Presença indígena Xavante em Barra

aguida.jpg

Águeda Borges

Recentemente defendi uma tese de doutorado intitulada: "Da Aldeia para a Cidade: Processos de Identificação/Subjetivação do Indígena na Cidade de Barra do Garças - MT", no Instituto de Estudos de Linguagem, da Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP-SP. A pesquisa se desencadeou dos estudos desenvolvidos no projeto “Arte, discurso e prática pedagógica”, CNPq, desde 2003, sobre presença/frequência indígena Xavante no espaço na cidade de Barra do Garças.

A presença frequente de indígenas no espaço urbano foi objeto exemplar de alocação de sentidos da discursividade que faz funcionar a contradição constitutiva, que a cidade funda, materializando o modo de ocupação negada, ou seja, por mais que essa presença seja real, o que se diz sobre ela, em geral, é no sentido de que ela não deveria existir.

Assim, no batimento conformado no processo discursivo, que é o procedimento metodológico exigido pela Análise de Discurso de base materialista, na qual me fundamentei, busquei compreender como se subjetiva esse sujeito que está e frequenta a cidade, mas que no discurso deveria permanecer na aldeia, voltar a ser o que era ou, até mesmo, morrer.

Tratar essa questão discursivamente é dar visibilidade para a produção da ilusão de objetividade e evidência de uma realidade, de um referente, como se um sentido já estivesse lá: como se o lugar ocupado pelos indígenas nas ruas, calçadas de Barra do Garças, significassem, a priori.

Os materiais heterogêneos que compõem o “corpus” da pesquisa mostram a dificuldade que o discurso do urbano tem em lidar com aquele que ocupa o espaço planejado para outra finalidade, não enxergando a rua como um lugar de transbordamento do social, que reflete e faz funcionar a ordem própria da cidade. Esse é mais um modo de disfarçar os sentidos que produzem e reafirmam a explosão do social no espaço urbano.

Constatei que esse lugar os interpela a subjetivar-se, a significar-se e produzir sentidos; mesmo pertencendo à unidade positiva do direito (todos são iguais perante a lei), o sujeito, quando colocado em relação a ela, identifica-se com o que está fora dela, como aquele que pertence/não pertence ou é um problema, uma questão a ser resolvido(a).

Analisamos, por exemplo, que o preconceito não atinge a memória indígena e que mesmo interpelados pela formação social capitalista, os Xavante concorrem com a formação social indígena, se inscrevendo entre uma e outra formação discursiva no terreno movediço do ir e vir da aldeia para a cidade.

Barra do Garças, embora incorpore, por exemplo, o desenho escrito do nome Xavante impresso em diversos lugares, enxerga o indígena como um fora do lugar, um corpo que não cabe na cidade, e, paradoxalmente materializa uma espécie de naturalização acerca dessa presença/frequência na constituição urbana.

Enquanto sujeito, discursivamente, o Xavante é negado, é alvo de preconceito, “não chega a ser brasileiro”, “não devia estar na cidade”, é coisificado como objeto que “suja, enfeia, entulha o espaço urbano” por um lado, por outro se inscrevem, nesse mesmo espaço, imagens (montagens) estereotipadas, como algumas encontradas no Facebook do Portal do Araguaia emergindo outros lugares de enunciação, como o do empreendimento, o do turismo ecológico. Defendo que a relação do discurso verbal e imagético se dá por composição. Essa noção considera que cada uma das materialidades possui regiões de opacidade discursiva próprias da sua natureza e que impossibilitam o uso da noção de complementaridade, isto quer dizer que a imagem não tem a função de apenas ilustrar. Ela compõe os significados. Assim, no enredo discursivo que costura o processo de identificação do indígena Xavante desenhado/exposto/foto-montado que dá vistas no espaço urbano a um discurso de que ao artista tudo é lícito, penso que ao analista do discurso, também, quando esse se utiliza de um dispositivo teórico para interpretar. Sob o meu olhar, o sujeito indígena materializado pelo desenho da nomeação, pela disposição/exposição de imagens diversas, ainda que negado na presença física real, funda uma cidade Xavante.

Ademais, os Xavante se subjetivam ao tornar pública a sua presença, eles dizem: “os Xavante mudaram, hoje precisa mostrar que a cultura, a língua não morreu”, esse é, sob o meu parecer, um gesto de apropriação do espaço da cidade, que também é o “seu” espaço, é um modo de se dizer diferente, porém, pertencente. Essa presença modificada em relação ao imaginário e afetada pelo modelo da sociedade capitalista, pelo consumo, pelo dinheiro produz discursos conflituosos. É possível afirmar que primeiro foram colonizados pela religião, pela catequese, pela língua, cultura e agora a colonização é pelo capital. Não são reféns de um Deus, mas reféns do homem, do dinheiro.

Ao final da pesquisa espero que os fenômenos marcados discursivamente possam servir para o debate em torno do papel das instituições superiores sobre a responsabilidade na elaboração, por exemplo, de políticas educacionais que contemplem o caráter contraditório do sujeito, que, marcado pela incompletude, anseia pelo desejo de ser inteiro, uno.

Águeda Aparecida da Cruz Borges é professora do curso de Letras do ICHS/Campus Universitário do Araguaia/UFMT, em Barra do Garças-MT, de Língua Portuguesa (2ª Língua) para alguns povos indígenas, como Munduruku, Guarani Kaiowá, Tapirapé, doutora em Linguística pelo IEL/ UNICAMP, líder do Grupo de Pesquisa: “Arte, Discurso e Prática Pedagógica”, (ADP) – CNPq, e pesquisadora do Grupo: “Mulheres em Discurso”, UNICAMP/CNPq - e-mail: guidabcruz@hotmail.com

Ex-tucano histórico agora reforça PSB

aparecido alves curtinha   O ex-deputado por alguns meses e ex-presidente do Intermat na época do Governo Dante, Aparecido Alves, o Cido (foto), se filiou neste sábado ao PSB, um mês depois de ter deixado os quadros do PSDB, do qual era considerado militante histórico, inclusive desde a década de 1990. Sua ficha...

França vira Plano B do PSB a prefeito

roberto franca curtinhas   O PSB, comandado no Estado pelo deputado Max Russi, tinha esperanças de lançar a prefeito de Cuiabá o hoje presidente da Câmara Municipal, vereador Misael Galvão. Mas frustrou-se. O próprio Misael, governista de carteirinha e já comprometido com o projeto de...

MM cancela visita para evitar grevistas

mauro mendes curtinha   Precavido, Mauro Mendes cancelou de última hora a presença no encontro do PSB neste sábado, no Hotel Fazenda Mato Grosso, em Cuiabá. É que em um outro auditório, mas dentro do mesmo hotel, acontecia, em paralelo, o encontro estadual do PT e com participação de...

TCE livra delator de pagar R$ 412 mil

junior mendon�a curtinha   O delator premiado e encrencado com a Justiça em vários processos Gércio Marcelino Mendonça Júnior, o Júnior Mendonça (foto), da Comercial Amazônia Petróleo, conseguiu perdão do TCE de R$ 412,5 mil, bem como de uma multa proporcional...

Advogado disputa uma vaga no CARF

Thiago Dayan   O advogado mato-grossense Thiago Dayan disputa uma vaga no CARF, órgão federal ligado ao ministério da Economia. Mato Grosso não possui nenhum representante no CARF. Trata-se do mais alto cargo vinculado à atividade tributária administrativa que um advogado pode chegar. Do escritório...

Riva recebe alta após 10 dias em SP

jose riva curtinha   Depois de 10 dias internado no Sírio Libanês, em São Paulo, o ex-deputado José Riva recebeu alta nesta quinta. Retorna a Cuiabá e terá de ficar 20 dias de repouso devido à pressão e adaptação ao medicamento. Acometido de uma hemorragia subaracnoide, Riva, aos...

MAIS LIDAS

ENQUETE

Tramita na Câmara Federal o projeto 832/2019, do deputado José Medeiros, requentando uma proposta de 2007 do então deputado Jair Bolsonaro, propondo extinguir o Exame da Ordem como exigência para inscrição na OAB e, assim, poder exercer a profissão. O que você acha disso?

Concordo - esse Exame tem de acabar

Discordo - bacharel precisa, sim, se submeter ao Exame

Sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.