Legislativo

Sexta-Feira, 14 de Junho de 2019, 14h:50 | Atualizado: 14/06/2019, 14h:55

Sobras

Projeto estabelece regras para devolução de duodécimo da AL e do TJ ao Governo

Rodinei Crescêncio

Wilson Santos durante audi�ncia sobre n�meros fiscais de MT

Wilson  defende que a devolução de sobras ao Executivo seja aplicada nas áreas essenciais

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) é o autor do projeto de lei 623 de 2019 que regulamenta a devolução espontânea do duodécimo do Ministério Público Estadual (MPE), Defensoria Pública, Poder Legislativo e do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso.

Pelo novo texto que passaria a vigorar no artigo 42 da Constituição Estadual, os recursos financeiros devolvidos em caráter espontâneo pelos poderes serão utilizados, em caso de necessidade, para a integralização da folha de pagamento dos servidores públicos estaduais.

Se não houver a necessidade de complementação orçamentária para efetuar o pagamento dos servidores públicos estaduais, o dinheiro devolvido espontaneamente oriundo do duodécimo deverá ser aplicado em 50% para o Fundo Estadual de Educação e outros 50% para o Fundo Estadual da Saúde.

Os recursos financeiros jamais poderão ser utilizados para substituir programas de políticas públicas e ações da Lei Orçamentária Anual.

De acordo com as informações do Tesouro Nacional divulgado na última semana, os poderes Legislativo, Judiciário, Ministério Público e Defensorias Públicas acumularam no final de 2018 uma sobra de R$ 7,7 bilhões em recursos livres, que poderiam ser usados para bancar outras despesas.

Em Mato Grosso, o Executivo fechou o caixa com saldo negativo de R$ 1,4 bilhão em 2018,  enquanto sobravam R$ 417,1 milhões nos cofres do Judiciário e do Ministério Público.

Recentemente, para pôr fim ao drama da paralisação dos serviços do Hospital Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá, a Assembleia Legislativa abriu mão de R$ 3,5 milhões do que tinha a receber do Executivo a título de duodécimo. Em 2015, o poder Judiciário devolveu R$ 10 milhões ao poder Executivo para auxiliar na construção de Centros de Ressocialização dedicado a reeducar menores infratores.

No período de 2011 a 2015, governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o Brasil registrou uma forte recessão econômica que superou apenas o período dos ex-presidentes Floriano Peixoto e Fernando Collor de Mello. O primeiro governou o país lidando com duas guerras civis e o segundo assumiu o governo federal com inflação superior a 4 dígitos.

Por conta disso, a taxa de desemprego fechou o ano em 2014 com 11 milhões de desempregados e os Estados iniciando a partir dali um colapso financeiro em decorrência de queda na arrecadação de impostos como IPI (Impostos Sobre Produtos Industrializados), IR (Imposto de Renda) e ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Neste cenário de crise e sem perspectiva recente de recuperação, os governadores são responsáveis em assumir sozinhos os ajustes nas contas e  são obrigados a repassar integralmente 1% aos demais Poderes a parcela mensal de recursos prevista no orçamento, chamada de duodécimo, mesmo que a projeção de despesas já não seja mais factível diante da queda nas receitas.

A situação agrava as dificuldades dos Executivos Estaduais, que são responsáveis por gastos prioritários como saúde, educação e segurança, mas precisam fazer um contingenciamento maior que o realmente necessário para garantir a transferência aos demais Poderes.

Enquanto isso, Legislativo, Judiciário, MP e Defensoria ficam blindados do aperto e com recursos disponíveis para conceder reajustes e outros benefícios, como auxílio-moradia.

A Advocacia-Geral da União (AGU) chamou a atenção para o problema em memorial enviado a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

No documento, a AGU defende o uso de um dispositivo da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) que permite aos chefes dos Executivos bloquearem recursos dos demais Poderes, caso eles não adotem essa providência em situações de frustração de receitas.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Abicalil renova pedido e segue na AL

carlos abicalil curtinhas   O ex-deputado federal Carlos Abicalil (foto), ex-presidente do Sintep e com histórico de várias disputas eleitorais, sem êxito nas urnas, como de governador e de senador, renovou o pedido junto ao governo para continuar em desvio de função até junho de 2020. Ao invés de...

Praças terão espaço à inclusão social

emanuel pinheiro curtinha   Merece elogios a ideia do prefeito Emanuel Pinheiro (foto) de dotar todos os parques municipais de Cuiabá de equipamentos especiais para permitir diversão, entretenimento e atividades físicas a pessoas com deficiência. Isso mostra a preocupação do gestor com a inclusão...

DEM é fraco em Cuiabá há décadas

O DEM dos irmãos Júlio e Jayme Campos e agora do governador Mauro Mendes enfrenta resistência histórica na tricentenária Cuiabá. Fundado em 1985 como PFL, que absorveu dissidentes do velho PDS, o DEM hoje não possui uma cadeira entre as 25 na Câmara Municipal. Aliás, não elege vereador há três legislaturas. A última vez que o partido tentou disputa para prefeito da Capital foi em 2000 e, curiosamente, tendo...

Nininho, falta à sessão e justificativa

O deputado Ondanir Bortolini, o Nininho, contesta informação de que teria "amarelado" ao não comparecer à sessão ordinária da Assembleia, que resultou na aprovação da mensagem do governo sobre reinstituição dos incentivos fiscais, em primeira votação, pelo placar de 15 a 7. Em verdade, o parlamentar do PSD justificou oficialmente sua ausência. Explica que foi internado e, por orientação...

Efetivados irregularmente e recebendo

darci lovato curtinha   Entre os quase 100 servidores da Assembleia que já tiveram estabilidade funcional cassada pela Justiça em 1º grau por alguma irregularidade em documentos, estão ex-secretários municipais, colunista social, ex-policiais, radialista, ex-prefeito, ex-vereador e outros que já tentaram, sem...

Governo quita toda a folha de junho

O governo estadual concluiu nesta sexta (19) o pagamento de junho dos servidores ativos, inativos e aposentados que ganham acima de R$ 7,5 mil. Para essa quitação foram necessários R$ 61,8 milhões. Com isso, liquidou totalmente a folha de junho dos cerca de 100 mil funcionários públicos, que consomem R$ 472,7 milhões. No dia 10 deste mês, o governo pagou a primeira parcela dos salários de junho, depositando até R$ 5,5...

ENQUETE

Profissionais da Educação estão em greve há mais de um mês. O que você acha disso?

estão corretos. Devem continuar

discordo. Deveriam voltar às aulas

pra mim, não faz diferença

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.