo para possibilitar que as mulheres deixem de depender do companheiro agressor, ainda que de maneira temporária.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Vereador terá de devolver R$ 106 mil

justino malheiros 400 curtinha   Justino Malheiros (foto), que está licenciado da Câmara de Cuiabá para tratamento de saúde, terá de restituir R$ 106,6 mil aos cofres públicos juntamente com a empresa Votech Tecnologia em Votação Eireli. E o valor deve ser corrigido monetariamente pelo IPCA...

Única suplente com salário no Senado

clerie fabiana curtinha 400   Dos seis suplentes de senadores por Mato Grosso, uma recebe salário pelo Senado. Trata-se de Clérie Fabiana Mendes (foto), segunda-suplente de Selma Arruda. Mas o seu subsídio não é pelo cargo assegurado com a eleição da chapa, mas sim por ter sido nomeada em posto...

Prefeita e R$ 10 mi em obras em Sinop

rosana sinop 400 curtinha   A prefeita de primeiro mandato de Sinop Rosana Martinelli (foto) está fechando o terceiro e penúltimo ano de mandato com uma grande demanda de obras estruturantes. Após licitar, assinou contrato de R$ 10,2 milhões com a construtora e incorporadora Berna, que vai executar o projeto integrado de...

Justiça impede "espetáculo eleitoreiro"

helena 400 curtinha desembargadora   O Judiciário fez justiça ao mandar suspender a eleitoreira CPI contra o prefeito Emanuel. Numa fase já de pré-campanha, em que todos os 25 vereadores cuiabanos e mais uma centena de outros de fora se movimentam pensando na disputa eleitoral e ávidos para criar palanque, nada...

Parlamentar anda cabreiro até na AL

sebastiao rezende 400 curtinha   Sebastião Rezende (foto), que exerce o 5º mandato, anda cabreiro e assustado, até mesmo na hora de circular pelos corredores da Assembleia. E não pode avistar um jornalista que sai correndo. Na terça, após a sessão ordinária, o deputado acelerou os passos quando...

10 anos "adormecida" sobre Energisa

gisela 400 curtinha   Depois de mais de 10 anos atuando no Procon, a advogada e primeira-suplente de deputada federal Gisela Simona (Pros) agora que se acordou para a gravidade sobre a prestação de serviços da Energisa, campeã de reclamações junto ao próprio Procon. Passou todos esses anos sem mover...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O que você acha das denúncias, principalmente sobre pagamento de propina, feitas pelo ex-presidente da AL José Riva, que tenta fechar delação?

São verdadeiras

Nem tudo é verdade

Acho que ele está mentindo

Não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.