Legislativo

Quinta-Feira, 20 de Fevereiro de 2020, 16h:18 | Atualizado: 20/02/2020, 16h:24

REPRESENTANTES DE MT

Wellington e Neri integram comissão sobre reforma tributária no Congresso

Reprodução

Wellington Fagundes e Neri Geller

Senador Wellington Fagundes e o deputado Neri Geller, que integram comissão mista do Congresso que analisará a reforma tributária no Congresso

A comissão mista do Congresso que analisará a reforma tributária foi instalada nesta quarta (19), com as presenças do presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ). O colegiado é formado por 25 senadores e 25 deputados, que têm a tarefa de produzir um texto único sobre o tema nas duas Casas.

Mato Grosso, que tem a bancada de apenas oito deputados federais e três senadores, emplacou somente dois representantes na comissão mista. São eles, o senador Wellington Fagundes (PL) e o deputado federal Neri Geller (PP). Os parlamentares terão o prazo de 45 dias para consolidar as propostas que tramitam no Congresso.

“Mato Grosso atuará firme na questão da reforma tributaria, já que a pauta é considerada fundamental para que todas as áreas funcionem de forma mais prática e objetiva. A ideia e exatamente enxugar, simplificar e desburocratizar o Estado. A nossa legislação tributária precisa se modernizar e acompanhar o desenvolvimento de todos os setores, em especial, o agronegócio, já que trataremos da regulamentação da Lei Kandir”, postou Neri nas redes sociais.

“Deveríamos ter começado, inclusive, por ela, porque a carga tributária hoje é muito alta, mas, pior ainda é o volume de impostos, a burocracia, o peso em cima daqueles que querem gerar emprego e renda no País”, disse Wellington. 

Para Alcolumbre, a exemplo da reforma da Previdência em 2019, essa é mais uma oportunidade para que, trabalhando em conjunto, o Parlamento “tome a dianteira nas pautas legislativas importantes”.

“Tenho certeza de que esses 50 membros vão fazer uma redação que concilie o Brasil e fortaleça o empreendedorismo, gerando empregos e riqueza. É uma reforma aguardada há décadas pelos brasileiros, com desburocratização, com simplificação. É a possibilidade, de fato, de dar segurança jurídica e tranquilidade para os empreendedores confiarem no Brasil”,  destacou o presidente do Senado.

Já Maia criticou o atual sistema tributário e defendeu mudanças para combater desigualdades e garantir mais equilíbrio e crescimento. “O sistema tributário beneficia nossas elites, que, não satisfeitas, agora querem voltar com CPMF para o povo pagar a conta. O Brasil não vai crescer apenas com as reformas previdenciária e administrativa. O que vai devolver renda é o sistema tributário. Investindo e gerando emprego”.

Propostas

A primeira reunião formal da comissão está prevista para 3 de março. A expectativa é que a matéria seja discutida e votada em dois turnos, em cada uma das Casas, ainda neste primeiro semestre (Com informações da Agência Senado).

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • ANALFABETO | Quinta-Feira, 20 de Fevereiro de 2020, 21h58
    0
    1

    VEJA BEM, NA POLÍTICA TUDO PODE. ATÉ ANALFABETO INTEGRAR GRUPO DE COMISSÃO DE REFORMA TRIBUTÁRIA. AGUENTA MATO GROSSO SABE DE QUEM FALO? NERI- ALIADO DO BLAIRO MAGGI.....

  • REGINALDO PINHEIRO | Quinta-Feira, 20 de Fevereiro de 2020, 16h59
    2
    0

    Wellington na comissão sobre reforma tributária? O resultado já é previsto...Os grandes conglomerados de empresas(que é quem financia campanhas políticas) pagaram menso impostos e nós pobres mortais comuns, teremos aumento na nossa já pesada e insuportável carga tributária.

Redes sociais, lives e efeito colateral

Em tempo de coronavírus, as redes sociais têm sido fundamentais para disseminar informações. As plataformas são utilizadas, por exemplo, para realização de coletivas, mas, nesta segunda (6), houve um efeito colateral. O governador Mauro Mendes e o secretário de Saúde Gilberto Figueiredo foram "vítimas" de ferramenta de animação do Facebook. Os dois falavam sobre ações para combater a doença...

DEM agora sem amarras dos Campos

frankes siqueira curtinha 400   Sem o controle absoluto dos Campos, como nas últimas duas décadas, desde quando era PFL, o DEM, que não elege vereador em Cuiabá desde 2004, vive melhores expectativas, agora sob comando da ala ligada ao governador Mauro. É presidido pelo secretário de Estado de Governo,...

O pulo de Elias do PSDB para o DEM

elias santos 400 curtinha   Elias Santos (foto), irmão do deputado Wilson, agiu como estrategista na construção de sua pré-candidatura a vereador por Cuiabá. Concluiu que teria mais dificuldades de obter êxito nas urnas no PSDB porque os dois vereadores tucanos que vão à...

DEM e voz na Câmara após 16 anos

marcelo bussiki 400 curtinha   O DEM (antigo PFL) passa a ter voz na Câmara da Capital 16 anos depois. Aproveitando a janela de março em que a Justiça Eleitoral permite mudança de legenda sem risco de perda do mandato, dois vereadores migraram para o Democratas, sendo eles Marcelo Bussiki (foto) e Gilberto Figueiredo, que...

MDB agora com 2 na Câmara-Cuiabá

juca do guaran� curtinha 400   O MDB do prefeito Emanuel Pinheiro, que não elegeu vereador em 2016 em Cuiabá, agora ganha duas vozes na Câmara. Tratam-se de Juca do Guaraná (foto), militante histórico do nanico Avante que resolveu migrar para a legenda emedebista, e do recém-empossado...

PT segue sem voz na Câmara-Cuiabá

bob pt 400 curtinha   O PT, presidido em Cuiabá por  Elisvaldo Almeida, o Bob (foto), está mesmo "queimado" e sem prestígio. Em meio ao troca-troca de partido entre os vereadores cuiabanos, aproveitando a janela de março, cujo prazo para mudanças para quem deseja se candidatar em outubro encerrou-se neste...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.