Judiciário

Quarta-Feira, 24 de Fevereiro de 2021, 13h:59 | Atualizado: 25/02/2021, 14h:59

TRANCAMENTO

TJ livra empresária pela segunda vez em ação por assassinatos de irmãos Araújo

Os desembargadores da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça determinaram o trancamento da ação penal contra a empresária Mônica Marchett pelo assassinato dos irmãos Brandão Araújo Filho e José Carlos Machado Araújo, em 1999 e 2000. Seguindo voto do desembargador Pedro Sakamoto, os magistrados entenderam que não havia novas provas para justificar nova ação contra ela.

Reprodução

Empres�ria M�nica Marchett

A empresária Mônica Marchett foi denunciada duas vezes pelo MPE pelos assassinatos

Os desembargadores Rui Ramos Ribeiro e Luiz Ferreira da Silva concordaram com o voto de Sakamoto.

Mônica já havia sido processada pelo Ministério Público Estadual (MPE) como uma das mandantes dos crimes. Naquele caso, a defesa fez recurso ao Tribunal de Justiça e obteve decisão que revogou a “pronúncia” contra ela, que era a decisão que determinava o julgamento pelo Júri Popular.

O pistoleiro Célio Alves, um dos executores, respondia a ação penal separada e prestou depoimento citando a possível participação dela nos crimes. Com base nessa declaração o MPE entrou com nova denúncia, que passou a tramitar a partir de 2019.

O advogado Daniel Gerber fez a defesa de Mônica e lembrou que ela havia sido absolvida anteriormente por falta de provas e que a nova ação seria julgamento duplo pelo mesmo fato, o que é ilegal.

“Infelizmente o homicídio dos irmãos Araújo gerou outras vítimas colaterais, além deles, entre elas a própria Mônica. Porque ela não tem nada a ver com esses delitos, vossas excelências assim o declararam tempos atrás a ausência de provas contra a paciência, e ainda assim o Ministério Público insiste em nova investida, certamente por clamor popular”, defendeu Gerber.

De acordo com o defensor, Mônica era absolvida em uma ação e “enquanto isso em outro julgamento o executor, depois de insistentemente ser inquirido, disse que talvez, supostamente, ela tivesse participado de reunião para contratar a morte dos irmãos”.

“Desde quando o depoimento de um corréu é valorado como prova? Em hipótese alguma”, criticou.

Infelizmente o homicídio dos irmãos Araújo gerou outras vítimas colaterais, além deles, entre elas a própria Mônica. Porque ela não tem nada a ver com esses delitos, vossas excelências assim o declararam tempos atrás a ausência de provas contra a paciência, e ainda assim o Ministério Público insiste em nova investida, certamente por clamor popular

Daniel Gerber

Gerber citou jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) de que um réu não pode testemunhar nem a favor nem contra o outro, e lembrou que acusado não tem compromisso de dizer a verdade. Para o advogado, o depoimento poderia indicar o caminho a ser percorrido pelo MPE para obtenção de novas provas, mas não serviria como prova nova. Ele comparou com delatores, que têm dever de dizer a verdade, e que mesmo assim seus depoimentos servem apenas de caminho para provas e não são provas em si próprias.

O desembargador Pedro Sakamoto concordou. Ele leu parte do depoimento de Célio Alves durante o julgamento no Tribunal do Júri, o pistoleiro relatou parte da negociação para executar os irmãos. Célio recebeu como parte do pagamento um Volkswagen Gol que estava em nome de Mônica.

“O que chegou até a mim foi isso, por causa do problema da terra houve uma espécie de uma confraria familiar, eles se juntaram.... que eu não lembro quem, fizeram uma reunião e decidiram. Agora, tachar aqui, não posso. Agora, quem é o chefe da família é Sérgio Marchett, isso eu posso afirmar", disse o pistoleiro.

Sakamoto relatou que a informação sobre a negociação ter envolvido Mônica Marchett teria partido do sargento José Jesus de Freitas, assassinado em 2002. E que o relato era de que Célio Alves não teria recebido o documento do carro diretamente das mãos de Mônica, mas sim de um funcionário da Sementes Mônica, empresa da família Marchett.

O relator entendeu que seria nova prova. “Contudo em termos substanciais esse interrogatório não trouxe informações novas, que contradigam a despronúncia da paciente. E se naquela oportunidade não havia provas suficientes, muito menos agora”. Seria um “depoimento vago demais”, de que "ouviram dizer" e "conjecturaram" sobre as identidades dos mandantes. Para Sakamoto, a nova ação seria um “constrangimento ilegal” contra a empresária.

Nota à imprensa

“A veiculação da notícia com o título ‘TJ livra empresária pela segunda vez em ação por assassinatos de irmãos Araújo’ gera um entendimento distorcido dos fatos para a população. O Poder Judiciário não “livrou” a empresária Mônica Marchett de uma ação penal. Pelo contrário, apenas corrigiu um equívoco do Ministério Público, que a denunciou pelos mesmos fatos pelos quais fora absolvida anteriormente.

O TJ-MT saneou, também, erro da Primeira Vara Criminal de Rondonópolis (MT), a qual recebeu a denúncia e permitiu o regular trâmite do processo, mesmo após reiteradas manifestações da defesa.

O Tribunal de Justiça, portanto, fez cessar o constrangimento ilegal ocasionado para a empresária, ao determinar a observância da Constituição Federal e do Código de Processo Penal para o caso em concreto que, desprovido de qualquer vínculo com a realidade, não merecia prosperar”.

Daniel Gerber

Advogado criminalista que representa a defesa da empresária Mônica Marchett

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Realista | Quinta-Feira, 25 de Fevereiro de 2021, 13h23
    1
    0

    Infelizmente num caso desse tipo, o único condenado é quem perde a vida. Mas se realmente ela tem culpa nesse assassinato, um dia a cobrança e o consequente pagamento dessa dívida lhe chegarão de alguma forma.

  • REVOLTADO | Quarta-Feira, 24 de Fevereiro de 2021, 14h48
    3
    0

    PRESOS ESTÃO OS IRMÃOS ASSASSINADOS !! ESSES JAMAIS SAIRÃO DO BURACO.

2 suplentes já estreiam em Cuiabá

alex rodrigues 400   Com menos de quatro meses de mandato, dois dos 25 vereadores cuiabanos reeleitos no ano passado já pediram licença para abrir espaço a suplentes. Diego Guimarães (Cidadania) se afastou por 30 dias. Em sua cadeira está Maysa Leão, do mesmo partido. Marcrean Santos (PP) pediu afastamento...

Governista 2 e o desafio da reeleição

wilson santos 400 curtinha   Wilson Santos (foto), que conseguiu retornar à Assembleia "sangrando" nas urnas de 2018, impactado pelo desgaste pela defesa intransigente do Governo Pedro Taques, se prepara para atravessar outro purgatório no próximo ano, em busca de mais um mandato. O deputado tucano carrega desgaste...

Nobres chora a morte de ex-prefeito

flavio dalmolin 400   A pequena e turística Nobres, de 16 mil habitantes, parou neste Feriado de Tiradentes em comoção pela morte, por Covid-19, do ex-prefeito Flávio Dalmolin (foto). Um cortejo percorreu ruas e avenidas, parou em frente ao estádio municipal Balizão e à prefeitura, onde...

Derrotado ensaia disputa ao Governo

reinaldo morais 400 curtinha   O empresário Reinaldo Morais (foto), o rei dos porcos, está disposto a gastar mais uns milhões com nova candidatura majoritária, agora para governador. No ano passado, concorreu ao Senado e obteve votação decepcionante. Foi o penúltimo colocado numa corrida com 11...

Sicredi recua de comprar praça pública

enilson rios 400 prefeito araputanga   A diretoria do Sicredi nem esperou ser votado na Câmara Municipal o polêmico projeto sobre negociação de uma praça pública no centro de Araputanga para cancelar o negócio. A cooperativa havia "amarrado" entendimento com o prefeito Enilson de Araújo...

Sessão, voto e namoro com cantora

ulysses moraes 400   Na sessão virtual da Assembleia desta segunda, o deputado Ulysses Moraes (foto), do PSL, estava demorando para computar o voto na apreciação de um veto do governador. O presidente Max Russi (PSB), então, cobrou agilidade do colega e brincou, dizendo que agora ele só tem olhos para a Maraisa....

MAIS LIDAS