Judiciário

Quinta-Feira, 06 de Junho de 2019, 15h:20 | Atualizado: 06/06/2019, 19h:38

4 VOTOS FAVORÁVEIS

Desembargadores validam rescisão do contrato entre Estado e Consórcio VLT

Atualizada às 18h11

Rodinei Crescêncio

Marcio Vidal

Márcio Vidal durante entrevista; desembargador foi responsável pelo voto que confirmou a decisão da Câmara do TJ em validar recisão do contrato

Por maioria, a Turma de Câmaras Cíveis Reunidas de Direito Público Coletivo decidiu pela manutenção da rescisão do contrato entre o Estado e o Consórcio VLT. Em sessão na tarde de hoje (6), o desembargador Marcio Vidal, que preside a turma, devolveu o processo depois de vista, e votou pelo não atendimento do pedido das empresas participantes do consórcio.

Vidal se ateve em desfazer a tese arguida pelas empresas, que a publicação da rescisão contratual feita pelo Estado ocorreu de forma resumida, no Diário Oficial do Estado, o que implicaria cancelamento da rescisão por vício de procedimento.

“A legislação estadual prevê a necessidade de publicidade, assim como prevê a publicação resumida, quando não possuir conteúdo normativo. O ato editado pela comissão administrativa, não possui conteúdo normativo. A publicação de forma abreviada apenas torna pública a vontade do Estado. A publicidade dos atos tem o caráter de comunicar a todos os membros da sociedade”, ponderou o desembargador em sua decisão.

O contrato entre o Consórcio e o Estado foi rompido em dezembro de 2017, após processo administrativo no âmbito do Poder Executivo estadual. Mas as empresas que fazem parte do Consórcio, sendo C.R. Almeida S/A Engenharia de Obras, Santa Barbara Construções S/A, CAF Brasil Indústria e Comércio AS e ASTEP Engenharia Ltda recorreram da decisão no Tribunal de Justiça, alegando que não foram contemplados os direitos do contraditório e da ampla defesa.

Em janeiro de 2018, a desembargadora Helena Maria, suspendeu os efeitos da rescisão do contrato, sendo que o processo começou a ser apreciado pela Turma de Câmaras Cíveis Reunidas de Direito Público Coletivo no começo de maio deste ano.

Na ocasião, a desembargadora Maria Erotides, seguida dos desembargadores José Zuquim Nogueira e Luiz Carlos da Costa, votaram pela denegação do mandado de segurança. A relatora Helena Maria Bezerra Ramos e a desembargadora Antônia Siqueira Gonçalves votaram com o consórcio. Márcio Vidal havia pedido vista, e na sessão de hoje acompanhou o entendimento majoritário.

Continuídade da obra

A decisão tomada na tarde de hoje era uma das premissas elencadas pelo governador Mauro Mendes (DEM) para tomar uma decisão em relação as obras paradas do VLT, desde 2014. O governo ainda estuda o que deve ser feito com o esqueleto do modal que já custou R$ 1,4 bilhão.

Por outro lado, Mauro deixa claro, quando toca no assunto, que o Estado não tem condições financeiras para retomar a construção dos trilhos, que entre outros problemas, implicarão na necessidade de aporte financeiro do Executivo para manutenção do modal, já que estudos técnicos contratados pelo Estado apontam que o VLT não é sustentável, em Cuiabá e Várzea Grande.

Às 18h09 - Governo diz que rescisão do contrato era o correto

Por meio de nota, o Governo analisa como correta a decisão do TJ. Na avaliação do Paiaguás a rescisão do contrato era a decisão certa a ser tomada, "em face a todos os fatos elencados ao longo da ação judicial". O Estado irá em 30 dias decidir os próximos passos e o destino do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Às 18h11 - Consórcio afirma que ainda luta pela conclusão do modal

Também por meio de nota, o Consórcio afirma que continua trabalhando no Projeto VLT Cuiabá-Várzea Grande, pois considera ser a melhor solução de transporte, o modal mais seguro, cômodo e eficaz, promotor de melhorias urbanísticas e do bem-estar social e econômico, o que, segundo ele, "resultará em benefício de todos os mato-grossenses".

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Erros estratégicos e fim de mandato

niuan ribeiro 400   Niuan Ribeiro (foto) termina melancolicamente o mandato de vice-prefeito da Capital, marcado pela ambiguidade, erros estratégicos e vacilações. Logo no início da gestão, resolveu romper politicamente com o prefeito Emanuel, a quem passou a criticar, achando que se consolidaria como...

Retorno ao TCE ou cargo no governo

marcelo bussiki 400 curtinha   A partir de 1º de janeiro, com o fim do mandato de vereador pela Capital, Marcelo Bussiki (foto) retorna ao cargo efetivo de auditor do TCE-MT. Mas é possível que ele seja convidado por Mauro Mendes para compor o quadro de principais assessores do chefe do Executivo estadual. Bussiki foi...

DEM, bate-cabeça e plano B frustrado

fabinho garcia 400 curtinha   O ex-deputado federal e empresário Fábio Garcia (foto) acabou deixando o DEM órfão de candidatura a prefeito da Capital. Numa conversa com o governador Mauro, seu padrinho político, Fabinho o assegurou que iria sim disputar o Palácio Alencastro, mesmo pedindo trégua por...

Mauro sofre 2 derrotas para Emanuel

mauro mendes 400 curtinha   Mauro Mendes (foto), principal estrela do DEM em MT, acabou amargando duas derrotas em Cuiabá para o prefeito Emanuel, neste ano, embora não tenha sido candidato nas urnas. Em princípio, buscou candidatura própria com o seu partido, mas todos os nomes possíveis, como de Gilberto, Gallo,...

Três derrotas do marqueteiro Antero

antero de barros curtinha 400   O ex-senador, jornalista e marqueteiro Antero de Barros (foto) não levou sorte nas campanhas eleitorais as quais coordenou nestas eleições. Em Lucas do Rio Verde, empurrou à reeleição o prefeito Luiz Binotti que, mesmo com o poder da máquina, perdeu para o...

Lideranças jogaram duro contra EP

carlos favaro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro teve uma reeleição sofrida em Cuiabá. Lutou contra os principais líderes políticos, que se juntaram em torno da candidatura de Abílio, uns publicamente, outros nos bastidores. O governador Mauro Mendes, por exemplo, jogou pesado para tentar derrotá-lo....

MAIS LIDAS