Judiciário

Quinta-Feira, 10 de Janeiro de 2019, 10h:53 | Atualizado: 11/01/2019, 10h:03

CONTAS IRREGULARES

MP Eleitoral pede cassação do diploma de Janaina após identificar indícios de caixa 2

Rodinei Crescêncio

Janaina Riva

Deputada Janaina Riva em entrevista durante a posse do governador Mauro Mendes; ela corre risco de peder diploma

A Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) entrou com representação para cassar o diploma da deputada estadual Janaina Riva (MDB). Ela foi reeleita em outubro do ano passado, com 51 mil votos e diplomada em dezembro pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT).

De acordo com o procurador Pedro Melo Pouchain Ribeiro, há indícios de possível caixa 2 na campanha à reeleição da parlamentar. Ele pediu a quebra do sigilo bancário da emedebista e de outras 20 pessoas e empresas que estiveram envolvidas na campanha.

Janaina gastou R$ 950,4 mil declarados em toda a campanha eleitoral, representando 95% do limite de gastos previstos pela legislação. Deste valor, R$ 765 mil foram de recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) e do Fundo Partidário.

A Procuradoria aponta que na prestação, teria sido ocultada a contratação de prestadores de serviços. Foi chegado a listagem de passageiros de voos fretados, o rol de pessoas que trabalhavam no comitê de campanha e que recebiam refeição, além da lista de motoristas informados pela prestadora de serviços à campanha e aqueles que realizaram abastecimentos nos veículos utilizados. A lista de pessoas que receberam materiais de campanha no interior do Estado também foi analisada pelo órgão.

A ocultação de gastos na prestação de contas, diz a PRE, indica a possibilidade de que a campanha tenha custado além do limite previsto pela legislação eleitoral.

Janaina gastou R$ 203 mil com voos fretados junto à Aliança Táxi Aéreo Ltda., sendo que R$ 104 mil vieram dos fundos de verba pública. Inicialmente não foram informados os passageiros dos voos. A presença e os atos de campanha do pai dela, o ex-deputado Jose Geraldo Riva, não seriam passíveis de inclusão na prestação de contas em razão da relação familiar.

Contudo, outras quatro pessoas constam nos voos. A parlamentar fez uma retificação na prestação de contas incluindo-os como doadores de serviço estimável no valor de R$ 1,5 mil, cada. Dos passageiros, três são servidores da Assembleia e estavam em férias: Selma de Almeida Pestana, Quézia Rodrigues e Laura da Silva Petraglia. O empresário Mário Cesar Miranda Almeida não teve o grau de relação com a parlamentar evidenciado, de acordo com a PRE.

Alimentação

As empresas Cidade Verde Restaurante e Paloma Bianca Silva da Costa forneceram alimentação para a campanha de Janaina em 2018. Ao apresentar esclarecimentos ao TRE-MT, a campanha da parlamentar indicou 10 nomes de prestadores de serviços no comitê de campanha: Otoniel Aimore Andrade Rodrigues, Anderson Willian da Silva, Gislaine Roque Santana da Campos, Luisa Silva de Arruda, Gustavo de Camargo Bucci, Vanderlam Santos Monteiro da Costa, Fernanda de Brito Motta, Valdimiria Souza Bento, Sozineia Soares da Cruz e Joilson Paulo de Miranda.

De acordo com a PRE, apenas Valmiria Souza Bento estava devidamente registrada nas contas de campanha, com pagamento de R$ 1 mil.

Motoristas

Para o procurador Pedro Ribeiro, as irregularidades identificadas são graves. Ele aponta que a Saga Comércio e Serviço Tecnologia e Informática Ltda., responsável por fornecer combustíveis à campanha de Janaina, entregou uma lista com 20 pessoas que atuaram na campanha “de modo coordenado, direto e ininterrupto”.

Os condutores dos veículos, contudo, não haviam sido informados à Justiça Eleitoral na prestação de contas.
“Ainda, chama atenção o fato de que os veículos locados pela RF Locadora de Veículos LTDA não parecem pertencer-lhe, o que merece ser aprofundado ao longo da instrução processual”, diz a representação.

“Tudo leva a crer, pois, que os referidos condutores são, em realidade, prestadores de serviço que abasteceram veículos em postos localizados em diversos municípios, com significativo consumo de combustíveis. Nessa circunstância, evidencia-se que o serviço prestado excede o mero apoio descompromissado e voluntário de eleitores. Pelo contrário, suspeita-se que lideranças locais tenham sido cooptadas para a execução de atos de campanha, tanto que juntos, visitaram ou percorreram 33 (trinta e três) cidades”, conclui a PRE.

Oito dos colaboradores ainda pernoitaram em cidades do interior sem que fossem informados gastos com hospedagem.

Ao todo, 31 pessoas receberam materiais de campanha para distribuição em todo o Estado. “Por fim, sublinhe-se que alguns desses destinatários, tais como os Srs. Celso Paulo Banazesk e Ismaili de Oliveira Donassan – não à toa – também figuravam nos relatórios de condutores de veículos, cujos serviços prestados foram sonegados – a reforçar a suspeita de que tais pessoas não são meros simpatizantes, como forceja por fazer crer a representada”, diz o procurador.

Em despacho na terça (8), o juiz eleitoral Antônio Veloso Peleja Júnior deu prazo de cinco dias para que a deputada apresente sua defesa.

Outro lado

Em nota, o advogado Rodrigo Cyrineu, responsável pela defesa de Janaina, afirmou que a representação indica “perseguição” do Ministério Público à deputada. “Propor uma ação com os mesmos apontamentos feitos no julgamento de contas do TRE no afã de ‘melhor elucidar’ os fatos, como reconhecido pelo próprio procurador-regional eleitoral, Pedro Melo Pouchain Ribeiro, bem evidencia a ausência de suporte comprovatório mínimo a embasar a acusação”.

A tese da defesa é de que questionamentos com relação à natureza formal da prestação de contas não justificariam a cassação do diploma da parlamentar.

Veja a íntegra da nota da defesa de Janaina:

"Com relação à representação de autoria do Ministério Público Eleitoral (MPE) em desfavor da deputada estadual Janaina Riva (MDB) para apurar supostas infrações na arrecadação e nos gastos dos recursos de campanha, o advogado da parlamentar vem a público esclarecer:

A representação eleitoral para apurar crimes eleitorais exige fatos graves cabalmente comprovados. Meras deduções não são suficientes para justificar um pedido de cassação de diploma. Neste aspecto vale ressaltar que o julgamento das contas de campanha da deputada sequer foi finalizado pela Justiça Eleitoral e que a defesa para todos os pontos que constam da ação do MP, ainda está sob análise do Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Propor uma ação com os mesmos apontamentos feitos no julgamento de contas do TRE no afã de ‘melhor elucidar’ os fatos, como reconhecido pelo próprio procurador-regional eleitoral, Pedro Melo Pouchain Ribeiro, bem evidencia a ausência de suporte comprovatório mínimo a embasar a acusação. Além disso, uma ação com o mesmo objeto de análise de contas da deputada gera ainda mais custos ao Judiciário por fatos que já foram esclarecidos à justiça e apontam clara perseguição do MPE a quem cumpriu um mandato sempre pautado na correção.

A exemplo das denúncias criminais, também na seara eleitoral, se exige a presença da justa causa, consistente na ofensa a um bem juridicamente tutelado.

Portanto, discussões de natureza formal tocante a aspectos contábeis não justificam a persecução do diploma, ainda mais quando se trata da deputada estadual mais bem votada de Mato Grosso.

Por fim, a atitude do MPE, quando sequer encerrado o julgamento das contas da deputada, exige a rejeição já no início da ação."

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • joao | Sexta-Feira, 11 de Janeiro de 2019, 11h43
    11
    5

    ESSA AINDA QUER SER PREFEITA DE CUIABA, ELEITA COM VOTO COMPRADO, PARABENS MP.

  • angelo gonçalves de queiroz | Sexta-Feira, 11 de Janeiro de 2019, 11h19
    10
    5

    tudo que ela desejou para o pedro taques vai acontecer com ela, porque ela é arrogante, age assim para esconder sua verdadeira face.

  • Clovis Teschke | Quinta-Feira, 10 de Janeiro de 2019, 11h42
    6
    5

    Bem. A lei deve ser cumprida em todos os seus artigos, inclusive aqueles referentes ao direito de defesa. A sentença, evidentemente deve sair somente após a conclusão do processo. A hora é agora. Que se provem as evidências e as suposições para depois, dentro da lei, cumprir a sentença resultante .

Matéria(s) relacionada(s):

Formatura motiva vinda de diretores

A secretaria estadual de Segurança Pública esclarece, em nota acerca da Curtinha intitulada "Lobby pra permanecer adjunto", que a vinda a Cuiabá de diretores de unidades prisionais tem único objetivo de participar de formatura dos novos servidores do Sistema Penitenciário, realizado nesta quarta à noite, no ginásio Verdinho. Nega, portanto, que tenha sido para reforçar movimento pela permanência de Emanuel Flores no cargo de...

Ação "lobista" pra permanecer adjunto

emanuel flores curtinha   Em tempos de crise, o secretário-adjunto de Administração Penitenciária Emanuel Flores (foto) remanescente do Governo Taques (PSDB) e para cujo cargo foi indicado pelo coronel Siqueira Junior, preso e denunciado na “grampolândia”, tomou uma decisão como parte de uma...

Gisela já some da luta dos servidores

gisela curtinha   A advogada Gisela Simona (Pros), que teve votação expressiva (50.682 votos) e ficou na 1ª suplência de deputada federal, com empurrão substancial dos servidores públicos, simplesmente sumiu dos movimentos sindicais e das campanhas da categoria neste início do Governo Mauro contra o...

Diretora-geral toca Regional de ROO

gilberto figueiredo curtinha   O secretário estadual de Saúde Gilberto Figueiredo (foto) empurrou para Caroline Campos Conturbia a missão de fazer funcionar o hospital regional de Rondonópolis. Ela foi nomeada como diretora-geral. A unidade teve contrato de gestão emergencial encerrado desde novembro passado com o...

Braço de Pagot vira adjunto na Sinfra

nilton de brito curtinha   O engenheiro civil Nilton de Britto (foto) é o novo secretário-adjunto de Obras da secretaria de Infraestrutura e Logística do Estado. Trata-se de um técnico bastante experiente na atividade pública e muito ligado a Luiz Antonio Pagot, que foi supersecretário da gestão...

Irmão de senador é secretário-adjunto

wener santos nova marilandia curtinhas   Filiado ao PP, que fez parte da coligação de Wellington Fagundes (PR), segundo colocado para governador, e irmão do senador Cidinho Santos, que foi o coordenador-geral da campanha vitoriosa de Mauro Mendes, Wener dos Santos (foto) assume o cargo de secretário-adjunto de Obras...

Aprovada cota a negros em concurso

wilson santos curtinha   Outro veto do ex-governador Taques derrubado pelos deputados em sessão nesta terça assegura uma reserva de 20% de cota para pessoas negras quando da realização de concurso público. A proposta partiu do deputado Wilson Santos (foto), do mesmo PSDB de Taques, que havia considerado o projeto...

Sem Taques, ex-reitor é homenageado

carlos alberto maldonado curtinhas   Rei morto, rei posto. Quinze dias depois da saída de Pedro Taques do comando do Estado e faltando mais 15 para o fim da atual legislatura na Assembleia, deputados, em sessão nesta terça, ficaram bem à vontade para derrubar diversos vetos do então governador do PSDB. O...

Após Taques, Paola cola em deputado

paola reis curtinha   Após oito anos fazendo parte do núcleo fechado de assessores de confiança do ex-senador e ex-governador Pedro Taques, Paola Reis agora deve atuar em Brasília na equipe do deputado federal diplomado Leonardo Albuquerque (SD). Ele disse que fez o convite à ex-secretária-adjunta...