Nacional

Sexta-Feira, 13 de Setembro de 2019, 14h:01 | Atualizado: 13/09/2019, 14h:09

Exonerado, Cintra insiste: "nova CPMF é única alternativa para desonerar a folha"

José Paulo Lacerda

Marcos Cintra

Para Cintra, sem o imposto Guedes não terá como cumprir a promessa de desonerar a folha

Mesmo depois da saída do governo, o ex-secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, aposta que a contribuição sobre pagamentos, a nova CPMF, não será enterrada. Em entrevista ao Estado, Cintra poupa de críticas o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Afirma que se acumulou alguma “adversidade política” contra o seu nome pela força de suas convicções. Sem o novo imposto, diz Cintra, Guedes não tem como cumprir a promessa de desonerar a folha de pagamento das empresas. Leia abaixo a entrevista.

Com sua saída, a nova CPMF, o tributo sobre movimentação financeira, está morta e enterrada?

Eu acredito que ela não será enterrada, porque é a única alternativa viável de fazer a desoneração da folha (zerar ou reduzir a contribuição de 20% sobre os salários que as empresas pagam). Se há desejo de fazer a desoneração, vai ter que se voltar a esse tema de maneira modificada, atenuada e maneira mais gradativa. Esse tributo será renegociado. Uma contribuição como nós estávamos propondo é absolutamente essencial para abrir espaço fiscal para poder fazer a reforma de impostos no Brasil. Sem esse espaço, não vejo como desonerar R$ 200 bilhões ou até mais dependendo de onde se queira chegar na desoneração.

Para desoneração da folha completa quanto é preciso de arrecadação?

O ideal é desonerar a folha por completo. Precisaria de R$ 230 bilhões a R$ 250 bilhões. Um valor desse não tem onde sequer imaginar que outro tributo existente possa acomodar uma arrecadação adicional desse tamanho. Sem gerar isso, não há como gerar emprego e baratear o trabalho. É um tributo universal e com potencial de arrecadação muito grande.

O ministro Paulo Guedes era um defensor da volta da CPMF. Ele mudou de ideia?

Eu não sei. Isso você precisa perguntar para ele. Mas até o momento em que estive no governo o tempo inteiro era uma alternativa que estava sendo considerada e discutida com toda a análise que um tributo precisa sofrer. Esse tributo vai, sim, ter que continuar sendo considerado.

Ficou alguma mágoa do Paulo Guedes?

Não. Eu sou um profissional. Tenho 30 anos de janela do setor público e já passei por tudo que é cargo e função e sei que as coisas têm que ser levadas, sobretudo, pelas circunstâncias.

Por que esse imposto é diferente dos outros?

Imposto de Renda hoje já está em patamares elevados. Nós já temos alíquotas mais altas do que muitos países. E hoje existe uma tendência de redução de alíquotas do IR. Não tem mais espaço para sofrer uma nova tributação. Pelo contrário. Eu não vejo dentro dos tributos brasileiros, o PIS/Cofins e o ICMS e IR, não vejo como aumentar. Que outros tributos nós temos? Mais nenhum.

Por que o sr. saiu? Foi por causa da CPMF ou de mudanças na Receita?

Eu quero pergunta técnica. Esse negócio de fofoca interno de governo não constrói nada. Se acumulei alguma adversidade política contra o meu nome foi pela força das minhas convicções. Continuo torcendo muito pelo sucesso desse governo. O que mais me surpreende é que a desoneração de folha, que é, sobretudo, uma redução de impostos sobre o trabalho, tenha sido difamada e acusada de ser um novo imposto e aumento de carga sobre o contribuinte.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

De fora da disputa em Rondonópolis

percival muniz 400   O pecuarista Percival Muniz (foto), hoje "mergulhado" nas duas fazendas na região do Xingu, adianta que não será candidato a prefeito de Rondonópolis, posto já ocupado por ele por três vezes. Mesmo com recall junto à população de bom gestor e popular, ele é...

Conselheira e o faturamento familiar

jaqueline jacobsen curtinha 400   Está repercutindo muito mal para a conselheira substituta do TCE-MT Jaqueline Jacobsen (foto) a notícia publicada pelo site O Livre, nesta sexta, de que a sua irmã, advogada Camila Jacobsen, em sociedade com Eveline Guerra, filha da conselheira, são sócias da "Jacobsen &...

Selma vê maior conforto no Podemos

selma curtinha 400   No grupo de WhatsApp "PSL Mulher MT", Selma Arruda (foto) escreveu um texto de despedida do partido. Disse estar chateada "com tudo isso", mas que não perdeu a fé e que o Governo Bolsonaro vai dar certo. Afirma sair do PSL com "coração partido" e que continua com os mesmos ideais no Podemos, onde...

Podemos esperando Selma se salvar

alvarodias_curtinhas   Na busca para ampliar a bancada do Podemos no Senado, o senador Alvaro Dias, derrotado à presidência no ano passado, só correu atrás de Selma, no sentido de convencê-la a se filiar no partido, depois que foi informado que ela tem chances reais de derrubar no TSE a cassação por...

Fávaro e esperança em assumir vaga

carlosfavaro_curtinha   O representante do escritório de MT em Brasília Carlos Fávaro (PSD) está convicto de que a senadora Selma não só será cassada de vez pelo TSE nos próximos meses, como a decisão da Corte lhe permitirá assumir a vaga enquanto não for eleito um novo...

Maturidade e nova visão sobre o TCE

janaina_riva_curtinha   No segundo mandato e sentindo-se mais madura politicamente, apesar de ainda bem jovem – completou 30 anos em 21 de janeiro – a deputada Janaína Riva revela que pensa diferente sobre a indicação de políticos ao cargo de conselheiro do TCE. Ao autorizar os colegas a derrubar a...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Mauro Mendes?

excelente

bom

regular

ruim

péssimo

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.