Nacional

Segunda-Feira, 30 de Novembro de 2020, 13h:47 | Atualizado: 30/11/2020, 13h:47

"Velho centro" e "nova esquerda" impõem duro golpe a presidente Bolsonaro e PT


Metrópoles

Reprodução

Urna

No segundo turno, resultado favoreceu partidos de centro e centro-direita. PT perdeu espaço na esquerda, e presidente Jair Bolsonaro virou coadjuvante

O resultado do segundo turno das eleições municipais deste ano, realizado nesse domingo (29/11), reforçou o bom desempenho eleitoral que partidos de centro e centro-direita, como MDB, PP e DEM, obtiveram nos Executivos municipais no primeiro turno. A rodada final de votação somou a essa vitória da “velha política” sobre a “antipolítica” avanço nas capitais e nas maiores cidades do interior.

O MDB garantiu cinco das 26 capitais, com vitórias importantes em Goiânia (GO), com a eleição de Maguito Vilela, e em Porto Alegre (RS), onde o deputado estadual Sebastião Melo desbancou Manuela D’Ávilla (PCdoB).

O DEM, partido dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (AP), foi vitorioso em quatro capitais, entre elas o Rio de Janeiro (RJ), com o ex-prefeito Eduardo Paes vencendo o candidato bolsonarista e atual prefeito da cidade, Marcelo Crivella (Republicanos), e Salvador (BA), onde o vice-prefeito de ACM Neto, Bruno Reis, tinha vencido ainda no primeiro turno.

Os tucanos (PSDB) também venceram em quatro capitais, com destaque para São Paulo (SP), maior reduto eleitoral do país. Aliado do governador do estado, João Doria (PSDB), o prefeito Bruno Covas se reelegeu com 59% dos votos válidos, deixando para trás Guilherme Boulos (PSol) – uma das estrelas da “nova esquerda” que tenta resistir ao avanço da direita.

“O segundo turno foi uma consolidação das vitórias do primeiro: uma guinada do eleitor brasileiro em direção ao centro e à centro-direita”, sintetiza o professor Ricardo Caldas, do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília (Unb), em conversa com o Metrópoles.

“Partidos mais antigos, como MDB e PSDB, perderam prefeituras em termos numéricos, mas essas siglas tiveram vitórias muito importantes nas capitais no segundo turno. Ou seja, perderam em quantidade, mas ganharam em qualidade. Já o DEM ganhou em quantidade e em qualidade”, completa.

Centro-esquerda
Merecem destaque também nestas eleições os partidos da chamada “esquerda moderada”, segundo Caldas, como o PDT e o PSB. As duas siglas conquistaram duas capitais cada – todas no Nordeste, principal reduto eleitoral do PT e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O PDT, de Ciro Gomes, saiu vitorioso em Aracaju (SE) e Fortaleza (CE), onde Sarto Nogueira derrotou o deputado federal Capitão Wagner (Pros), uma das apostas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) – que, como ocorreu na ampla maioria dos outros casos de apoiados pelo chefe do Executivo federal, não deu certo.

O PSB logrou êxito em Maceió (AL) e Recife (PE). Na capital pernambucana, João Campos venceu a também deputada federal Marília Arraes (PT), que é sua prima, com 56,2% dos votos válidos, em mais uma derrota do PT – que ficou sem nenhuma capital pela primeira vez desde a redemocratização.

“Essa eleição marca o fim da hegemonia petista. O PT sempre tratou outros partidos da esquerda como sócios menores. Agora, o voto da esquerda migrou para outras siglas, como PSol, PCdoB, PDT e PSB”, analisa o cientista político Márcio Coimbra, da faculdade Presbiteriana Mackenzie.

A avaliação é de que o presidente Jair Bolsonaro também saiu como um dos principais derrotados. Nesse segundo turno, Crivella, no Rio, esteve longe de se reeleger, e capitão Wagner não conseguiu vencer a hegemonia do PDT no Ceará, da família de Ciro Nogueira.

Ao todo, o atual chefe do Executivo federal pediu votos para 13 candidatos a prefeitos. Desses, apenas dois foram eleitos. O baixo desempenho se repetiu nos nomes lançados às câmaras de vereadores do país: de 46 postulantes formalmente apoiados por Bolsonaro, somente 10 conquistaram espaço nos legislativos municipais.

“A gente teve uma corrosão da política que ganhou destaque em 2018, com Bolsonaro, [Romeu] Zema (que virou governador de Minas Gerais) e [João] Doria (eleito governador de São Paulo), e a volta de políticos tradicionais, mas com um viés antiesquerdista. Ou seja, a direita está ganhando ainda”, diz João Feres Júnior, professor do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

A aposta Boulos
Em São Paulo, o candidato do PSol, Guilherme Boulos, apesar de derrotado nas urnas, ganhou imensa projeção com a campanha realizada. No primeiro turno, desbancou o ex-governador Márcio França (PSB) e o deputado federal Celso Russomanno (Republicanos) em uma das eleições mais disputadas da capital.

No segundo turno, obteve mais de 2,1 milhões de votos (40,6%) e se credencia como uma grande aposta da esquerda para as eleições de 2022. Ao lado de Luiza Erundina, a campanha do líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) ganhou adeptos em todo o Brasil.

Após ser derrotado, Boulos gravou um vídeo e o publicou em redes sociais. Ele agradeceu o resultado da campanha, parabenizou Bruno Covas e decretou ser o início de um novo ciclo no país. “O recado de mais de 40% da população de São Paulo é claro: dá para fazer política sem abrir mão dos nossos sonhos”, disse.

“O segundo turno não trouxe uma grande modificação. O bolsonarismo perdeu, e o PT perdeu ainda mais, porque tinha esperança de conquistar ao menos uma capital. Mas, surpreendentemente, quem sai muito melhor do que entrou é Guilherme Boulos”, aponta o cientista político Carlos Melo, professor do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper).

Para João Feres, o cenário político-econômico do país, marcado por uma profunda crise ocasionada pela pandemia do novo coronavírus, é favorável para o crescimento da esquerda. “Existe uma enorme incapacidade da direita em cuidar do problema distributivo”, complementa o especialista.

“Acho, inclusive, que Bolsonaro pode não chegar no segundo turno das eleições em 2020”, assinala Márcio Coimbra. “A gente vai viver um período econômico muito difícil. E a população rejeitou nessas eleições os candidatos ‘outsiders’, a nova política, a antipolítica, os aventureiros, aqueles que governam por narrativa”, afirma.

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • Chico Bento | Terça-Feira, 01 de Dezembro de 2020, 11h51
    1
    0

    O PT rodou de vez. 188 prefeitos de corrutelas que não somam nada em termos de votos recebidos. No Mato Grosso apenas um candidato do PT foi eleito prefeito. Na cidade de Castanheira com 3.158 votos. Nada representa.

  • Cuiabano | Terça-Feira, 01 de Dezembro de 2020, 10h47
    1
    0

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk morro de tanto rir essas mídias!!! Mas que diaxo o Presidente do país tem haver com essas eleições municipais? Parem meu povo de ficar colocando o Bolsonaro nas derrotas de alguns prefeitos e vereadores ele não está nenhum pouco preocupado com isso ele é autoridade maior do país e vc acha mesmo que ele está preocupado com eleições municipais meu povo???? Tem que raciocinar minha gente pq isto não interfere em nada em seu governo...abraços !!!

  • Raul | Terça-Feira, 01 de Dezembro de 2020, 10h21
    1
    0

    Nova esquerda? kkkkkk o PT perdeu geral pela primeira vez não elegeu um prefeito de capital. Os votos brancos, nulos e abstenção é maior que votos de eleitos em varias capitais, ou seja, o povo em sua maioria descontente com a velha politica. Faltou nomes bons por isso muita gente anulou o voto.

  • naldo | Segunda-Feira, 30 de Novembro de 2020, 20h43
    0
    2

    Os números do PT: 188 prefeitos, 336 vice-prefeitos e 1045 vereadores. O PT perdeu um pouco de sua força, mas continua forte. Está a frente de muitos partidos, especialmente daqueles da extrema direita. Por tudo isso, o grande perdedor nestas eleições foi o Bolsonaro.

Para presidente, BRT é ultrapassado

juca 400 curtinha   Numa sintonia política com o prefeito Emanuel, o novo presidente da Câmara de Cuiabá, vereador Juca do Guaraná (foto), disse ser contra a decisão do governo estadual de "enterrar" o projeto do VLT, cujas obras estão paralisadas desde 2014, para implantar o modal BRT na Região...

Prefeito vai homenagear 2 ex-aliados

ze do patio 400 curtinha   O ex-vereador, ex-deputado estadual e hoje prefeito de Rondonópolis, Zé do Pátio (foto), que está no terceiro mandato, vai homenagear dois aliados que faleceram recentemente, sendo eles o ex-vereador de três mandatos Juary Miranda, que foi líder do Executivo na Câmara...

Maluf deve consultar STF sobre Teis

guilherme maluf 400 curtinha   Assim que retornar de férias, o presidente do Tribunal de Contas do Estado, Guilherme Maluf (foto), dará prosseguimento à análise do pedido de aposentadoria de Waldir Teis, que está afastado do Pleno há três anos e cinco meses, assim como outros três conselheiros...

Novo líder de Pátio na Câmara de ROO

reginaldo santos 400 curtinha   Reginaldo dos Santos (foto), que assume vaga na Câmara de Rondonópolis pela quarta vez, é o novo líder do prefeito Zé do Pátio, com a missão de fazer o trabalho de articulação e defesa do Executivo junto aos colegas do Legislativo. Na legislatura passada,...

Agro sugere Daniella de volta no Indea

daniella bueno 400 indea   Representantes do setor produtivo e um grupo de servidores sugeriram ao governador Mauro o nome da médica-veterinária e servidora de carreira Daniella Bueno (foto) para reassumir a presidência do Indea-MT. Aproveitaram a vulnerabilidade no cargo do presidente Marcos Catão Dornelas, denunciado...

Aumento para vereador só em 2022

Alguns vereadores em Cuiabá, tanto novatos quanto aqueles reeleitos, ficaram surpresos quando informados pela Mesa Diretora de que o aumento salarial de R$ 15,1 mil para R$ 18,9 mil, aprovado agora no final de dezembro, só começa a valer a partir de janeiro de 2022. Não entra em vigor de imediato, mesmo se tratando de nova legislatura, por causa da pandemia, que levou o governo federal a estabelecer, em lei, veto a qualquer tipo de reajuste para servidores até...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT optou pela implantação do BRT em Cuiabá-VG em detrimento do VLT. O que você acha disso?

Estou de acordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.