Órgãos

Segunda-Feira, 14 de Outubro de 2019, 09h:52 | Atualizado: 14/10/2019, 19h:03

Efeito-alerta

MPE minimiza "estouro" de gastos com pessoal e joga a culpa na crise econômica

O procurador-geral de Justiça José Antônio Borges garante que o Ministério Público do Estado não incorreu em nenhuma ilegalidade pelo fato dos gastos da instituição com pessoal terem atingido 1,91% da Receita Corrente Líquida do Estado, uma vez que o limite imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é de 2%. Frisa que os gastos ultrapassaram em apenas 0,1% o chamado “limite prudencial”, que corresponde a 95% do limite de 2% da Receita Corrente Líquida do Estado, estabelecido pela LRF. A folha de agosto do órgão foi de R$ 22,2 milhões.

Rodinei Crescêncio

Ato contra Lei de Abuso de Autoridade

Procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges, afirma que sua gestão tem se pautado pela austeridade nos gastos

O posicionamento acontece após o Tribunal de Contas emitir um novo alerta sobre os gastos excessivos com pagamentos de salários por parte do órgão de fiscalização.

Ao notificar o chefe do MPE, o conselheiro interino Luiz Henrique ressalta que o primeiro alerta foi feito no 1º quadrimestre, mas a "PGJ aumentou seus gastos com pessoal e não adotou providências de ajuste da despesa total com pessoal no 2° quadrimestre". À época já havia chegado ao índice de 90%.

O procurador-geral, por sua vez, argumenta que o crescimento do referido percentual de despesa deu-se por fatores alheios à Administração do MPMT, que “tem se pautado pela austeridade nos gastos e otimização dos recursos”. Ele assegura ainda  que crise econômica que atinge o país e Mato Grosso impactou negativamente na arrecadação estadual no exercício financeiro de 2019, que não registrou o crescimento esperado e, por conseguinte, refletiu numa redução do duodécimo constitucional destinado ao Ministério Público, que é de 2% da Receita Corrente Líquida estadual.

“Do ponto de vista contábil, o crescimento das despesas com pessoal dos órgãos do Sistema de Justiça foi influenciado pela aprovação pelo Congresso Nacional, em dezembro de 2018, portanto após a elaboração das Lei Orçamentária Anual (LOA), de um reajuste de 16,38% aos membros do Sistema de Justiça, em substituição à extinção de verbas indenizatórias, que eram contabilizadas como despesas de custeio”, sustenta.

O chefe do MPE afirma também que o MPE não promoveu aumento de gastos com servidores, mas, ao contrário, realizou uma reforma administrativa que reduziu cargos de maior remuneração, “transformando-os em cargos de remuneração menor, de forma a atender as necessidades das Promotorias de Justiça mais carentes de mão de obra, principalmente do interior, melhorando a qualidade dos serviços prestados à população”.

Embora o MPE diga que não tomou nenhuma medida que tenha tido impacto sobre a folha, o órgão fiscalizador, ao contrário do Executivo, concedeu a revisão geral anual aos servidores, fixada em 3,49%. O impacto mensal da recomposição é de R$ 650 mil. Entre ativos e inativos o MPE tem 1.006 servidores que receberam a RGA.

Além disso, com o aval da Assembleia, procurador-geral de Justiça aumentou em 30% o valor do subsídio dos servidores em cargos de chefia. Com a alteração, também foi elevado o subsídio do diretor-geral do órgão, que passou a ganhar R$ 21,5 mil, valor que passou a ser referência aos demais cargos comissionados na instituição. (Com Assessoria)

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Gerusa | Terça-Feira, 15 de Outubro de 2019, 11h03
    1
    0

    Absurdo, depois não querem ser desacreditados como estão. Todo mundo se sacrificando e eles querendo mais e mais.

  • servidor | Terça-Feira, 15 de Outubro de 2019, 06h39
    1
    0

    Para p MP que dizem ser os paladinos da justiça tudo pode...piada isso

  • alexandre | Segunda-Feira, 14 de Outubro de 2019, 13h57
    9
    0

    ou seja aumento de 30%, não é aumento ?

Matéria(s) relacionada(s):

Políticos em peso em evento do HMC

A solenidade que marcou a entrega do HMC em Cuiabá, nesta segunda (19), está sendo considerada o evento do ano para o prefeito Emanuel. Ele conseguiu motivar a presença de diversas lideranças políticas, empresariais e de diferentes setores. Para se ter uma ideia, dos 11 membros da bancada federal, 8 estavam presentes, assim como 16 dos 24 deputados estaduais e 17 dos 25 vereadores. Também marcaram presença dezenas de prefeitos e outros...

Base na Câmara e apoio de Iva Viana

leonardo 400 curtinha   Leonardo Bortolin (foto), que comanda Primavera do Leste e um dos vários prefeitos que prestigiaram a solenidade de entrega 100% do HMC, nesta segunda à noite, em Cuiabá, revelou contar com uma base forte e sólida na Câmara Municipal, o que tem sido importante na aprovação dos...

Ato de EP atrai 6 últimos governadores

emanuel pinheiro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro (foto), habilidoso nas articulações políticas, conseguiu levar para o mesmo evento, marcando a entrega 100% do Hospital Municipal de Cuiabá, nesta segunda à noite, cinco ex-governadores e ainda o atual. Prestigiaram a solenidade Júlio Campos, Carlos Bezerra,...

Governador tenta constranger prefeito

mauro mendes 400 curtinha   Mauro Mendes (foto) tentou constranger o prefeito Emanuel, nesta segunda, na festa da entrega para funcionamento pleno do Hospital Municipal de Cuiabá. Na presença de diversas autoridades, inclusive dos últimos cinco governadores, com exceção de Silval, o atual chefe do Executivo, em...

3 vereadores cuiabanos no Cidadania

diego guimaraes 400 curtinha   O Cidadania, hoje sem voz na Câmara de Cuiabá, poderá ter três vereadores a partir de março de 2020, com abertura da janela. Na dança das cadeiras, Felipe Wellaton sairá do PV para aderir ao Cidadania, que já é presidido em Cuiabá pelo seu chefe de...

6 na Câmara tentam barrar projetos

francis maris 400 curtinha   O prefeito cacerense Francis Maris (foto) luta junto aos vereadores, para, enfim, concretizar todas as etapas de um financiamento milionário para projetos na área de saneamento. São R$ 130 milhões para abastecimento de água e cobertura de rede de esgoto, com juros de 6% ao ano e 20...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.