Nacional

Sábado, 27 de Fevereiro de 2021, 09h:49 | Atualizado: 27/02/2021, 10h:01

Fiocruz espera entregar 30 milhões de doses em abril e ter "protagonismo"


Reuters via G1

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) iniciou conversas com o laboratório AstraZeneca em busca de alternativas para superar eventuais atrasos na produção de vacinas da Covid-19 com o próprio ingrediente farmacêutico ativo (IFA) e pode importar mais doses prontas ou insumos se necessário, disse nesta sexta-feira (26) o diretor de Bio-Manguinhos, Maurício Zuma.

Henrique Coelho/G1

Maur�cio Zuma da Fiocruz

O diretor do Bio-Manguinhos, da Fiocruz, afirmou que unidade começará a fazer vacina

Em entrevista à Reuters, Zuma, que dirige a unidade da Fiocruz produtora de imunobiológicos, disse que a fundação perseguirá a meta de produzir 110 milhões de vacinas com o próprio IFA no segundo semestre, mas a complexidade dos processos de produção e a validação regulatória podem impedir que o objetivo seja alcançado, o que demandará a busca por alternativas.

“Produzir aqui a vacina é todo um processo. Tem que validar os lotes de IFA, validar o registro de local de fabricação do IFA. Acreditamos que em meados do segundo semestre vamos ter vacina pronta, agora, se vamos conseguir liberar vai depender das questões regulatórias. O processo é complexo e não dá para afirmar na ponta do lápis. Sabemos que vamos ter percalços em um processo que se fazia em anos”, disse Zuma.

“Se a gente demorar um pouquinho mais para conseguir liberar as doses de vacina nacional podemos acertar com eles, (AstraZeneca), podemos trazer vacina. São várias abordagens possíveis. O problema é complexo e vamos adaptando de acordo com a situação", acrescentou.

O acordo firmado pela Fiocruz com a AstraZeneca prevê a transferência de tecnologia ao Brasil para a produção local de IFA. Tal acordo, no entanto, até agora não foi assinado devido à complexidade técnica, o que pode atrasar o cronograma de fabricação.

A Fiocruz já enfrenta um atraso para o envasamento de doses da vacina da AstraZeneca a partir do IFA importado. Originalmente, a entrega das primeiras doses ao Ministério da Saúde estava prevista para fevereiro, mas a demora na chegada do IFA adiou para meados de março.

Em contrapartida, a fundação viabilizou a importação da Índia de 12 milhões de doses prontas da vacina, das quais 4 milhões já foram repassadas ao ministério. No total, a Fiocruz prevê entregar mais de 210 milhões de doses para o Plano Nacional de Imunização.

Segundo Zuma, os equipamentos necessários para a produção do IFA já chegaram à Fiocruz, mas atualmente passam por um minucioso processo de qualificação e confecção de relatórios essenciais para a certificação técnico-operacional da área onde no futuro será produzido o insumo farmacêutico pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Se a gente demorar um pouquinho mais para conseguir liberar as doses de vacina nacional podemos acertar com eles, (AstraZeneca), podemos trazer vacina. São várias abordagens possíveis. O problema é complexo e vamos adaptando de acordo com a situação

Maurício Zuma

“Achamos que em abril ainda tenhamos a Anvisa aprovando a nossa área e a gente possa no mais tardar em maio produzir aqui. O processo é longo e vamos ver como vamos nos comportar” -

“Nossa abordagem é ter 110 milhões no segundo semestre, seja dando continuidade ao que fazemos agora seja para produzir a vacina pronta ou um mix das duas coisas... Estamos vendo a melhor estratégia para manter o compromisso com o Ministério da Saúde”, acrescentou.

O diretor de Bio-Manguinhos disse esperar que até a primeira quinzena de março seja concedido pela Anvisa o registro definitivo da vacina envasada pela Fiocruz. Até o momento, a agência reguladora aprovou apenas o uso emergencial da vacina importada pronta.

Segundo Zuma, dois lotes de pré-validação da vacina já foram produzidos, o equivalente a cerca de 500 mil doses. A nova etapa, que está em curso, a de validação, incluiu três lotes (totalizando 1 milhão de doses) onde são fixados critérios de qualidade, limites de perda, rejeição, e não-conformidade de frascos.

Com a entrega das primeiras remessas em março, a Fiocruz espera superar o processo de curva de aprendizado e acelerar a entrega de imunizantes.

“Acho que a partir de abril a gente começa um protagonismo no PNI. Vamos ter perto de 30 milhões de doses distribuídas em abril e depois mais de 20 milhões ao mês“ - Maurício Zuma, diretor de Bio-Manguinhos.

A vacinação no Brasil ainda não anda no ritmo esperado para enfrentar o vírus, que já matou mais de 250 mil pessoas no país. Até o momento, o Ministério da Saúde recebeu somente cerca de 16 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 para distribuir ao Estados, sendo cerca de 12 milhões da CoronaVac, enviadas pelo Instituto Butantan, e 4 milhões da AstraZeneca importadas prontas da Índia.

Só para vacinar os primeiros grupos prioritários --trabalhadores de saúde, idosos, indígenas e pessoas com morbidades-- são necessárias 104,2 milhões de doses de vacina, para um total de 49,6 milhões de pessoas (duas doses por pessoa, mais 5% de perda operacional), de acordo com o plano de vacinação do governo federal.

Variantes

Zuma afirmou também que a Fiocruz mantém conversas regulares com a AstraZeneca e a Universidade de Oxford sobre a variante brasileira do coronavírus e a eficácia da vacina contra ela e as demais variantes que têm despertado preocupação pelo mundo.

Segundo ele, muito provavelmente a atual vacina precisará passar por ajustes no futuro e, possivelmente, as pessoas terão que tomar um reforço de imunizante.

“Estamos trocando informações, materiais com eles. A vacina é investigada em princípio por lá (Oxford e AstraZeneca) em cima das variantes, mas ainda não tem nada muito definido”, disse.

“É normal e muito possível que a vacina terá que ser ajustada no futuro. Mas a vantagem dessa vacina é que você faz com relativa rapidez através do sequenciamento da mutação. Isso vai propiciar a atualização da vacina muito rápido, mas é preciso investigar mais profundamente”, disse.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Sicredi recua de comprar praça pública

enilson rios 400 prefeito araputanga   A diretoria do Sicredi nem esperou ser votado na Câmara Municipal o polêmico projeto sobre negociação de uma praça pública no centro de Araputanga para cancelar o negócio. A cooperativa havia "amarrado" entendimento com o prefeito Enilson de Araújo...

Sessão, voto e namoro com cantora

ulysses moraes 400   Na sessão virtual da Assembleia desta segunda, o deputado Ulysses Moraes (foto), do PSL, estava demorando para computar o voto na apreciação de um veto do governador. O presidente Max Russi (PSB), então, cobrou agilidade do colega e brincou, dizendo que agora ele só tem olhos para a Maraisa....

Misal é reeleito para o 10º mandato

misael galv�o 400 curtinha   Após dois anos fora do comando do Shopping Popular, período em que respondeu pela presidência da Câmara da Capital, o ex-vereador Misael Galvão (foto) voltou à direção do empreendimento, que abriga 500 lojas. E, sob forte...

Oscarlino, Pros e "nocaute" em Gisela

oscarlino 400   Na queda-de-braço dentro do Pros por espaço político, o ex-sindicalista Oscarlino Alves (foto) nocauteou a ex-superintendente do Procon-MT, Gisela Simona. Ele foi um dos filiados que não aceitaram apoio a Abílio na disputa de segundo turno para prefeito de Cuiabá, se aliou ao projeto de...

Promotor recebe medalha do Exército

Mauro Zaque curtinha   O promotor de Justiça Mauro Zaque (foto) foi condecorado com a medalha do Exército Brasileiro na manhã desta segunda (19), no dia da instituição. A solenidade é considerada a segunda maior do Exército Brasileiro, foi reservada por conta da pandemia e contou com a...

Sema reabre os parques em Cuiabá

mauren lazzaretti sema 400   Fechados desde 1º de abril, em obediência às regras de decreto municipal, que suspendiam as atividades coletivas, os parques estaduais urbanos de Cuiabá reabrem nesta segunda (19) para utilização pelo público. Será possível acessar as tradicionais trilhas...