Judiciário

Terça-Feira, 29 de Dezembro de 2009, 21h:00 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Tribunal de Justiça

Perri racha grupo ao apoiar Sebastião

Briga entre desembargadores pode acabar com sonho de Orlando Perri de ser presidente do TJ

    A disputa pela cadeira do desembargador Donato Fortunato Ojeda, que se aposenta compulsoriamente em abril, está acirrada entre os juízes João Ferreira Filho, da 20ª Vara Cível de Cuiabá, Dirceu dos Santos, titular do 7º Juizado Especial Cível da Capital, e Sebastião Barbosa Farias, do 4º Juizado Especial Cível de Cuiabá. O juiz Rondon Bassil Dower Filho corre por fora na tentativa de se tornar o próximo desembargador do Tribunal de Justiça. A vaga será preenchida pelo critério de merecimento.

   O desembargador Orlando de Almeida Perri, que é ex-corregedor-geral de Justiça na gestão Paulo Lessa e cotado para ser o próximo presidente do Judiciário, articula para Sebastião ser escolhido à promoção. Nas articulações, ele tenta impor o "afilhado", o que tem causado racha no chamado "grupão", composto por magistrados aliados de Lessa e que fazem oposição sistemática ao atual presidente, desembargador Mariano Travassos. Esse tipo de queda-de-braço acaba criando clima tenso entre os magistrados.

   O desembargador Carlos Alberto da Rocha, tido como um dos nomes mais respeitados entre os colegas magistrados e um dos porta-vozes do grupo de Lessa, já teria inclusive mandado um recado a Perri: ou ele muda de ideia quanto à propaganda que tem feito a favor de Sebastião e passa a apoiar o nome de Dirceu dos Santos na briga pela cadeira de Ojeda, ou pode esquecer os planos de se tornar o próximo presidente do Tribunal de Justiça. Perri, que até agora conta com o apoio do “grupão”, se movimenta para ser o sucessor de Travassos, na eleição que acontece em dezembro de 2010. Ele é o mais cotado, considerando a existência de um "acordo de cavalheiros" para que o desembargador com mais tempo no Pleno e que ainda não tenha comandado o Judiciário seja escolhido para presidente. Mesmo assim, não trata-se de uma regra. Exemplo disso foi o que aconteceu com o próprio Travassos, que concorreu com o ex-vice-presidente Paulo Cunha, mais antigo no TJ, e venceu a disputa.

  Perri x Alberto

   Sem saber quem tem mais força entre Perri e Carlos Alberto, alguns desembargadores ainda ficam em “cima do muro” e preferem não tomar partido. O clima de rivalidade e polarização de grupos é evidente nos corredores do TJ. A união do grupo seria a garantia de que Perri vai se tornar presidente. Com o bloco rachado, no entanto, abre-se brecha para a escolha de Rubens de Oliveira, magistrado eleito pelo quinto constitucional da OAB e que conta com o apoio do grupo do atual gestor.

Travassos se mostra aliado do ex-presidente José Ferreira Leite. Os dois são investigados, junto com outros oito magistrados, por suposto desvio de recursos. O processo corre em segredo de Justiça e não tem sequer previsão para ser julgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O chamado “grupão” contaria hoje com a participação de Paulo Lessa, Rui Ramos Ribeiro, Guiomar Teodoro Borges, Márcio Vidal, Clarice Claudino, Evandro Stábile, Jurandir Florêncio de Castilho, Orlando Perri, Donato Fortunato Ojeda, Sebastião Filho, Gerson Paes, Carlos Alberto da Rocha, Juvenal Pereira da Silva e Maria Helena Povoas, e se mostra cada vez mais forte para decidir os caminhos do TJ. Na última eleição para promoção de juiz pelo critério de merecimento, 14 desembargadores desse grupão fecharam nos nomes de Alberto Ferreira, Dirceu dos Santos e Sebastião Barbosa. Na “briga”, Alberto saiu vencedor.

(16h45) - Perri diz que não quer impor nome de magistrado e nega racha no grupo

   Orlando Perri afirma, por meio de nota, que não tenta impor o nome do juiz Sebastião Barbosa na vaga que será aberta após a aposentadoria do desembargador Ojeda. Ainda segundo ele, os "desembargadores que se reúnem em torno do que se tem chamado de "grupão" nao são aliados de Lessa e nem opositores de Travassos. Antes de mais nada, são magistrados com ideias voltadas inteiramente para a instituição, na busca da construção de um Judiciário democrático e, principalmente, sem os vícios de outrora".

   Eis, abaixo, a nota enviada por Orlando Perri
   Sobre a reportagem "Perri racha "grupão" e pode perder chance de ser presidente", informo que a notícia veiculada causou-me assombros pelo acervo de inverdades que ela contêm.
   Em primeiro lugar não estou apadrinhando qualquer juiz ao cargo de Desembargador, muito menos querendo "impor" o nome de quem quer que seja.
   Em segundo lugar, os Desembargadores que se reúnem em torno do que se tem chamado de "grupão" nao são aliados de Lessa e nem opositores de Travassos. Antes de mais nada, são magistrados com ideias voltadas inteiramente para a instituição, na busca da construção de um Judiciário democrático e, principalmente, sem os vícios de outrora.
   Em terceiro lugar, nunca me "movimentei" para tratar da sucessão, tema que considero demasiadamente prematuro e intempestivo. Nesse particular, é também disparatada a notícia de ter recebido "recado" de outro colega intimidando-me a apoiar certo nome à desembargadoria, situação que jamais ocorreu.
   Infelizmente, parece que, em relação à minha pessoa, a nossa imprensa, de um modo geral, tem pecado com a ética que impõe ao bom jornalista sempre ouvir o outro lado antes de se publicar a matéria.
Atenciosamente,
Orlando Perri
Desembargador

Postar um novo comentário

Comentários (9)

  • marcelo | Terça-Feira, 12 de Janeiro de 2010, 17h12
    1
    0

    Tudo isso demonstra a falta de lisura e seriedade dentro do Tribunal de Justiça, quando na verdade tudo não passa de alianças políticas e familiares. Graças a Deus que todo esse pessoal da tradição do "tirar vantagem em tudo" vai aposentando e vai entrando um pessoal novo, tenho esperança que esses novos magistrados tendem a tomar um caminho diferente.

  • JIM | Quarta-Feira, 06 de Janeiro de 2010, 08h30
    0
    0

    Perri é o cara. E quero lembrar que ate as eleiçoes da presidencia que acontece no fim deste ano(longe), sao 4 desembargadores que vao aposentar, entao, tem muitas novidades ainda por vir.

  • Rogério Silva | Quinta-Feira, 31 de Dezembro de 2009, 19h40
    1
    0

    Esse é um homem do mal. Entrou no judiciário as custas de um ilicito, falsificou documentos para reduzir sua idade. Que moral para julgar crimes tem um homem com esta estatura moral?

  • CARLOS ALBERTO | Quinta-Feira, 31 de Dezembro de 2009, 09h27
    0
    0

    O DESEMBARGADOR PERRI PODE SER CONSIDERADO UM DOS HOMENS MAIS SÉRIOS DE NOSSO JUDICIÁRIO, AI NÃO TEM FALCATRUA, NÃO TEM JEITINHO, E SIM, A APLICAÇÃO DA LEI. PARABÉNS A SUA NOTA, PARABÉNS A SUA POSTURA DESEMBARGADOR PERRI.

  • Miguel Carlos Tadeu Atala | Quarta-Feira, 30 de Dezembro de 2009, 15h17
    0
    0

    Quero expressar meu ponto de vista; O Desembargador Orlando de Almeida Perri, é homem muito sério, magistrado elibado e ético da maior categoria que somente enaltece o Poder Judiciario de Mato Grosso. Se nosso bom Deus assim quizer, e permitir, será nosso futuro Presidente. Força e sucesso a ele.

  • Celson Ferreira | Quarta-Feira, 30 de Dezembro de 2009, 12h23
    0
    0

    Os Desembargadores do chamado "grupão" estão sendo utilizados e humilhados para uso util de apenas 02 Desembargadores. Abram os olhos Excelências os senhores não são crianças manipuláveis, ou são.

  • Celson Ferreira | Quarta-Feira, 30 de Dezembro de 2009, 12h23
    0
    0

    Os Desembargadores do chamado "grupão" estão sendo utilizados e humilhados para uso util de apenas 02 Desembargadores. Abram os olhos Excelências os senhores não são crianças manipuláveis, ou são.

  • ALZINO BERNARDES | Quarta-Feira, 30 de Dezembro de 2009, 11h32
    0
    0

    O DESEMBARGADOR ORLANDO PERRI, É UM DOS MAGISTRADOS MAIS RESPEITADO NO PODER JUDICIÁRIO DE MT, TENHO CERTEZA, QUE TERÁ UMA ATITUDE INTELIGENTE PARA OPINAR NESTA QUESTÃO. A FAMILIA "PERRI" DE UM MODO GERAL, MUITO NOS ORGULHA PELOS SEUS BONS EXEMPLOS QUE TEM DEMONSTRADO NO JUDICIÁRIO MATOGROSSENSE. PARABENS!!!

  • Carolina | Quarta-Feira, 30 de Dezembro de 2009, 00h07
    0
    0

    Gostaria que o site informasse porque retirou a nota do Des. Orlando Perri publicada logo abaixo da matéria, a qual desmentia a notícia..... Será que a matéria não é encomendada???

Uma petista das causas bolsonaristas

edna sampaio 400   A emblemática vereadora petista Edna Sampaio (foto) se mostra a cada dia defensora das pautas bolsonaristas. Na Câmara de Cuiabá se aliou e vota combinado com os direitistas e conservadores tenente Paccola (Cidadania) e Michelly (DEM). No episódio em que a colega parlamentar fez uma "sarrada"...

Esperança do Procon por candidatura

gisela simona 400   Quem pensa que Gisela Simona (foto), aquela que perdeu para prefeita de Cuiabá e se queimou politicamente ao se aliar a Abílio no segundo turno, não se movimenta politicamente com interesse nas eleições de 2022 está redondamente enganado. Ela tenta, por tudo, reassumir a...

Sorriso tenta aval para conceder RGA

estevam calvo 400   A Prefeitura de Sorriso quer pagar RGA aos servidores, mas não encontrou até agora respaldo legal para assim proceder, considerando a Lei Complementar 173/2020 que, no contexto da pandemia, proíbe reajuste no salário de servidores federais, estaduais e municipais até 31 de dezembro deste...

Ambulância doada pela CBF para MT

Aron Dresch 400   O governo estadual recebeu doação de uma ambulância da CBF como forma de reconhecimento à dedicação dos profissionais da Saúde e dos serviços que estão sendo prestados durante a pandemia. O Hospital Metropolitano, em Várzea Grande, foi escolhido para...

Fávaro, relatório e vacina sem Anvisa

carlos favaro 400   O senador mato-grossense Carlos Fávaro (foto), eleito na suplementar do ano passado, está comemorando a aprovação pelos colegas do seu relatório ao Projeto 1315/2021, que libera a importação de vacinas e insumos para o combate à Covid-19 no Brasil e sem depender do...

TRE intima deputado pra se defender

gilberto cattani 400   O TRE já citou o deputado Gilberto Cattani (foto) e o comando do PRTB para se manifestar sobre o pedido do suplente Emílio Populo, que quer a perda do mandato do recém-empossado por infidelidade partidária. O relator é o jurista Sebastião Monteiro. Cattani apresenta defesa na...