Judiciário

Sexta-Feira, 19 de Abril de 2019, 14h:12 | Atualizado: 19/04/2019, 14h:29

IMBRÓGLIO NO SUPREMO

Inquérito do STF não deve ter resultado sem a PGR, avaliam promotor e advogado

O inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) contra reportagens supostamente fraudulentas e que ofendam a honra dos ministros não deve ter resultados sem a participação do Ministério Público Federal (STF). A avaliação é tanto do promotor de Justiça e presidente da Associação do Ministério Público de Mato Grosso (AMMP), Roberto Turin, quanto do advogado Eduardo Mahon.

Na última semana, o ministro Alexandre de Moraes determinou a retirada do ar de uma matéria do site O Antagonista e o recolhimento de edição da Revista Crusoé, que traziam reportagem ligando o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, às investigações da Operação Lava Jato. O ministro revogou a liminar ontem (18), mas o inquérito segue.

Rodinei Crescêncio

Roberto Turim

Roberto Turim ressalta a necessidade de investigar qualquer ameaça ou injúria, mas discorda sobre a forma como isso está sendo conduzido dentro do STF

As publicações falavam de um documento anexado à delação de Marcelo Odebrecht em que o empreiteiro afirmava que o “amigo do amigo de meu pai”, citado em depoimento anterior, seria Toffoli. Nenhuma acusação específica de corrupção, porém, era feita ao presidente do STF no documento, que desapareceu do processo depois da decisão para retirada da matéria do ar. Ontem, após confirmar a existência do documento, o ministro revogou a sua decisão, que foi dada no inquérito 4.781, aberto de ofício por Dias Toffoli em 14 de março para apurar ataques à honra dos ministros do Supremo.

A polêmica cresceu em torno da situação porque a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, deu parecer pelo arquivamento do inquérito, porém o pedido foi negado pelo ministro Alexandre de Moraes.

Rodinei Crescêncio/Montagem

Turin_mahon

Promotor Roberto Turin e advogado Eduardo Mahon comentam as polêmicas decisões

Ao todo, sete ações foram interpostas no Supremo questionando a censura imposta ao site e à revista desde o início do imbróglio. O ministro Edson Fachin é o relator de todas as petições e deve começar a tomar decisões nos próximos dias. Internamente, alguns ministros pedem que o caso seja avaliado pelo plenário da Corte.

“Ninguém do Ministério Público discorda da necessidade de se investigar eventuais ameaças, injurias, calúnias, assim como é necessário investigar quando isso é feito contra qualquer pessoa, ou agente público. Isso é direito fundamental deles”, disse Turin

“O que não se concorda é com a forma como o Supremo resolveu fazer isso. Até para se defender tem que usar dos instrumentos legais dentro do sistema jurídico. Por exemplo, o João das Couves faz uma manifestação aqui em Cuiabá ofendendo um ministro do Supremo. O inquérito tem que ser aberto lá no Supremo? Não. Acima do regimento interno do STF tem as leis, e acima das leis tem a Constituição Federal”, continuou o promotor.

Turin avaliou que seria o caso de o ministro encaminhar ao Ministério Público e à autoridade policial para instauração inquérito para investigar e eventualmente processar o responsável. “Não existe possibilidade jurídica de ser feito no Supremo”, disse.

O Supremo vai inventar um órgão acusador no lugar da PGR? É inimaginável, é absurdo

Roberto Turin

“Qual vai ser o resultado desse inquérito se o Ministério Público já disse que não vai processar? O Supremo vai inventar um órgão acusador no lugar da PGR? É inimaginável, é absurdo, não tem como”, opinou.

O advogado Eduardo Mahon ponderou que não se pode falar em censura, pois não houve submissão do conteúdo a um órgão censor previamente. A decisão suspendeu as publicações depois que elas foram liberadas ao público.

“O presidente do STF era competente para abrir inquérito? Não. A revista não tem nada de atribuição constituição de prerrogativa constitucional que vá leva-la para o Supremo. O ministro relator poderia deferir a medida? Não. Pela mesma razão. Deveria ser um juiz de primeira instância federal, porque está sendo tratado um fato em que a suposta vítima é um servidor público federal, um ministro do STF”, afirmou o advogado.

Ele avaliou que o inquérito pode ser enviado à primeira instância da Justiça Federal para que um procurador do MPF seja o responsável por oferecer denúncia contra os investigados e não a procuradora-geral da República. Contudo, um eventual recurso à segunda instância, depois que o caso fosse julgado, traria mais problemas, pois o STF não poderia julgar um caso em que ele próprio e seus ministros seriam vítimas e/ou testemunhas.

Mahon lembra o caso conhecido como Grampolândia Pantaneira quando ainda estava no Tribunal de Justiça de Mato Grosso, até meados de outubro de 2017. O desembargador Orlando Perri relatou um inquérito conduzido pela Polícia Civil sem participação do Ministério Público Estadual (MPE), o que gerou protestos de membros do órgão.

“Era um detalhe. Na 7ª Vara Criminal de Cuiabá, com Selma Arruda, na 1ª Vara Federal com Julier Sebastião, que produziam prova de ofício sem provocação e investiam-se na figura do juiz acusador, todos aplaudiam. Quando é para combater (João) Arcanjo, todos batem palmas. Quando é para combater a Lava Jato todos aplaudem o (ex-juiz Sérgio) Moro. Quando é para combater a Grampolândia todo mundo aplaudiu o Perri. Quando chegou na última instância todo mundo se tocou sobre o perigo que é o ativismo judicial”, defendeu.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • João Plenário | Sábado, 20 de Abril de 2019, 19h59
    1
    0

    O causídico Brown já teve momentos de polidor de bolas do Taques. Como um RATO pulou do barco ao sentir a primeira marola. É um oportunista. Simples assim. (Brown em seu íntimo se julga o único capaz de salvar Mato Grosso) Continue cobrando muito e trabalhando pouco...

  • Maria | Sexta-Feira, 19 de Abril de 2019, 16h58
    0
    4

    Não se trata mais de apuração de notícias falsa, mas do vazamento de uma investigação sigilosa, com o agravante de ser utilizado para ameaçar o presidente do Supremo Tribunal Federal. A Lava Jato trabalha com vazamentos. Sabe de td mto antes por i informantes. Vamos ver agora como ficam o Ministério Público e a Polícia Federal, órgãos movidos a interesses políticos.

Matéria(s) relacionada(s):

Efeito-Leitão desmonta o PSDB-Sinop

Luciano Chitolina 190 curtinha   O enfraquecimento político de Nilson Leitão, derrotado ao Senado e delatado pelo ex-secretário Permínio Pinto num esquema de desvio de recursos na Seduc, está provocando esfacelamento do PSDB em Sinop, onde mora o ex-prefeito e ex-deputado federal. São 4 tucanos com assentos...

Olhar para 2020 e distância do prefeito

niuan vice-prefeito curtinha   Prefeito e vice de alguns municípios já estão rompidos politicamente, inclusive em cidades polos como Cuiabá, Rondonópolis e Sinop. No caso da Capital, Niuan Ribeiro (foto), que trocou o PTB pelo PSD, passou a descer o porrete no prefeito Emanuel Pinheiro, emedebista que deve...

Câmara adia o parecer sobre denúncia

felipe wellaton curtinha   A Câmara de Cuiabá, sob Misael Galvão, assinou a Resolução número 16, na última terça (21), prorrogando por mais 30 dias o prazo para definir um parecer sobre a representação do servidor público Valmir Molina contra o vereador Felipe Wellaton...

Pacto descumprido à saúde e denúncia

Pedro Taques curtinha   O governador Mauro ingressou com representação junto ao TCE, com pedido de medida cautelar, contra o antecessor Pedro Taques (foto) e o ex-secretário de Saúde Luiz Soares, apontando supostas irregularidades na concessão de R$ 82 milhões do Fundo Estadual de Saúde para...

Ex terá de restituir erário em R$ 11 mil

gisely ex julio pinheiro curtinha   O Tribunal de Contas do Estado manteve, em decisão desta semana, a sanção aplicada à Gisely Carolina Lacerda Pinheiro (foto), viúva do ex-presidente da Câmara de Cuiabá, Júlio Pinheiro, que faleceu em junho de 2016. Julgada à revelia, já que foi...

Xuxu recusa diárias e cala Wilson

xuxu curtinha   Na tribuna da AL, o tucano Wilson Santos tentou ironizar o colega Xuxu Dal Molin (foto), que retornou de missão oficial à Ásia nesta semana, mas acabou se dando mal. Considerando que Xuxu é membro de uma das famílias mais abastadas de Sorriso, Wilson sugeriu que ele poderia ter custeado a viagem e...

ENQUETE

Tramita na Câmara Federal o projeto 832/2019, do deputado José Medeiros, requentando uma proposta de 2007 do então deputado Jair Bolsonaro, propondo extinguir o Exame da Ordem como exigência para inscrição na OAB e, assim, poder exercer a profissão. O que você acha disso?

Concordo - esse Exame tem de acabar

Discordo - bacharel precisa, sim, se submeter ao Exame

Sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.