Judiciário

Terça-Feira, 18 de Outubro de 2016, 12h:37 | Atualizado: 18/10/2016, 14h:15

José Riva e Savi são denunciados por MPE por comandar fraudes na Sema

Rdnews

Riva Savi capa

 Mauro Savi e José Riva são acusados pelo MPE de comandar esquema fraudulento na Sema 

O Núcleo de Ações de Competências Originárias (Naco) do Ministério Público Estadual (MPE),  juntamente com o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado  (Gaeco), integrado por promotores de Justiça, delegados de Polícia, policiais militares e civis, denunciaram na tarde de ontem (17), oito pessoas, entre elas o ex-presidente da Assembleia   José   Riva por fraudar o Sisflora (Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais) na Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema). Pelo mesmo crime,  foi oferecida denúncia contra o deputado estadual  Mauro  Savi (PSB) no Tribunal de Justiça (TJ). O montante da fraude pode ter chegado a R$ 104,2 milhões

Riva e Savi foram denunciados com base em inquérito policial conduzido pelos delegados de polícia do Gaeco. Segundo as denúncias os valores teriam sido utilizados para custear as campanhas eleitorais no ano de 2014. 

Foram denunciados juntamente com José Riva; Juliana Aguiar da Silva; Fabricia Ferreira Pajanoti e Silva; Jacymar Capelasso; Wladis Borsato Kuviatz ; Paulo Miguel Renó; Eliana Klitzke Lauvers e Audrei Valério Prudêncio de Oliveira. 

Os denunciados são acusados de formar uma organização criminosa que atuava na  Sema, fraudando o Sisflora.  Através do esquema,  madeireiras deste Estado emitiam e cancelavam guias florestais, visando a multiplicação de créditos florestais indevidos para os Estados de Goiás e Pará, totalizando  2020 operações, o que gerou um crédito indevido de 148.873,9964 m³ de madeiras, de diversas espécies.

  Segundo os promotores, os grandes mentores da organização eram Riva e Savi  que na época designaram seus assessores e cooptaram os servidores da Sema que tinham acesso ao sistema para de forma fraudulenta burlar o Sisflora. 

De acordo com os promotores de Justiça, as investigações iniciaram-se em janeiro de 2015, por meio de uma auditoria realizada pela própria Sema, ao detectar que quatro madeireiras localizadas neste Estado de Mato Grosso fraudaram o Sisflora, emitindo e, logo em seguida, cancelando guias florestais no Sistema, com o objetivo de gerar créditos florestais para diversas madeireiras dos Estados do Pará e Goiás. 

Quando iniciaram as investigações, a Sema estava sob comando da promotora de Justiça Ana Luiza Peterlini, que deixou o cargo quando o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu membros do MPE de atuarem no Executivo. Ao sair, foi substituída pelo vice-governador Carlos Fávaro (PSD). 

A autorização de venda de produtos florestais para os Estados de Pará e Goiás, foi indevidamente autorizada por servidores da Sema, os quais teriam recebido vantagem indevida para tal fim. 

Durante as investigações,  apurou-se que assessores parlamentares e até mesmo uma vereadora, teriam oferecido vantagem indevida para que a fraude ocorresse. De outro lado, quatro madeireiras de Mato Grosso, por meio de seus representantes legais, operacionais e engenheiros florestais, contribuíram para que a fraude fosse concretizada, gerando créditos florestais para diversas madeireiras nos dois estados vizinhos. 

Para se ter uma ideia da quantidade de madeira, levando-se em conta que um caminhão transporta em média 28m3 de madeira, seriam necessários 5.316   caminhões para realizarem o transporte; Se cada caminhão mede aproximadamente 14 metros, seriam 74 km de caminhões enfileirados. Considerando que cada metro cúbico de madeira pode custar, em média R$ 700, o montante aproximado da fraude seria de R$ 104, 2 milhões. Valor esse à época da fraude que consequentemente não gerou tributos aos cofres públicos. (Com Assessoria)

Outro lado 

Sobre a denúncia apresentada pelo Naco,  Savi, informa que vai se manifestar somente após ter acesso ao inteiro teor. A defesa de Riva deve se manifestar sobre o caso nas próximas horas. 

Postar um novo comentário

Comentários (8)

  • Maria de Lurdes Pedra 90 | Quarta-Feira, 19 de Outubro de 2016, 08h22
    1
    2

    E cade as manifestações de indignação da senhora Deputada nas redes sociais? Só observo.

  • Servidor | Quarta-Feira, 19 de Outubro de 2016, 05h56
    4
    2

    Interessante este Deputado chamou os servidores de mal educados!!!Mas os servidores não são enrolados com a Policia e a Justiça né Mauro Savi. Aliás este deputado é mais um da base do Pedro Taques que defendeu com unhas e dentes o ditador contra os servidores.

  • Claudio Vianna | Terça-Feira, 18 de Outubro de 2016, 23h12
    2
    2

    a mesma postura das outras campanhas malignas realizadas por Wilson, de ataques pessoais, de invenções e mentiras. o povo acreditou nas suas belas e firmes palavras uma vez e foram traídos, dai vem ele novamente pedindo desculpas e prometendo que se dessem novamente a oportunidade iria fazer diferente e qual foi o resultado traiu o povo abandonando o cargo deixando para seu vice o galindo com a recomendação de vender a sanecap para a cab o que foi cumprido rigorosamente pelo seu comparsa. Wilson tentou ser governador mas o povo estava muito chateado e decepcionado com Wilson e deram o troco nass urnas e sabe para onde o menino pobre ffoi curtir uns anos com sua família sim isso mesmo para Miami gastar o rico dinheiro da venda da sanecasp, depois voltou pedindo desculpas e prometendo ser fiel se acaso o povo desse novamente outra oportunidade como deputado porque sempre foi um bom legislador e que não foi bom como executivo como gestor e o povo com pena do pobre Wilson que chorava pedindo deu lhe mais uma chance desde que comprimisse o mandato e então mais uma vez o povo esta sendo traído por aquele, aquele Wilson que traira o povo cuiabano e mato-grossense, esta agora abandonando o seu mandato de deputado debaixo de muitos ataques e mentiras novamente. Esse é o Wilson Santos. E o povo cuiabano conhece bem essa história e a rejeição é alta e continuara a crescer. Wilson nunca mais.

  • ferreirinha | Terça-Feira, 18 de Outubro de 2016, 19h01
    1
    2

    E errado pelas leis brasileiras é....mas gerou muio emprego e renda para os pobres....pq a madeira precisa de mão de obra para ser industrializada(se é que foi)...então diferente de quem rouba sem beneficiar os pobres...tiro o chapeu para quem ajuda os fracos e oprimidos.

  • Talisia | Terça-Feira, 18 de Outubro de 2016, 18h51
    4
    0

    POR ISSO QUE ELES ACABARAM COM A FISCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE MADEIRAS EM TRANSITO DESDE 2012 NO ESTADO DE MATO-GROSSO, PARA FACILITAREM AS FRAUDES E AINDA MAIS CONTINUA A PORTA ABERTA ( SEM FISCALIZAÇÃO )PARA O TRANSPORTE DE MADEIRAS ILEGAIS.

  • Armindo de Figueiredo Filho Figueiredo | Terça-Feira, 18 de Outubro de 2016, 17h20
    3
    0

    Sobre Este Sr. RIVA!!!,,, Não tem o que comentar . Sua carreira política já foi ""ENTERRADA"!! Perdi as contas dos comentários que fiz a seu respeito, em todos os "Escândalos", falcatruas, desvios, formação de quadrilha... vixe!!!! e por aí vai... que ele participou. Desde julho do ano passado, acompanhando as trapalhadas desse Senhor. Até que enfim chegou ao fim..... Falta a mídia "ESQUECE-LO. Agora,... quanto ao Sr. |Savi... também!!! um pouquinho menos que o primeiro.. Mas..., são denúncias, que as investigações que tem que ir até o fim. É a dupla do "barulho",,,, onde estão.... Muito cuidado é pouco...

  • jamil | Terça-Feira, 18 de Outubro de 2016, 15h36
    4
    2

    Na audiência do Junior Mendonça realizada ontem, ele disse que o Riva ainda lhe deve 10 milhões. Mesmo assim o Riva o convenceu a emprestar-lhe mais 2. O Riva é um craque, tiro o chapeu pra ele.

  • rita lobo | Terça-Feira, 18 de Outubro de 2016, 13h43
    8
    1

    Prisão perpétua para esse Riva, é pouco, como um ser desses consegue contaminar toda uma estrutura de poderes e manter por longo período todos esses mesmos poderes no bolso, haja mensalinho!!!

Extremista vai ter que se explicar na PF

Marcelo Stachin 400   O barulhento militante de extrema-direita Marcelo Stachin (foto) tem perdido o palco desde que teve um pífio desempenho nas urnas e acabou com apenas 0,8% dos votos para prefeito de Sinop. Em sua busca incessante por aparecer, o bolsonarista, que é investigado pelo STF por espalhar fake news, decidiu ironizar e...

Prefeitos, MPE e afastamento do cargo

jose antonio borges 400 Prefeitos de MT que descumprirem as diretrizes do decreto estadual que impôs o toque de recolher em todo o território podem até mesmo ser afastados do cargo. O alerta é do procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira (foto), e reforçada pelo procurador Domingos...

Prefeito se rebela e é enquadrado

vander masson 400 curtinha O prefeito de Tangará da Serra Vander Masson (foto), do PSDB, bem que quis ser rebelde, mas acabou enquadrado pelo MPE. Vander fez um decreto mais ameno que o do governo do Estado, impondo toque de recolher a partir das 23h, mas teve de recuar após ser notificado pelo MPE. Nas redes sociais, para evitar desgaste com...

AL realiza lockdown de faz de contas

Funcionários da AL se mostram revoltados com o lockdown de “faz de contas” promovido por deputados. Isso porque, apesar de estar com as portas fechadas, funcionários estariam sendo obrigados a ir trabalhar e entrando por outras portas. Atendem parlamentares que preferem trabalhar presencialmente. Pelo menos 36 funcionários estariam infectados e os servidores temem que mais pessoas sejam contaminadas pelo coronavírus. O pânico ficou ainda maior...

EP na batalha por vacinas e insumos

emanuel pinheiro 400 O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (foto) entrega nesta segunda (8) PL para a aquisição de vacinas para combate à Covid-19, medicamentos, insumos e equipamentos. O documento foi elaborado pela Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) e será votado na Câmara. Esse é mais um movimento...

Fúrio volta à carga contra secretário

celio furio 400 curtinha Depois de se enganar ao abrir investigação contra o secretário de Saúde Gilberto Figueiredo e ter de pedir desculpas, o promotor Célio Fúrio (foto) voltou à carga. Fúrio entrou na Justiça para que Gilberto seja condenado à perda da função...