Judiciário

Terça-Feira, 12 de Fevereiro de 2019, 07h:49 | Atualizado: 12/02/2019, 10h:32

Justiça nega pedido de Ledur e não anula investigações sobre o caso Rodrigo Claro

Ledur

Tenente Isadora Ledur é acusada de torturar e provocar a morte de Rodrigo Claro em 2016

O juiz Wladymir Perri, da 11ª Vara Criminal Especializada da Justiça Militar de Cuiabá, negou anular as investigações da Polícia Judiciária Civil (PJC) no caso em que a tenente Izadora Ledur é acusada de torturar o então aluno do curso de formação do Corpo de Bombeiros Rodrigo Claro – ele morreu em novembro de 2016. A defesa da tenente tentava desqualificar todos os atos praticados no inquérito policial com o argumento de que a competência para investigar a tenente bombeiro não seria da PJC.

O Ministério Público Estadual (MPE) deu parecer contrário ao pedido da defesa e pela continuidade da ação.

Audiências para ouvir Ledur e testemunhas favoráveis a ela estão marcadas para os dias 15 e 16 de abril. As oitivas só puderam ser agendadas porque Ledur retornou ao trabalho no Corpo de Bombeiros após seguidas licenças médicas que somaram quase dois anos.

O inquérito do caso foi instaurado em 18 de novembro de 2016. A PJC apurou a responsabilidade de Ledur e outros agentes do Corpo de Bombeiros durante o treinamento de atividades aquáticas em ambiente natural do 16º Curso de Formação de Soldado Bombeiro, realizado na Lagoa Trevisan, em Cuiabá.

A denúncia foi recebida pela então juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Arruda, 27 de julho de 2017. Em outubro do mesmo ano foi aprovada a Lei 13.491/2017, que ampliou a competência da Justiça Militar.

O entendimento a partir da nova lei é de que mesmo em casos de crimes comuns, militares devem responder junto à Justiça especializada. Em abril do ano passado, a 7ª Vara Criminal atendeu pedido do MPE repassando o caso à 11ª Vara Criminal.

Não há que se falar que os elementos colhidos na fase inquisitorial são capazes de provocar resultado de julgamento dissociado da realidade da conduta da acusada

“Por óbvio, devem ser preservados os atos decisórios e instrutórios praticados anteriormente, ao tempo em que a competência era da Justiça Comum, em atendimento ao que dispõe o artigo 5º do Código de Processo Penal Militar”, escreveu o juiz Wladymir Perri na decisão de 4 de fevereiro.

O magistrado negou que tenha havido violação de exigências constitucionais e reiterou que a PJC era competente para investigar Ledur. “Não há que se falar que os elementos colhidos na fase inquisitorial são capazes de provocar resultado de julgamento dissociado da realidade da conduta da acusada”, disse.

Relembre o caso

A tenente Ledur e outros dois oficiais do Corpo de Bombeiros foram responsabilizados pela morte do aluno soldado durante o treinamento. Ela era responsável por 37 alunos do curso e responde pelo crime de maus tratos. Ficou constatado que Rodrigo Claro foi submetido a uma série de afogamentos promovidos pela tenente.

Ele morreu em 10 de novembro de 2016. O MPE narra em sua denúncia que, apesar de apresentar excelente condicionamento físico, Rodrigo demonstrou dificuldades para desenvolver atividades como flutuação, nado livre, entre outros exercícios.

Embora o problema tenha chamado a atenção de todos, os responsáveis pelo treinamento não só ignoraram a situação como teriam utilizado de métodos totalmente reprováveis, tanto pela corporação militar, quanto pela sociedade civil, para “castigar” os alunos que estavam sob sua guarda. Os depoimentos colhidos demonstram que Rodrigo foi submetido a intenso sofrimento físico e mental com uso de violência.

A atitude teria sido a forma utilizada pela tenente Ledur para punir o aluno por ter apresentado mau desempenho nas atividades dentro da água. Ainda segundo a denúncia, os outros bombeiros presentes no treinamento e também denunciados, mesmo observando as práticas delitivas cometidas pela tenente, omitiram socorro a Rodrigo quando tinham o dever legal de evitá-las, consentindo assim com a atitude criminosa.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Maria | Quarta-Feira, 13 de Fevereiro de 2019, 08h21
    5
    0

    Até quando essa senhora vai ficar sem punição pela morte q ela provocou? Ela tem q pagar pelo crime! E a justiça vem postergando pq? Ela é filha de figurão ? Ora, Ora! Incrível como a justiça só anda qdo quer. Cumprem-se todos os requisitos, pode demorar anos pra ter uma definição, dependendo de quem é a pessoa q cometeu o crime.

Matéria(s) relacionada(s):

5 ensaiam em Cáceres pela oposição

tulio fontes curtinha   Enquanto três tucanos da base do prefeito Francis vivem expectativa por candidatura pelo palanque situacionista em Cáceres, grupos de oposição se movimentam para lançar nomes competitivos. O advogado e ex-prefeito por dois mandatos Túlio Fontes (foto), do PV, demonstra certo...

Base de Francis, Júnior e divergências

eliene liberado curtinha   O prefeito de Cáceres Francis Maris, no segundo mandato e, portanto, fora do projeto majoritário de 2020, não esconde mais de ninguém que o nome preferencial para a disputa à sucessão é do seu secretário de Turismo, Júnior Trindade. E isso não tem...

Prefeito é ovacionado em solenidade

emanuel pinheiro curtinha   O prefeito Emanuel Pinheiro (foto) foi ovacionado nesta segunda (17), durante a solenidade que marcou entrega das chaves das unidades do Residencial Nico Baracat I,  no Jardim Liberdade, região da Grande Osmar Cabral. No geral, 360 famílias receberam as chaves dos imóveis, programa do Minha...

Governador, Nota MT e provocação

mauro mendes curtinha   Ao lançar a Nota MT, programa que estimula e incentiva o contribuinte a pedir nota em toda compra de mercadoria, o que ajuda na cultura do combate à sonegação fiscal, o governador Mauro Mendes (foto) copia para o Estado a mesma proposta implantada em Cuiabá na época em que foi...

Cândida Farias troca MDB pelo DEM

candida farias curtinha   Aos 68 anos, completados nesta segunda (17), a empresária Cândida Farias (foto), segunda-suplente do senador Jayme Campos, está desembarcando do MDB e vai se filiar ao DEM. Apesar da mudança de legenda, ela não tem pretensões de concorrer a cargo eletivo nas urnas de 2020....

Vander forte pela oposição em Tangará

vander masson curtinha   O nome mais forte hoje da oposição em Tangará da Serra, do ponto de vista da densidade eleitoral, é do empresário Vander Masson (foto), que ficou em terceiro lugar para prefeito em 2016 e, no pleito do ano passado, concorreu e perdeu para deputado federal. Filho do ex-prefeito e...

ENQUETE

Tramita na Câmara Federal o projeto 832/2019, do deputado José Medeiros, requentando uma proposta de 2007 do então deputado Jair Bolsonaro, propondo extinguir o Exame da Ordem como exigência para inscrição na OAB e, assim, poder exercer a profissão. O que você acha disso?

Concordo - esse Exame tem de acabar

Discordo - bacharel precisa, sim, se submeter ao Exame

Sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.