Nacional

Quinta-Feira, 06 de Agosto de 2020, 11h:44 | Atualizado: 07/08/2020, 11h:29

Com pandemia, país perde 8,9 milhões de vagas em apenas um trimestre - veja dados

Pedro Teixeira

Pa�s perde 8,9 milh�es de vagas

Os profissionais informais foram mais atingidos pela pandemia. Dos 8,9 milhões que perderam o emprego no período, 6 milhões eram de informais

RIO — A pandemia de Covid-19 fez com que 8,9 milhões de empregos fossem perdidos no país durante o segundo trimestre deste ano, período mais crítico da doença, na comparação com os três primeiros meses do ano. Os dados são da Pnad Contínua, divulgada nesta quinta-feira pelo IBGE.

A queda é a maior na série histórica da pesquisa, iniciada em 2012. No primeiro trimestre, 92,2 milhões de brasileiros estavam ocupados, número reduzido drasticamente entre abril e junho. Hoje o país tem 83,3 milhões de ocupados.

— Além da queda ter sido muito grande, ela aconteceu num período muito curto. O impacto no mercado de trabalho foi muito grande — ressalta Adriana Beringuy, pesquisadora do IBGE.

Os dados indicam que todos os setores da economia foram impactados pela perda de emprego. O comércio foi o mais atingido, com mais de 2,1 milhões de pessoas perdendo vagas no mercado de trabalho no segundo trimestre.

Na construção, 1,1 milhão deixaram de trabalhar em obras e reparos. Outra queda considerável foi de serviços domésticos, com 1,3 milhão de pessoas demitidas no período.

Trabalho informal mais afetado

Segundo a pesquisa, os profissionais informais foram mais atingidos pela pandemia. Dos 8,9 milhões que perderam o emprego no período, 6 milhões eram de informais. Isso significa que de cada 3 trabalhadores que deixou a ocupação, 2 eram informais.

Segundo a pesquisa, 2,9 milhões de pessoas com carteira assinada perderam o emprego. Hoje o país tem o menor contingente de pessoas com carteira desde 2012, quando começou a série da Pnad Contínua.

— Essa queda na ocupação está bem disseminada por todas as formas de inserção, seja o trabalhador formalizado, seja o não formalizado — analisa Adriana.

Os efeitos ainda não são sentidos por completo na taxa de desemprego, de 13,3% para o periodo. Pela metodologia do IBGE, é considerado desempregado apenas quem efetivamente procura emprego e não acha. Apesar do impacto ainda subdimensionado, trata-se da maior taxa para segundo trimestre da série histórica.

Quem desiste ou suspende a busca no período coberto pela pesquisa, não entra na estatística. São mais de 12,8 milhões de desocupados nessas condições.

Economistas afirmam que a alta do desemprego deve ser uma tendência nas próximas semanas. Indicadores como a taxa de isolamento estão caindo a cada dia, enquanto dados de mobilidade urbana apresentam elevação.

À medida que o distanciamento social é flexibilizado, mais pessoas tendem a procurar emprego, mas não encontrarão pelo baixo dinamismo da economia. Com isso, o mercado de trabalho fica mais pressionado.

Outros fatores como a diminuição do medo de contágio e o fim do auxílio emergencial e do seguro-desemprego também podem acelerar a alta nos próximos meses.  Com a única fonte de renda de muitas famílias ficando escassa, a tendência é que mais pessoas saiam de casa na busca por uma vaga.

Atualmente, mais da metade da população em idade de trabalhar está sem ocupação. É a primeira vez que isso acontece.

Os números por trás do desemprego

12,8 milhões de desempregados

ão os brasileiros que buscaram uma vaga na semana da pesquisa do IBGE, mas não encontraram. O número ficou estável na comparação com o primeiro trimestre deste ano, muito por conta da pandemia. As pessoas desistiram de procurar emprego.

13,5 milhões na força potencial

São pessoas que não procuraram uma vaga, mas estavam disponíveis e gostariam de trabalhar e pessoas que procuraram uma vaga mas, por algum motivo qualquer (por exemplo, cuidar de um parente doente), não estavam disponíveis para trabalhar na semana da pesquisa do IBGE. Um total de 5,3 milhões passaram a integrar esse grupo na pandemia.

31,9 milhões de subutilizados

A conta considera os trabalhadores desempregados, subocupados e a força de trabalho potencial. Um total de 4,3 milhões de brasileiros entraram nesse grupo na comparação com primeiro trimestre deste ano.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Ex-vereador recua para apoiar primo

divino 400 barra do bugres   Ex-vereador, ex-presidente da Câmara e empresário bem sucedido, Chico Guarnieri (PTB) não será candidato a prefeito de Barra do Bugres nas eleições deste ano. Guarnieri, que disputou a prefeitura em 2016, até ensaiou, mas recuou ao ver que o primo, pedetista Doutor Divino...

3 ex-prefeitos viram cabos eleitorais

percival muniz 400 curtinha   Dois candidatos de oposição em Rondonópolis têm ex-prefeitos como principais cabos eleitorais. O empresário Luiz Fernando, o Luizão (Republicanos), conta com apoio de Adilton Sachetti, que já comandou o município e perdeu na tentativa de reeleição, e...

3 candidatos competitivos em Sinop

roberto dorner 400   Apesar da "inflação" de candidatos a prefeito de Sinop, com cinco no páreo, a disputa tende a se acirrar mesmo entre o empresário Roberto Dorner (foto), do Republicanos e apoiado pela prefeita Rosana Martinelli (PL), o ex-prefeito e deputado Juarez Costa, que atraiu 10 partidos para o palanque, e o...

Ex-prefeito no páreo em Alta Floresta

robson silva 400 curtinha   Alta Floresta, uma das cidades pólos do Nortão, tem sete candidatos a prefeito. Um deles é Robson Silva (foto), empresário, ex-prefeito entre 93 e 96 e que concorre pelo MDB, mesmo partido do prefeito Asiel Bezerra, que está encerrando o segundo mandato e se tornou um dos principais...

Vice sinopense quer retornar à Câmara

gilson de oliveira 400 curtinha   O vice-prefeito de Sinop e apresentador de TV, Gilson de Oliveira (foto), resolveu concorrer a vereador, cadeira já ocupada por ele por dois mandatos, o primeiro pelo PSDB, entre 2005 e 2008, e, depois, pelo PSD (2009/2012). Foi candidato a deputado estadual duas vezes (2006 e 2010) e, como suplente da...

Vice que morreu na praia em Tangará

renato gouveia 400 curtinha   Assim que percebeu que não seria escolhido pelo prefeito Fabio Junqueira (MDB) como o candidato governista na briga pela Prefeitura de Tangará da Serra, ainda em junho, o vice-prefeito Renato Gouveia (foto), do PV, correu para os braços do tucano Vander Masson. Levou com ele uma chapa de 21...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você acha que o efeito-Bolsonaro terá impacto no resultado das eleições de novembro em MT?

sim - onda Bolsonaro continua

não - efeito não influencia mais

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.