Legislativo

Sexta-Feira, 14 de Junho de 2019, 14h:50 | Atualizado: 14/06/2019, 14h:55

Sobras

Projeto estabelece regras para devolução de duodécimo da AL e do TJ ao Governo

Rodinei Crescêncio

Wilson Santos durante audi�ncia sobre n�meros fiscais de MT

Wilson  defende que a devolução de sobras ao Executivo seja aplicada nas áreas essenciais

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) é o autor do projeto de lei 623 de 2019 que regulamenta a devolução espontânea do duodécimo do Ministério Público Estadual (MPE), Defensoria Pública, Poder Legislativo e do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso.

Pelo novo texto que passaria a vigorar no artigo 42 da Constituição Estadual, os recursos financeiros devolvidos em caráter espontâneo pelos poderes serão utilizados, em caso de necessidade, para a integralização da folha de pagamento dos servidores públicos estaduais.

Se não houver a necessidade de complementação orçamentária para efetuar o pagamento dos servidores públicos estaduais, o dinheiro devolvido espontaneamente oriundo do duodécimo deverá ser aplicado em 50% para o Fundo Estadual de Educação e outros 50% para o Fundo Estadual da Saúde.

Os recursos financeiros jamais poderão ser utilizados para substituir programas de políticas públicas e ações da Lei Orçamentária Anual.

De acordo com as informações do Tesouro Nacional divulgado na última semana, os poderes Legislativo, Judiciário, Ministério Público e Defensorias Públicas acumularam no final de 2018 uma sobra de R$ 7,7 bilhões em recursos livres, que poderiam ser usados para bancar outras despesas.

Em Mato Grosso, o Executivo fechou o caixa com saldo negativo de R$ 1,4 bilhão em 2018,  enquanto sobravam R$ 417,1 milhões nos cofres do Judiciário e do Ministério Público.

Recentemente, para pôr fim ao drama da paralisação dos serviços do Hospital Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá, a Assembleia Legislativa abriu mão de R$ 3,5 milhões do que tinha a receber do Executivo a título de duodécimo. Em 2015, o poder Judiciário devolveu R$ 10 milhões ao poder Executivo para auxiliar na construção de Centros de Ressocialização dedicado a reeducar menores infratores.

No período de 2011 a 2015, governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o Brasil registrou uma forte recessão econômica que superou apenas o período dos ex-presidentes Floriano Peixoto e Fernando Collor de Mello. O primeiro governou o país lidando com duas guerras civis e o segundo assumiu o governo federal com inflação superior a 4 dígitos.

Por conta disso, a taxa de desemprego fechou o ano em 2014 com 11 milhões de desempregados e os Estados iniciando a partir dali um colapso financeiro em decorrência de queda na arrecadação de impostos como IPI (Impostos Sobre Produtos Industrializados), IR (Imposto de Renda) e ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Neste cenário de crise e sem perspectiva recente de recuperação, os governadores são responsáveis em assumir sozinhos os ajustes nas contas e  são obrigados a repassar integralmente 1% aos demais Poderes a parcela mensal de recursos prevista no orçamento, chamada de duodécimo, mesmo que a projeção de despesas já não seja mais factível diante da queda nas receitas.

A situação agrava as dificuldades dos Executivos Estaduais, que são responsáveis por gastos prioritários como saúde, educação e segurança, mas precisam fazer um contingenciamento maior que o realmente necessário para garantir a transferência aos demais Poderes.

Enquanto isso, Legislativo, Judiciário, MP e Defensoria ficam blindados do aperto e com recursos disponíveis para conceder reajustes e outros benefícios, como auxílio-moradia.

A Advocacia-Geral da União (AGU) chamou a atenção para o problema em memorial enviado a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

No documento, a AGU defende o uso de um dispositivo da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) que permite aos chefes dos Executivos bloquearem recursos dos demais Poderes, caso eles não adotem essa providência em situações de frustração de receitas.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Jackson, enfim, nomeado ao TRE-MT

jackson 400 curtinha tre   O presidente Bolsonaro, enfim, escolheu, de uma lista tríplice, quem passa a compor o Pleno do TRE-MT no cargo de juiz titular, na categoria jurista, para dois mandatos de mandato. Trata-se de Jackson Francisco Coutinho (foto), que desde o ano passado já atua como juiz-membro substituto no Tribunal. Nos...

Com mais de 60 prefeitos e esposas

mauro mendes virginia 400   Acompanhado do governador e esposo Mauro, a primeira-dama Virginia Mendes recebeu para um jantar no Palácio Paiaguás, na segunda, mais de 60 primeiras-damas, além de prefeitos e outras autoridades. O governador, que promoveu o encontro, aproveitou para expor números, ações e...

UPA do Verdão vai ser entregue - veja

emanuel pinheiro 400 curtinha   O prefeito Emanuel Pinheiro programa inaugurar na primeira quinzena de dezembro a UPA do Verdão (próximo à Arena Pantanal), uma nova e moderna estrutura que terá capacidade de atendimento de cerca de 12 mil pessoas por mês - veja aqui o vídeo que mostra a obra em fase...

Capital transmite final da Copa Verde

O Cuiabá Esporte Clube enfrenta o Paysandu hoje, às 20h, pela final da Copa Verde, no estádio Mangueirão. O Dourado precisa vencer por dois gols de diferença para ficar com o título. Caso a vitória seja por um gol de diferença, a decisão vai para os pênaltis. A Capital FM 101.9, que acompanha o futebol regional desde início do ano, será a única rádio de Cuiabá que fará a...

Um dos cuiabanos na final Fla x River

leonardo campos curtinha 400   O presidente da OAB-MT, Leonardo Campos, o Leo Capataz, é um dos flamenguistas de Cuiabá que já estão em Lima ou que ainda vão embarcar rumo à capital do Peru para assistir a final da Copa Libertadores entre Flamengo e o argentino River Plate. O confronto será...

Políticos em peso em evento do HMC

A solenidade que marcou a entrega do HMC em Cuiabá, nesta segunda (19), está sendo considerada o evento do ano para o prefeito Emanuel. Ele conseguiu motivar a presença de diversas lideranças políticas, empresariais e de diferentes setores. Para se ter uma ideia, dos 11 membros da bancada federal, 8 estavam presentes, assim como 16 dos 24 deputados estaduais e 17 dos 25 vereadores. Também marcaram presença dezenas de prefeitos e outros...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.