Judiciário

Terça-Feira, 10 de Dezembro de 2019, 11h:08 | Atualizado: 10/12/2019, 14h:51

ECONOMIA

TJ suspende fim de recuperação do Grupo Bom Jesus e manda auditar pagamentos

A desembargadora Nilza Maria Possas de Carvalho, do Tribunal de Justiça, suspendeu os efeitos da decisão de 1ª instância que havia encerrado o processo de recuperação judicial do Grupo Bom Jesus e determinou a realização de uma auditoria para verificação do cumprimento do plano recuperacional.

Agora MT

escritoriobomjesus

Suspensão sobre recuperação judicial do Grupo Bom Jesus será até julgamento de apelação

A decisão é de ontem (9), em um recurso movido por Leandro Motta da Silva, sócio de uma das empresas recuperandas, cuja defesa é feita pelo escritório Oliveira Castro Advogados Associados. “(...) Com essas considerações, em razão da presença dos requisitos previsto nos artigos 300, caput e 1.012, §4º do Código de Processo Civil/2015, defiro o pedido concessão do efeito suspensivo até o julgamento do recurso de apelação, bem como, determino que seja nomeada pelo Juízo a quo no prazo de 05 (cinco) dias, às expensas das apeladas, empresa especializada em perícia e auditoria dentre as três indicadas na petição do requerente, para verificação do cumprimento do plano recuperacional no período do biênio fiscalizatório e de todos os documentos financeiros e contábeis, análise das receitas, despesas e os seus respectivos destino, notas de compra, de remessa e de devolução, dentre outras verificações necessárias”, diz um trecho da decisão.

Dentre os pontos suscitados pelo empresário no recurso e que chamaram a atenção da magistrada estão: a) encerramento do processo antes do prazo de supervisão legal que é de dois anos; b) ausência de intimação do Ministério Público e do administrador judicial para se manifestarem sobre o fim da ação; c) ausência de intimação do administrador judicial para detalhar e colacionar aos autos todos os comprovantes de cumprimento das obrigações assumidas e a atual condição financeira, bem como a capacidade de cumprimento das obrigações a longo prazo, além de apresentação de projeção de caixa com a viabilidade de continuação das atividades.

“Na sentença há transcrições de pareceres dos administradores, no sentido de que as recuperandas estavam cumprindo com os termos do Plano de Recuperação Judicial, mas não há, ao menos até o momento, indícios de relatórios indicando que “imperioso se revela o encerramento do processo”, como registrado pelo juiz, nem mesmo relatório pormenorizado do cumprimento das obrigações em relação aos credores”, diz outro trecho da decisão.

Afirmou ainda o recorrente, no agravo, que “a sentença de encerramento da Recuperação Judicial que produz seus efeitos imediatos, inobservando qualquer requisito hábil a tal feito, causaria incerteza e insegurança jurídica, à grande parcela de credores que ainda nem começaram a receber os seus créditos, não tendo qualquer conhecimento acerca da possibilidade de pagamento e recebimento; a manutenção do período fiscalizatório pelo magistrado faz-se necessário, até que se tenha efetivo provisionamento do cumprimento das obrigações futuras em relação a maior parte dos credores, evitando assim a possibilidade de dilapidação patrimonial, com a aquisição de novas dívidas”. Os argumentos foram todos acolhidos pela desembargadora.

“Por fim, pertinente a pretensão de nomeação de empresa especializada para gerir a administração das empresas em recuperação judicial, a fim de evitar que a situação permaneça ad eternum, pois a finalidade principal da recuperação judicial é o pagamento dos credores. Portanto, vislumbro a relevância da fundamentação e o perigo de dano ou risco ao resultado útil do processo, a ensejar na concessão do efeito suspensivo ao recurso de apelação”, concluiu.

Recuperação Judicial

O pedido de Recuperação Judicial do Grupo Bom Jesus, do qual participam quatorze pessoas jurídicas, foi realizado em junho de 2016, tendo sido deferido seu processamento no mesmo mês.

Em dezembro do mesmo ano fora apresentado o Plano de Recuperação Judicial e na sequência a relação de credores, ocasião em que houve o aumento de 2.500 para 2.614 credores, cujos créditos somados perfizeram o montante de R$ 1,947.450.453,72.

Por sua vez, o Plano foi aprovado em outubro de 2017 e concedida a recuperação judicial ao Grupo Bom Jesus, cuja decisão foi publicada em janeiro de 2018.

Antes do biênio legal, o juiz da 4ª Cível Especializada em Recuperação Judicial e Falências de Rondonópolis (216 KM de Cuiabá), Renan Carlos Leão Pereira do Nascimento, declarou encerrado o processo, inclusive com obrigações a serem cumpridas, conforme consignado na sentença, que foi alvo de apelação e aguarda decisão no Tribunal de Justiça.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Puxando o "rei" pra baixo em Tangará

reinaldo morais 400 curtinha   A pré-campanha ao Senado do empresário Reinaldo Morais (foto), o "rei dos porcos", evangélico e bolsonarista, vem ganhando aceitação popular em vários municípios. Mas, em Tangará da Serra, enfrenta muita resistência. Algumas pessoas próximas ao...

3 estaduais e 2 federais para prefeito

juarez costa 400 curtinha   Se na Assembleia, três dos 24 deputados se articulam por candidatura a prefeito, na Câmara Federal dois entre oito da bancada mato-grossense também pretendem fazer o mesmo. Tratam-se do emedebista Juarez Costa (foto), que apostará todas as fichas no retorno ao comando de Sinop, e do petebista...

PSDB rachado sobre nome a prefeito

ricardo saad 400 curtinha   O tucanato enfrenta uma incógnita em Cuiabá. A bancada na Câmara, hoje composta pelos vereadores Renivaldo Nascimento, Ricardo Saad (foto) e Toninho de Souza, defende apoio ao projeto de reeleição do prefeito Emanuel Pinheiro. O partido, presidido na Capital por Saad, já faz parte...

Poucos da AL se arriscam pra prefeito

silvio favero 400 curtinha   Inicialmente seriam seis dos 24 deputados estaduais dispostos a concorrer ao pleito de novembro deste ano. Mas a lista vem sendo reduzida à medida que se aproxima das convenções. Sílvio Fávero (foto), por exemplo, sabe que a chance de ganhar a Prefeitura de Lucas do Rio Verde, onde...

Transferindo pandemia para Cuiabá

lucimar campos 400   Prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos (foto) transferiu praticamente o pepino da pandemia da Covid-19 à gestão da cidade vizinha, comandada por Emanuel Pinheiro. Ela faz questão de enfatizar que, numa reunião com porta-vozes do governo estadual, do TCE, da Assembleia e dos dois maiores...

"Oposição desorganizada ajuda Pátio"

blairo maggi 400 curtinha   Com a experiência de quem já foi governador por dois mandatos, senador e ministro da Agricultura, o megaempresário Blairo Maggi (foto) disse, em entrevista numa live nesta sexta, com os jornalistas Eduardo Ramos e Lucas Perrone, que se a oposição não se organizar em...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.