Nacional

Domingo, 25 de Novembro de 2018, 12h:24 | Atualizado: 25/11/2018, 12h:31

Governo eleito de Roraima quer recurso federal para atender venezuelanos

Marcelo Camargo/Agência Brasil

governador eleito de Roraima Antonio Denarium

Governador eleito de Roraima, Antônio Denarium, e colegas em encontro com Bolsonaro

A solução para a migração de venezuelanos passa por mais investimentos federais em Roraima, por maior controle na entrada dos refugiados, por programas de acolhimento em outros estados brasileiros e de devolução dessas pessoas para o país de origem. A avaliação é do governador eleito de Roraima, Antônio Denarium (PSL), em entrevista à Agência Brasil.

Denarium disse que, mesmo antes de tomar posse, tratou da questão com o presidente eleito Jair Bolsonaro, com o governo do presidente Michel Temer e com parlamentares brasileiros e venezuelanos, representantes do Parlamento do Mercosul. Também abordou o assunto no encontro de governadores, uma vez que outros estados também recebem refugiados venezuelanos.

Para o governador eleito, a crise migratória é “muito séria” e está sobrecarregando os serviços públicos de Roraima, especialmente as redes de saúde, educação e segurança pública. “O governo federal tem de olhar de forma diferenciada a migração no estado de Roraima, trazendo mais recursos para atender a esse pessoal”, afirmou.

Devolução

Segundo Denarium, entram no Brasil, por Roraima, de 800 a 1.000 venezuelanos ao dia, e boa parte não tem formação adequada para conseguir emprego. “Roraima está vivendo um caos. É preciso ter consciência que, em um estado com 500 mil habitantes, não vão caber 32 milhões de venezuelanos. Então, esse problema da migração de venezuelanos não é só de Roraima. É um problema do Brasil”, afirmou.

O governador eleito defende que o governo brasileiro faça um plano de retorno dos venezuelanos, contratando empresas de ônibus para levá-los à Venezuela e pagando as despesas no trajeto. “Eu sou favorável a fazer um plano de ação para que o governo brasileiro possa auxiliar os que desejam voltar para a Venezuela”, afirmou.

Há levantamentos, segundo Denarium, indicando que cerca de 2 mil venezuelanos querem retornar para a comunidade de origem, mas não têm dinheiro para custear a viagem. “Os indígenas não têm a menor condição de serem inseridos no mercado de trabalho. Então, seria muito importante que o Brasil fizesse o trabalho de devolução para a Venezuela, onde eles têm as comunidades indígenas de onde vieram”, argumentou.

Controle

Bolsonaro manifestou-se ontem contrário à proposta do governador eleito de Roraima. Para o presidente eleito, os venezuelanos não são mercadorias para serem devolvidos. Ele defendeu um controle mais rígido na entrada dos venezuelanos no Brasil e a criação de campos de refugiados.

Para Denarium, é preciso endurecer o controle na fronteira de Roraima com a Venezuela e restringir o acesso de refugiados. Segundo ele, seria necessário cobrar cartão de vacinação e atestado de bons antecedentes, para evitar a entrada de doenças e de criminosos. “Como eles estão vindo como refugiados, não precisam apresentar documentos, simplesmente passam pela fronteira”, explicou.

Esse procedimento, disse Denarium,  traz para o país doenças sob controle, como sarampo e poliomielite, criminosos, drogas e armas ilegais. “Com a entrada dos venezuelanos, a maioria dos furtos e assassinatos aqui tem envolvimento de venezuelanos. Então a segurança pública também está comprometida, além de entrar no Brasil drogas, traficantes e armas, o que é um problema muito grave”, argumentou.

Bolsa

O governador eleito disse ter se reunido no Ministério dos Direitos Humanos e discutido a interiorização dos venezuelanos, que já vem ocorrendo. Estados como São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, além do Distrito Federal, têm recebido grupos de venezuelanos.

A proposta é aprimorar essa medida, pagando uma bolsa para as famílias que acolherem os venezuelanos. “A ideia é R$ 300 por mês, por venezuelano acolhido. Então, se uma família lá de Santa Catarina absorver uma família de venezuelanos, com quatro pessoas, receberia uma bolsa de R$ 1.200, por seis meses. Esse é o período ideal para introduzir os venezuelanos na sociedade local e no mercado de trabalho”, afirmou Denarium.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Voto a favor e agora contra Congresso

jose medeiros 400 curtinha   O pitbull do governo Bolsonaro, deputado José Medeiros (foto), está pegando carona num protesto, marcado para 15 de março, onde não deveria porque os seus atos não correspondem ao discurso. Medeiros foi um dos parlamentares que aprovaram o orçamento impositivo de R$ 30...

Pátio, "chororô" e chance de reeleição

ze do patio 400 curtinha   Em Rondonópolis, o prefeito Zé do Pátio (foto), com seu estilo populista, adotou a estratégia de se passar por vítima dos grupos políticos. Leva sempre a mensagem para as massas de que é um prefeito rejeitado pela elite política pelo simples fato de estar apoiando os...

Taques nem aí para colegas tucanos

pedro taques 400 curtinha   Caiu a ficha, enfim, da cúpula do PSDB em MT sobre o jogo de cena de Pedro Taques (foto). Os tucanos esperaram até ontem para ver se o ex-governador iria ao partido se pronunciar sobre eventual pretensão em disputar o Senado. Taques deu de ombros para os colegas de partido, que lançaram hoje,...

Campos e tese sobre vice de Emanuel

joacelestino_curtinha_400   Depois de uma reunião na segunda passada, na casa do prefeito Emanuel, com pré-candidatos ao Senado, entre eles, Leitão, Neri, Max, Júlio e Jayme, ficaram conversando de forma reservada o prefeito de Cuiabá e os irmãos Campos. Ali, finalizaram um acordo de cavalheiros para que o...

Recuo do DEM e agora no Republicano

gabriel guilherme 400 curtinha   O DEM terá de excluir da lista de pré-candidatos a vereador pela Capital o nome do jovem Gabriel Guilherme (foto), de 22 anos. Ele optou por se filiar ao Republicano. Lotado na Assembleia como assistente da Secretaria de Orçamento e Finanças e filho do ortopedista Paulo Fonseca...

Galvan vai deixar PDT e ir pra o PRTB

antonio galvan 400 curtinha   Embora não tenha perdido de vistas o Aliança pelo Brasil, partido que está sendo criado por Bolsonaro, Antonio Galvan (foto), presidente da Aprosoja e que acabou levado à frigideira dentro do PDT em meio ao embate por tentativa de candidatura ao Senado, se mostra disposto a ingressar no...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.