Judiciário

Quinta-Feira, 14 de Novembro de 2019, 15h:20 | Atualizado: 14/11/2019, 15h:25

CONFLITO INTERNO

Presidente apresenta auditoria para rechaçar denúncia de desvios no Sinpol

Assessoria

Presidente do Sindicato dos Investigadores (Sinpol-MT), Edleusa Mesquita

Presidente do Sinpol, Edleusa Mesquita, que rebate acusações feitas por Jamilson Moura 

A empresa Athila Contabilidade e Auditoria apresentou nesta quarta (13), o resultado da auditoria feita nas contas do Sinpol-MT, que representa os investigadores, referente aos períodos de junho a agosto de 2016 e de agosto de 2017 a janeiro de 2018. O objetivo era averiguar se houve desvio de recursos das contas do sindicato para as do presidente Cledison Gonçalves da Silva e da diretora financeira Edleusa Afonso de Mesquita neste período.

O serviço foi contratado pela atual diretoria do Sinpol-MT para averiguar denúncia de transferência ilegal de recursos da entidade para as contas pessoais dos antigos diretores. O desvio teria ultrapassado R$ 1,4 milhão. A denúncia foi feita pelo diretor geral Jamilson Moura que a registrou junto à Diretoria Geral da Polícia Judiciária Civil e posteriormente no Poder Judiciário. 

“Jamilson alegou que a movimentação bancária teria sido feita de forma fraudulenta em benefício de Cledison e Edleusa. Ficou atestado que tudo transcorreu de forma lícita e com anuência do Conselho Fiscal da entidade para evitar que os recursos disponíveis em uma conta no Banco do Brasil fossem bloqueados pela Justiça para o pagamento de multas decorrentes de uma greve da categoria considerada ilegal. Durante a auditoria ficou claro que o montante foi integralmente devolvido ao sindicato por Edleusa Mesquita através de depósitos diretos e por meio do pagamento de despesas da entidade. Cledison fez a devolução através de cheques e de pagamentos de contas”, disse o auditor Clebio Geraldo Gaia.

A presidente alega que em 2016 a categoria participava da maior greve dos servidores públicos do Estado, que durou 30 dias. À época, a Justiça considerou o movimento ilegal e aplicou multas altíssimas a todos os sindicatos envolvidos. "Orientados por nosso departamento jurídico, decidimos em comunhão com o Conselho Fiscal, transferir temporariamente todo o dinheiro da conta do Sinpol-MT para nossas contas pessoais para possibilitar ao sindicato o pagamento de todas as suas despesas, inclusive os salários dos funcionários. Passada a greve, a situação foi normalizada e as contas daquela gestão integralmente aprovadas em Assembleia Geral pela categoria. A lisura da movimentação está comprovada”, disse Edleusa.

Uma perícia contábil, segundo o sindicato, também investigou outra denúncia feita por Jamilson: supostas fraudes na contratação de empréstimo junto ao Sicoob em fevereiro de 2017. "Este dinheiro foi usado para pagar o aluguel de três ônibus e as diárias de 150 investigadores sindicalizados que foram à Brasília participar de um movimento contrário à reforma da previdência que traria prejuízos aos policiais civis, como a perda da integralidade e da paridade na aposentadoria. Uma luta legítima do nosso sindicato. Pegamos o empréstimo porque os repasses do governo ao Sinpol-MT não tinham sido feitos e precisávamos viajar. Todas as despesas foram comprovadas e atestadas como lícitas. Portanto, mas uma denúncia improcedente e irresponsável”, garante Edleusa.

A atual diretoria do Sinpol-MT acredita que tais denúncias tenham sido motivadas em represália a uma investigação interna contra Jamilson por uso indevido do nome do sindicato para aquisição de materiais de construção, no valor aproximado de R$ 10 mil.

“Há cerca de 7 meses, o Jamilson fez compras em nome do sindicato e mandou entregar em um centro comunitário no bairro Nova Conquista, do qual fazia parte. Soubemos da fraude porque a proprietária da loja nos cobrou o pagamento da dívida. Tomamos as providências internas para investigação e exclusão do Jamilson da diretoria. Como ele tem pretensões políticas junto ao sindicato, ficou revoltado e tentou manchar nossa imagem”, disse Edleusa, que assevera ter tomado todas as medidas judicias em defesa de seus direitos e da imagem do Sinpol-MT.

Outro lado

Jamilson, que nega as acusações da diretoria, foi procurado pelo , mas não retornou as ligações, nem respondeu as mensagens (Com Assessoria).

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Denúncia, psiquiatria e agora atestado

elizabeth 400 curtinha   Lotada como técnico-administrativo do RH do Hospital Metropolitano da Capital, Elizabete Maria de Almeida (foto), recorreu a um psiquiatra uma semana depois de registrar um BO e, sem apresentar provas, acusar o prefeito Emanuel de negociata, inclusive com dinheiro vivo para vereadores, com vistas a...

Título de Cidadã para senadora goiana

janaina riva 400 curtinha   A Assembleia fará sessão solene nestes últimos dias de 2019 para prestar homenagem a várias personalidades de diferentes segmentos e profissões. Uma das que serão condecoradas com o Título de Cidadã Mato-Grossense é a goiana Kátia Regina de Abreu,...

Francis sem os vereadores do partido

cesare 400 curtinha vereador caceres   A administração Francis Maris em Cáceres se tornou tão emblemática que perdeu apoio dos dois únicos vereadores do seu partido, o PSDB, na Câmara Municipal. Os tucanos Valdeniria Dutra e Claudio Henrique integram hoje o bloco de oposição ao prefeito,...

Gilberto prestigia sobrinho na Câmara

marcelo oliveira 400 curtinha   Depois de 11 meses sem pisar os pés na Câmara Municipal de Cuiabá, o vereador licenciado Gilberto Figueiredo, secretário estadual de Saúde e um dos pré-candidatos a prefeito do grupo do governador Mauro, apareceu neste sábado na sede do Legislativo, no ato que marcou a...

Suplente que terá 2 anos de mandato

adilton da levante 400 curtinha   Derrotado à reeleição em 2016, Adilson da Levante (foto) reassumiu cadeira de vereador pela Capital desde janeiro deste ano e deve prosseguir no cargo até o final do mandato, em dezembro de 2020. É que o titular Gilberto Figueiredo, que se elegeu pelo PSB e vai migrar para o DEM,...

PSDB veta Taques e vai priorizar Leitão

paulo borges 400 curtinha   O comando regional do PSDB não vai dar chance para Pedro Taques, caso este ensaie concorrer ao Senado com a provável suplementar, já no início de 2020 com a iminente cassação do mandato de Selma. Embora tenha dito que hoje se dedica à advocacia e à vida de professor...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.