Nacional

Quinta-Feira, 23 de Maio de 2019, 18h:50 | Atualizado: 23/05/2019, 19h:07

Maioria do STF vota para que a homofobia seja crime de racismo e sessão é suspensa

Rosinei Coutinho

STF

Maioria do STF vota por enquadrar homofobia como crime e julgamento é suspenso

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta quinta (23), por maioria, pela criminalização da homofobia. Com 6 votos a 0, a sessão foi adiada pelo presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, para o próximo dia 5.

Em seu voto a favor da criminalização, a ministra Rosa Weber considerou que o conceito jurídico de racismo engloba a discriminação de gênero e a orientação sexual. Já o ministro Luiz Fux afirmou em seu discurso que o voto positivo significa que a Justiça está cumprindo com o seu compromisso de “proteger as minorias”.

 Até o fim da votação, a Corte declara a omissão do Congresso Nacional em aprovar a proposta para determinar que o crime de racismo seja enquadrado nos casos de agressões contra o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis) até que a norma seja aceita pela Corte.

Em 22 de fevereiro, o plenário do Supremo deu início à votação da criminalização. Na ocasião, os ministros Celso de Mello, Edson Fachin, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso votaram a favor da criminalização da homofobia pelo Judiciário, na forma do crime de racismo, diante da omissão do Congresso.

Ainda faltam os votos dos ministros Cármen Lúcia, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio, além do próprio Dias Toffoli.

Medicamentos

Toffoli decidiu ainda que a votação para impor restrições ao fornecimento de medicamentos de alto custo que não tenham registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) foi adiada para o próximo dia 13.

A avaliação inicial dos ministros é que a ausência de registro da Anvisa proíbe o fornecimento de medicamento de alto custo. No entanto, os magistrados entenderam que é possível, em caráter excepcional, justificar a concessão do remédio, desde que preenchidos certos pré-requisitos.

CCJ

Mesmo após a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado ter aprovado o projeto que criminaliza a prática do crime de homofobia com exceção de garantia da liberdade religiosa, o plenário do Supremo decidiu, por 9 a 2, dar continuidade ao julgamento nesta quinta. A Comissão aprovou por 20 votos a 1 o projeto, com exceção à liberdade religiosa.

Os ministros do Supremo entenderam que a “simples aprovação” pela Comissão não é suficiente para definição do assunto. Dos 11 magistrados presentes no pleito, somente Marco Aurélio Mello e Dias Toffoli votaram contra a continuidade da votação.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

TCE declara prefeita Lucimar à revelia

lucimar campos curtinhas   O conselheiro do TCE Guilherme Maluf declarou à revelia a prefeita Lucimar Campos (foto), de Várzea Grande, em um processo de tomada de conta especial que aponta danos ao erário. Foram feitos pagamentos indevidos à empresa contratada Selprom Tecnologia. A esposa do senador Jayme Campos deve...

Aumento virá se MT melhorar o Ideb

mauro mendes curtinha   O governador Mauro Mendes propõe aos profissionais da Educação, que estão em greve, conceder reajuste de 7,6%, mas se o Estado atingir duas metas. E uma delas dependerá da atuação em sala de aula dos próprios educadores. Esse aumento virá quando o Executivo...

Bezerra se empolga e lança Emanuel

bezerra_curtinha   O deputado federal Carlos Bezerra, eterno presidente do MDB, fez um comentário curioso nesta terça durante o lançamento da construção de um viaduto na avenida Beira Rio, na Capital. Ele disse que políticos como ele e Emanuel têm o perfil de falar mais do que fazer. Em seguida,...

Comitiva da Bolívia e debate sobre gás

O governo boliviano vai retribuir a visita feita pelo governador Mauro Mendes em maio. Há uma pré-agenda de uma comitiva para uma reunião nesta 5ª (27) em MT, quando será debatida a retomada do abastecimento de gás natural, vendido pela Bolívia, além do fornecimento de ureia. Rafael Reis, presidente do MT Gás, diz que ainda não pode dar detalhes, mas garante que as tratativas estão avançando. Mauro, nas...

Licitações serão gravadas em Tangará

rogerio silva curtinha   Mesmo o prefeito Fabinho Junqueira se manifestando contra, a Prefeitura de Tangará da Serra e suas autarquias e também a Câmara Municipal terão agora que gravar e transmitir em áudio e vídeo todas as sessões de licitações. O projeto partiu do vereador emedebista...

Pleno escolhe novo desembargador

carlos alberto 190 curtinha tj   Nesta 5ª (27) o Pleno do Tribunal de Justiça, sob Carlos Alberto Alves, define quem vai assumir a vaga deixada pela desembargadora aposentada Cleuci Terezinha Chagas, que deixou o Pleno em janeiro. Ao total, 24 magistrados, da primeira quinta parte dos mais antigos lotados na Entrância Especial,...

MAIS LIDAS

ENQUETE

Tramita na Câmara Federal o projeto 832/2019, do deputado José Medeiros, requentando uma proposta de 2007 do então deputado Jair Bolsonaro, propondo extinguir o Exame da Ordem como exigência para inscrição na OAB e, assim, poder exercer a profissão. O que você acha disso?

Concordo - esse Exame tem de acabar

Discordo - bacharel precisa, sim, se submeter ao Exame

Sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.