COPA DO PANTANAL

Sexta-Feira, 30 de Maio de 2014, 08h:20 | Atualizado: 30/05/2014, 09h:21

Copa do Mundo: qual o saldo?

ronei

Ronei de Lima

Enfim, a Copa do Mundo chegou ao Brasil. Nas ruas, começamos a ver os penduricalhos e bandeiras verde e amarelos. Na TV, começaram as propagandas que nos convidam a aderir à dita multidão dos torcedores emocionados em sediar este grande mundial esportivo. A alegria enfeitada pela mídia (que lucrará milhões com a Copa) contrasta com a realidade de um evento que será para poucos: quem for ao estádio, terá que desembolsar R$ 6 por uma água e R$ 8 por um saquinho de amendoim.

Poucos têm coragem de negar que a condução dos processos referentes à Copa do Mundo no Brasil é um exemplo do que não se deve fazer.  A começar pela exorbitância nos gastos, que dos previstos de R$ 2,5 bilhões, bancados em sua maioria pelo financiamento privado, chegaram a nada menos que R$ 9,1 bilhões, 94% vindos do dinheiro dos impostos dos brasileiros e de contratos com o BNDES.

Na área trabalhista, perdeu-se um momento importante de valorizar os trabalhadores brasileiros. Devido às necessidades dos jogos, tentou-se  discutir a flexibilização da jornada de trabalho, abrindo brecha para que o governo admita agora realizar mudanças nas regras trabalhistas que poderão permitir contratações com carga horária flexível, o chamado trabalho part-time, como foi informado recentemente pelo ministro chefe da Casa Civil, Gilberto de Carvalho.

Por outro lado, o governo fugiu a todo custo da discussão sobre a criação de um piso nacional único para os trabalhadores da construção civil, atitude que desfaria desigualdades  incompreensíveis: grandes construtoras que atuam em várias partes do país pagam valores diferenciados pelo mesmo tipo de serviço.

Os sindicatos e os movimentos sociais como um todo esperaram em vão pela abertura de um diálogo com governo e empresários, permitindo acompanhamento e garantia do cumprimento da legislação trabalhista nos canteiros de obras. Mesmo o Pacto pela Melhoria das Condições de Trabalho na Construção Civil, estrategicamente lançado pelo governo federal em meio a toda esta discussão, não mostrou resultados efetivos quanto à valorização, principalmente salarial, do trabalhador.

Aqui em Cuiabá, o movimento sindical só foi ouvido quando se quis seu apoio para aumentar a carga horária dos operários, extenuando suas forças na busca de atender a um calendário apertado pela ineficiência e incompetência na condução das obras. Mas nem a Justiça do Trabalho permitiu tanto. Porém, o pior saldo negativo foi a morte: nove operários perderam suas vidas para garantir a construção dos belos estádios da Copa. Para estas nove famílias, não vai ter Copa.

Recentemente, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) apresentou relatório onde conclui que as melhorias nas condições de trabalho contribuem para o crescimento econômico sustentável. Que critérios como a proteção social, visando a melhoria na qualidade de vida, são determinantes para o desenvolvimento geral dos países.

Para todos os trabalhadores e população em geral, fica a sensação de despreparo e descaso. Fica também a dúvida sobre o futuro destas obras, já que temos exemplos como o do Hospital Central de Cuiabá, cuja conclusão foi várias vezes prometida pelo governo, sem resultados concretos. Outro agravante é que teremos mudança na administração estadual com as eleições deste ano, o que nos deixa temerosos de que estas obras não sejam assumidas pelo próximo governador, como já é de praxe na política brasileira.

E onde estão as melhorias na infraestrutura das cidades-sede, tão propagadas como legado da Copa e que até o momento ou não foram concretizadas de fato, ou ainda estão em execução, sem data correta para finalização? Onde estão os investimentos em esgoto e asfalto, cadê a contribuição efetiva da Prefeitura Municipal na execução das melhorias que a cidade – trabalhadores e população em geral – merece? O que vimos foi um aumento absurdo no número de buracos, o que piora muito nos tempos de chuva. E o esgoto continua correndo a céu aberto nos bairros mais carentes, onde a população predominante é a de trabalhadores.

Fica a revolta pelas obras inacabadas e mal feitas, pelo superfaturamento, pelo excesso de liberdade dada à Fifa, pelas mortes, pelos atrasos, pela qualificação profissional prometida aos trabalhadores e não cumprida a contento. Pela vergonha que passaremos, como país, perante todo o mundo. Diante destes desmandos na condução do recurso público, são compreensíveis os protestos da população, que pede mais investimentos em áreas como saúde e educação, valorização salarial e respeito ao cidadão que trabalha. As pessoas não são contra a Copa do Mundo ou o futebol. Elas são à favor do respeito.

Ronei de Lima é presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Mato Grosso (FETIEMT) e vice-presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores em Mato Grosso (NCST-MT).

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Mteusm | Sábado, 31 de Maio de 2014, 06h42
    0
    0

    Pessoal só sabe fazer criticas e palanque pro taques e pro MM. Querendo ou não as obras estão ai, e se não tiver contente, não precisa usa-lás, você pode desviar pra esquerda ou pra direita sem precisar passar por cima o por dentro é o seu direito. Toda vês que você passar por ela vai lembrar-se do Silval Barbosa, pelo menos acontece comigo. Qual o prefeito que fez grandes obras, mas, grande mesmo em Cuiabá? Roberto França um viaduto da rodoviária, WS avenidas das Torres. Dante Oliveira Ponte Sergio Motta. O Dante foi muito criticado igualzinho ao Silval, por fazer a Sergio Motta, chamaram ele de MALA PRETA. A língua é o chicote da bunda, hoje você fala e amanhã você apanha dela mesma. Agradeço este site por proporcionar aos Internautas interatividade c/ pensamentos.

  • Dilemario Alencar | Sexta-Feira, 30 de Maio de 2014, 16h13
    0
    1

    Caro Ronei, muito bom artigo. Parabéns! Me associo a você neste pensamento sobre a realização da Copa em Mato Grosso e no Brasil.

MDB em clima de racha em Tangará

joao jose 400 curtinha   Em Tangará da Serra, o MDB enfrenta racha. O prefeito Fabio Junqueira, com apoio de filiados históricos, quer lançar à sucessão municipal o seu secretário de Infraestrutura e antigo gestor do Serviço de Água e Esgoto, Wesley Lopes Torres, sobrinho do ex-vereador Daniel...

Advogados disputam cadeira no TJ-MT

andre pozetti 400 curtinha   É extensa a lista de advogados que estão se movimentando, nos bastidores, para a cadeira vitalícia de desembargador do Tribunal de Justiça, sob indicação do Quinto Constitucional da OAB/MT. Caberá ao Colégio de Conselheiros da Ordem, composto por 33 advogados,...

Max insiste em ficar na 1ª Secretaria

max russi 400 curtinha   Max Russi (foto) ainda não desistiu de continuar na Primeira-Secretaria na próxima Mesa Diretora, mas, como possui menos apoio do que a emedebista Janaina Riva, deve mesmo ocupar outro posto, o de primeiro-vice-presidente. A eleição, que marcará a reeleição de Botelho na...

Deputados criticam membros da CCJ

elizeu nascimento 400 curtinha   Membros da CCJ da Assembleia, especialmente o presidente e o vice, respectivamente, Dilmar Dal Bosco e Sebastião Rezende, foram bastante criticados pelos colegas em sessão nesta quarta. Deputados como Thiago Silva, Wilson Santos e Elizeu Nascimento (foto) disseram que a Comissão, uma das mais...

Testemunhas pra protelar investigação

camila silva 400 curtinha   Os vereadores poconeanos Camila Silva (foto), do PP, e Ademir Zulli (PTB) usaram de uma estratégia jurídica para protelar, ao máximo, a conclusão dos trabalhos da recém-criada Comissão de Investigação e Processantes (CIP) para apurar denúncia de quebra de...

Luta de Misael e asfalto no Despraiado

misael galvao curtinha 400   O presidente da Câmara da Capital, Misael Galvão (foto), está comemorando uma vitória suada: a retomada das obras de pavimentação em toda extensão das ruas Afonso Pena e Oswaldo Correa, no bairro Despraiado. Ele fez várias indicações para...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você conhece alguém próximo que foi infectado pelo coronavírus?

sim

não

em dúvida

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.