Judiciário

Sexta-Feira, 19 de Abril de 2019, 14h:12 | Atualizado: 19/04/2019, 14h:29

IMBRÓGLIO NO SUPREMO

Inquérito do STF não deve ter resultado sem a PGR, avaliam promotor e advogado

O inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) contra reportagens supostamente fraudulentas e que ofendam a honra dos ministros não deve ter resultados sem a participação do Ministério Público Federal (STF). A avaliação é tanto do promotor de Justiça e presidente da Associação do Ministério Público de Mato Grosso (AMMP), Roberto Turin, quanto do advogado Eduardo Mahon.

Na última semana, o ministro Alexandre de Moraes determinou a retirada do ar de uma matéria do site O Antagonista e o recolhimento de edição da Revista Crusoé, que traziam reportagem ligando o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, às investigações da Operação Lava Jato. O ministro revogou a liminar ontem (18), mas o inquérito segue.

Rodinei Crescêncio

Roberto Turim

Roberto Turim ressalta a necessidade de investigar qualquer ameaça ou injúria, mas discorda sobre a forma como isso está sendo conduzido dentro do STF

As publicações falavam de um documento anexado à delação de Marcelo Odebrecht em que o empreiteiro afirmava que o “amigo do amigo de meu pai”, citado em depoimento anterior, seria Toffoli. Nenhuma acusação específica de corrupção, porém, era feita ao presidente do STF no documento, que desapareceu do processo depois da decisão para retirada da matéria do ar. Ontem, após confirmar a existência do documento, o ministro revogou a sua decisão, que foi dada no inquérito 4.781, aberto de ofício por Dias Toffoli em 14 de março para apurar ataques à honra dos ministros do Supremo.

A polêmica cresceu em torno da situação porque a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, deu parecer pelo arquivamento do inquérito, porém o pedido foi negado pelo ministro Alexandre de Moraes.

Rodinei Crescêncio/Montagem

Turin_mahon

Promotor Roberto Turin e advogado Eduardo Mahon comentam as polêmicas decisões

Ao todo, sete ações foram interpostas no Supremo questionando a censura imposta ao site e à revista desde o início do imbróglio. O ministro Edson Fachin é o relator de todas as petições e deve começar a tomar decisões nos próximos dias. Internamente, alguns ministros pedem que o caso seja avaliado pelo plenário da Corte.

“Ninguém do Ministério Público discorda da necessidade de se investigar eventuais ameaças, injurias, calúnias, assim como é necessário investigar quando isso é feito contra qualquer pessoa, ou agente público. Isso é direito fundamental deles”, disse Turin

“O que não se concorda é com a forma como o Supremo resolveu fazer isso. Até para se defender tem que usar dos instrumentos legais dentro do sistema jurídico. Por exemplo, o João das Couves faz uma manifestação aqui em Cuiabá ofendendo um ministro do Supremo. O inquérito tem que ser aberto lá no Supremo? Não. Acima do regimento interno do STF tem as leis, e acima das leis tem a Constituição Federal”, continuou o promotor.

Turin avaliou que seria o caso de o ministro encaminhar ao Ministério Público e à autoridade policial para instauração inquérito para investigar e eventualmente processar o responsável. “Não existe possibilidade jurídica de ser feito no Supremo”, disse.

O Supremo vai inventar um órgão acusador no lugar da PGR? É inimaginável, é absurdo

Roberto Turin

“Qual vai ser o resultado desse inquérito se o Ministério Público já disse que não vai processar? O Supremo vai inventar um órgão acusador no lugar da PGR? É inimaginável, é absurdo, não tem como”, opinou.

O advogado Eduardo Mahon ponderou que não se pode falar em censura, pois não houve submissão do conteúdo a um órgão censor previamente. A decisão suspendeu as publicações depois que elas foram liberadas ao público.

“O presidente do STF era competente para abrir inquérito? Não. A revista não tem nada de atribuição constituição de prerrogativa constitucional que vá leva-la para o Supremo. O ministro relator poderia deferir a medida? Não. Pela mesma razão. Deveria ser um juiz de primeira instância federal, porque está sendo tratado um fato em que a suposta vítima é um servidor público federal, um ministro do STF”, afirmou o advogado.

Ele avaliou que o inquérito pode ser enviado à primeira instância da Justiça Federal para que um procurador do MPF seja o responsável por oferecer denúncia contra os investigados e não a procuradora-geral da República. Contudo, um eventual recurso à segunda instância, depois que o caso fosse julgado, traria mais problemas, pois o STF não poderia julgar um caso em que ele próprio e seus ministros seriam vítimas e/ou testemunhas.

Mahon lembra o caso conhecido como Grampolândia Pantaneira quando ainda estava no Tribunal de Justiça de Mato Grosso, até meados de outubro de 2017. O desembargador Orlando Perri relatou um inquérito conduzido pela Polícia Civil sem participação do Ministério Público Estadual (MPE), o que gerou protestos de membros do órgão.

“Era um detalhe. Na 7ª Vara Criminal de Cuiabá, com Selma Arruda, na 1ª Vara Federal com Julier Sebastião, que produziam prova de ofício sem provocação e investiam-se na figura do juiz acusador, todos aplaudiam. Quando é para combater (João) Arcanjo, todos batem palmas. Quando é para combater a Lava Jato todos aplaudem o (ex-juiz Sérgio) Moro. Quando é para combater a Grampolândia todo mundo aplaudiu o Perri. Quando chegou na última instância todo mundo se tocou sobre o perigo que é o ativismo judicial”, defendeu.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • João Plenário | Sábado, 20 de Abril de 2019, 19h59
    1
    0

    O causídico Brown já teve momentos de polidor de bolas do Taques. Como um RATO pulou do barco ao sentir a primeira marola. É um oportunista. Simples assim. (Brown em seu íntimo se julga o único capaz de salvar Mato Grosso) Continue cobrando muito e trabalhando pouco...

  • Maria | Sexta-Feira, 19 de Abril de 2019, 16h58
    0
    4

    Não se trata mais de apuração de notícias falsa, mas do vazamento de uma investigação sigilosa, com o agravante de ser utilizado para ameaçar o presidente do Supremo Tribunal Federal. A Lava Jato trabalha com vazamentos. Sabe de td mto antes por i informantes. Vamos ver agora como ficam o Ministério Público e a Polícia Federal, órgãos movidos a interesses políticos.

Matéria(s) relacionada(s):

COT do Pari segue travado até 2020

padeiro_400_curtinha   A secretaria de Infraestrutura, sob Marcelo Padeiro (foto), determinou a criação de uma Comissão Técnica de Trabalhos para estudar detalhadamente o contrato e a obra do COT do Pari, que só será retomada no ano que vem. Afinal, os trabalhos de análise, seguirão até...

Nezinho, enfim, remanejado na gestão

nezinho_400_curtinha   Mesmo com reclamações sobre a maneira burocrática e os passos lentos de Nezinho (foto) no Governo, o prefeito da Capital Emanuel demorou mais de dois anos para remanejá-lo. Ex-prefeito de Livramento e amigo de longa data de Emanuel, Nezinho agora assume a Controladoria do município. No...

Natal Solidário com prêmios valiosos

francis maris 400 curtinha   O empresário e prefeito de Cáceres Francis Maris (foto) lança nesta quarta, às 14h, na Assembleia Legislativa, mais uma campanha solidária em nome do Instituto Cometa, do Grupo Cometa, com sede em Cáceres e uma das maiores concessionárias de revenda do país. Em...

Sem elevar vaga de desembargador

carlos alberto 400 curtinha   O presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha (foto), até concorda com a proposta de se aumentar o número de vagas de desembargadores, podendo subir de 30 para 35, por causa da elevada demanda e da necessidade de desafogar os processos na Justiça em...

Piran e avião de R$ 6 mi via o BNDES

valdir piran 400   O Antagonista revelou hoje a lista de beneficiários de empréstimos do BNDES para a compra de jatinhos da Embraer. E nela estão banqueiros, empresários, advogados e artistas. Um deles é o empresário mato-grossense Valdir Piran (foto), que captou nada menos que R$ 6,4...

Com mestrado e pronto para o retorno

jose carlos novelli 400 curtinha   Mesmo afastado da ativa por imposição do Supremo, em meio a um processo controverso baseado em denúncias sem prova, o conselheiro do TCE-MT, José Carlos Novelli (foto), segue se aperfeiçoando e ampliando conhecimentos. Acaba de receber diploma do curso de Mestrado...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Mauro Mendes?

excelente

bom

regular

ruim

péssimo

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.