Judiciário

Terça-Feira, 18 de Maio de 2010, 12h:50 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:26

OPERAÇÃO ASAFE

Juízes prestam depoimento; advogados são presos na PF

   As investigações que culminaram na realização da Operação Asafe, realizada pela Polícia Federal e acompanhada pelo Ministério Público Federal nesta terça (18), ainda não foram concluídas e toda a documentação apreendida vai ser remetida ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), onde serão analisadas pela ministra Nanci Andrigy, relatora do caso. Como o processo corre sob segredo de Justiça, praticamente nenhuma informação foi revelada pelo superintendente da PF Valmir Lemos e pelo delegado federal Carlos Eduardo Fistarol. Entre as pessoas ouvidas está a ex-juíza do Tribunal Regional Eleitoral, Maria Abadia Aguiar. Ela revelou, em entrevista a jornalistas, que as investigações giram em torno, principalmente, das decisões do TRE que reconduziram o marido da deputada Chica Nunes (DEM), Marcelo Ribeiro (PP), ao posto de prefeito de Barão de Melgaço e que, por algum tempo, asseguraram também a Diane Alves (PR) o cargo de prefeita de Alto Paraguai. 

  Diane assumiu provisoriamente a prefeitura depois que Adair José Alves Moreira (PMDB) teve o mandato cassado por compra de votos. Posteriormente, ele conseguiu reverter a decisão. O nome de Maria Abadia foi citado em uma ligação telefônica, feita pelo marido de Diane, Alcenor Alves de Souza, que foi preso pela PF. Ele teria dito que precisava de dinheiro para fazer lobby junto à magistrada. "Meu nome foi citado indevidamente. Se alguém vendeu ou comprou não fui eu. Não recebi nada", afirmou, instantes após prestar depoimento. Já sobre o caso envolvendo Marcelo, que também foi cassado por compra de votos, a juíza entendeu que era justa a recondução dele ao cargo. "Perguntaram sobre dois outros processos, mas como só me falaram os números eu não consegui me lembrar. Não sei do que se trata", afirmou a magistrada, instantes após ser liberada.

  Além dela, também foi visto na sede da PF o juíz-membro do TRE Eduardo Jacob. Em entrevista, ele confirmou que agentes federais cumpriram mandado de busca e aprensão em sua residência às 6h. "Levaram os computadores do meu filho e meu", relata. Um revolver também foi apreendido e, como ele não tinha registro ou porte da arma, resolveu doá-lo à PF. "Era uma arma antiga e já vim aqui efetuar a doação", afirmou Jacob, que negou ter sido chamado para prestar esclarecimentos. Já o ex-jui do TRE, Renato Vianna, foi ouvido pelos agentes e liberado posteriormente.

  Os mandados de busca e aprensão foram cumpridos em Cuiabá, Várzea Grande e Alto Paraguai. Em princípio havia a informação de que os cerca de 130 agendes teriam apreendidos documentos no Tribunal de Justiça e no Tribunal Regional Eleitoral, mas a PF nega. "Só estivemos em casas e escritórios de advogados. Nenhuma instituição foi visitada", garantiu o superintendente da PF. Documentos e computadores foram recolhidos na casa de desembargadores e juízes.

  Como o processo corre sob sigilo, a PF não revelou o nome de nenhum dos presos. Por enquanto, 8 pessoas foram detidas e uma ainda está foragida. Trinta mandados de busca e aprensão foram cumpridos e outras 40 pessoas estão sendo ouvidas. Integraria a lista de detidos o advogado André Castrilho, a esposa do desembargador aposentado Tadeu Cury, Célia Cury, e o seu genro, Cláudio Emanuel Camargo, que é empresário em São Paulo. Jarbas Nascimento, advogado e ex-assessor do desembargador aposentado também teria sido preso. Tadeu Cury foi um dos 10 magistrados punidos pelo CNJ pelo suposto desvio de R$ 1,5 milhão para a maçonaria.

  A Polícia Federal iniciou as investigações, que culminaram na Operação Asafe, em 2007, quando agentes federais investigavam denúncias em Goiás. "Houve indícios de que pessoas estariam praticando exploração de prestígio em Mato Grosso, por isso, as investigações foram realizadas", relata o delegado. Um dia antes da realização da operação, o presidente do TJ, José Silvério, e o da OAB, Cláudio Stábile, foram avisados da ação. O procedimernto é necessário porque envolve membros das duas instituições. "A investigação não termina aqui. Poderão haver mais medidas", ressaltou o superintendente da PF.

(15h30) - Ministra Nanci diz que processo é sigiloso e não fala sobre operação

  A ministra do STJ Nanci Andrigy, relatora do caso, não vai se pronunciar, ao menos por enquanto sobre a operação Asafe, realizada pela Polícia Federal em Cuiabá nesta terça (18). Por meio da assessoria de comunicação, Nanci informou que não pode dar detalhes do processo e que ainda não tomou conhecimento sobre o teor dos depoimentos e dos documentos aprendidos pela PF em Cuiabá.

Postar um novo comentário

Comentários (21)

  • ALMEIDA | Quarta-Feira, 19 de Maio de 2010, 18h18
    0
    0

    INVESTIGA O SENHOR ADAIR QUE AI VC VAI VER O QUE É DESONESTIDADE,MEU DEUS AJUDA ALTO PARAGUAI,NOMEIA OUM VEREADOR PARA PREFEITO PQ SENAO AI VAI AFUNDAR MESMO

  • Marcléia | Quarta-Feira, 19 de Maio de 2010, 17h12
    0
    0

    Como diz o ditado Deus tarda mas n~ falha. O tanto que os eleitores sofreram com a injustiça ocorrida ano passado contra Adair, hoje Deus está provando que a honestidade, e que prevalece.

  • MR. M | Quarta-Feira, 19 de Maio de 2010, 11h02
    0
    0

    MR. M , Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • josé de souza | Terça-Feira, 18 de Maio de 2010, 21h15
    0
    0

    o adair foi cassado por que os serviços voluntários da campnha não foi informado corretamente para a Justiça. Não foi por compra de votos.

  • Maria das dores Feijo | Terça-Feira, 18 de Maio de 2010, 20h22
    0
    0

    mais uma vez Santo A.do leverger nas paginas policiais,compra de sentença,faustino e seu grupo,estamos morrendo,as forças acabaram,as esperanças esgotaram,e as eleiçoes nada,nunca,harrison comprou sentença para anular os votos dos juizes e ficar...ficar....

  • Pedro | Terça-Feira, 18 de Maio de 2010, 17h58
    0
    0

    E O CASO DE DIAMANTINO, ONDE AS ELEIÇÕES FOAM TIRADAS DO PREFEITO ERIVAL CAPISTRANO, QUE FOI ELEITO PELO POVO COMO FICAM???????

  • elaine | Terça-Feira, 18 de Maio de 2010, 16h16
    0
    0

    Só gostaria que a PF verificasse as ações contra o ESTADO em abril 2009. Sexta- feira o estado perdeu. Segunda feira sem nenhuma ação contrária ou de defesa, o ESTADO GANHOU. Muito estranho, sem nenhuma motivação. Só queria saber se pode legalmente ocorrer isso.

  • paulo | Terça-Feira, 18 de Maio de 2010, 15h31
    0
    0

    COMO UM BOM ITALIANO, VOU SABOREAR MAIS ESSA PIZZA!!!! E PARABENS DONA ABADIA, A SENHORA TEM RAZAO, QUANDO NAO TEM RECIBO, NAO TEM PROVAS E VIVA O PREFEITO DE BARAO!!!!!!!!1

  • Paulo Rogério Barcelos Santiago Lima | Terça-Feira, 18 de Maio de 2010, 15h17
    0
    0

    Família Nunes, Chica Nunes e marcelo Ribeiro, já não basta os escandalos do Poder Legislativo e Executivo, agora também figurão do judiciário.

  • marco ferreira | Terça-Feira, 18 de Maio de 2010, 15h08
    0
    0

    Ja ouvi falar em inumeras pragas, por exemplo praga de madrinha, praga de padre, praga de lavadeira, praga de vizinho, etc. Agora, devastadora como a "praga zé ferreirinha" tou pra ver nada igual. Me contaram que na porta de saida do tj ele limpou a sola do sapato e expressou: "eu vou... mais mta gente vai comigo". A profecia se cumpriu, ta levando quase todo tribunal.

Reconhecimento de um governo ruim

pedro taques 400   Pedro Taques (foto) recorreu a uma observação feita pela mãe, professora Eda Taques, de que fora melhor senador do que governador. No horário eleitoral, o candidato ao Senado, agora pelo SD, menciona a frase da mãe para, em seguida, dizer que reconhece que sua atuação em...

Apoiado por deputados bolsonaristas

jose medeiros 400 curtinha   Um dos vice-líderes do Governo Bolsonaro na Câmara, o deputado José Medeiros (foto), do Podemos, vem recebendo apoio na disputa ao Senado de vários parlamentares bolsonaristas. O chamado núcleo duro do presidente no Congresso Nacional está com Medeiros, entre eles os deputados...

Justiça barra ficha suja em Poconé

clovis martins 400   A Justiça Eleitoral barrou em Poconé o ex-prefeito Clovis Damião Martins (foto), considerado ficha suja. Está inelegível por oito anos. Filiado ao PTB, ele foi condenado pelo TCU por irregularidade insanável que configura ato doloso de improbidade administrativa. Enquanto...

3 estão fazendo pesquisa em Cuiabá

Três institutos de pesquisa entraram em campo na capital nesta semana para levantar as intenções de voto para prefeito. São eles: Malujoa Comunicações, que geralmente divulga os resultados no site Olhar Direto; a Voice Pesquisas e Comunicação, do site Midianews; e Real Time Big Data. A Voice poderá tornar públicos os números apurados da pesquisa a partir de segunda (26), enquanto os outros dois estão autorizados...

Marino enaltece Leitão para o Senado

marino franz 400 curtinha   O empresário e ex-prefeito de Lucas do Rio Verde, Marino Franz (foto), anunciou apoio a Nilson Leitão (PSDB) para o Senado. Disse que conhece o candidato tucano de longa data, desde quando este foi prefeito de Sinop e assegura que Leitão é preparado, representa muito bem a região e o...

Magali de fora em General Carneiro

magali vilela 400   A ex-prefeita de General Carneiro, Magali Vilela (foto), que se lançou novamente à disputa ao Executivo, foi barrada pela Justiça. Teve o registro indeferido, já que está inelegível por ter sido condenada à suspensão de seus direitos políticos em...