Órgãos

Sexta-Feira, 08 de Fevereiro de 2019, 12h:36 | Atualizado: 09/02/2019, 12h:11

PATRIMÔNIO

Receita Federal apura suposta corrupção; Gilmar nega e pede providências ao STF

Reprodução

gilmar mendes

Ministro Gilmar Mendes é alvo de auditores fiscais por supostos focos de corrupção

Após auditores fiscais abrirem investigação contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, e a esposa dele, Guiomar Mendes, para identificar supostos focos de corrupção, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio ou tráfico de influência, como revelado pela Coluna Radar, da Veja, nesta sexta (8), o ministro enviou ofício ao presidente do Supremo, Dias Toffoli, pedindo “providências urgentes” para apurar a iniciativa da Receita Federal.

Segundo informações da coluna da jornalista Mônica Bérgamo, na Folha de São Paulo, o ministro mato-grossense alega que não há “nenhum fato concreto” no procedimento da Receita Federal.

Por outro lado, os agentes afirmam, de forma genérica, que o “tráfico de influência normalmente se dá pelo julgamento de ações advocatícias de escritórios ligados ao contribuinte (Gilmar Mendes) ou seus parentes, onde o próprio magistrado ou um de seus pares facilita o julgamento”, expõe a Folha de S. Paulo.

Mendes rebate, no ofício, que os auditores da Receita fizeram ilações desprovidas de qualquer substrato fático, não apenas a ele, mas também em relação a todo o Poder Judiciário.

O ministro também informou a Toffoli que não recebeu nenhuma intimação referente ao procedimento fiscal e que não teve acesso ao teor do processo na Receita.

Gilmar Mendes ainda alega que os documentos vazados à imprensa deixariam claro que a investigação na Receita tem caráter criminal e que aparentemente isso “transborda o rol de atribuições dos servidores inominados”.

“O que causa enorme estranhamento e merece pronto repúdio é o abuso de poder por agentes públicos para fins escusos, concretizado por meio de uma estratégia deliberada de ataque reputacional a alvos pré-determinados”, declarou o ministro no ofício enviado a Toffoli.

Postar um novo comentário

Comentários (7)

  • João da Costa | Segunda-Feira, 11 de Fevereiro de 2019, 11h06
    0
    0

    Conforme seu próprio voto sobre a matéria, o ministro diz que nenhum cidadão está imune as diligências dos auditores da RFB portanto, ele não deveria estar surpreso.

  • GILMAR DE PAULA | Sábado, 09 de Fevereiro de 2019, 21h34
    3
    3

    Uéééééééééé´! Eu já estava começando a acreditar que só o Flávio Bolsonaro tinha feito "esquemas" envolvendo bens imóveis. A quem possa interessar: verifique a declaração dos bens imóveis declarados pelos políticos e vejam os valores.

  • Paulo | Sábado, 09 de Fevereiro de 2019, 21h08
    5
    0

    Gilmar Mendes tá com medo do que sera? os outro pode ser investigado ne

  • joaoderondonopolis | Sábado, 09 de Fevereiro de 2019, 18h08
    3
    0

    Qualquer cidadão pode ser investigado pela Receita Federal. Gilmar deve ter caído na "malha fina" não precisa de desespero se não deve nada.

  • NOE MONTEIRO DE BARROS | Sábado, 09 de Fevereiro de 2019, 15h11
    0
    0

    NOE MONTEIRO DE BARROS, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Brasileiro | Sábado, 09 de Fevereiro de 2019, 12h20
    5
    0

    EU SUGIRO QUEBRSR SIGILO E INVESTIGAR TODOS OS MINISTROS SEM EXCECAO. PORQUE SAO TODOS HONESTOS E NEMHUM TEM ESCRITORIO DE ADVOCACIA. ENTSO TUDO CERTO E TRANSPARENTE UAI

  • João Moessa de Lima | Sexta-Feira, 08 de Fevereiro de 2019, 17h08
    10
    3

    Ministro Gilmar Mendes se não deves nada deixa investigarem VOSSA EXCELÊNCIA, pois com a investigação concretizada e nada confirmado fica mais fácil mostrar que os auditores não teriam razão alguma para investigá-lo aí ponha-os na cadeia, fica mais fácil e mais claro.

Matéria(s) relacionada(s):

Vereadores de Acorizal agora com VI

A Câmara Municipal de Acorizal resolveu seguir as demais e instituir verba indenizatória não apenas para os seus nove vereadores. Incluiu também no benefício financeiro ocupantes de diversos cargos. Agora, além do salário, cada parlamentar terá direito a R$ 1,5 mil mensal. E quem ocupa a presidência da Mesa receberá R$ 2 mil. Os vereadores alegam que essa verba tem caráter ressarcitório do exercício da...

Prefeito "estoura" limite da lei fiscal

asiel alt floresta   O prefeito de Alta Floresta, Asiel Bezerra (foto), do MDB, recebeu alerta do conselheiro Guilherme Maluf sobre descontrole dos gastos, principalmente com a folha de pessoal. Debruçada nos relatórios, a Secretaria de Controle Externo de Receitas de Governo do TCE constatou que as despesas com pessoal atingiram...

Trâmites para alugar carros à Câmara

misael galvao curtinha   Diferente dos antecessores, que omitiam informações, principalmente em relação a medidas consideradas impopulares, o presidente da Câmara de Cuiabá Misael Galvão (foto), numa demonstração de transparência e de coragem para enfrentar críticas,...

Silval é chamado de ladrão no Fórum

silval_curtinha   O ex-governador Silval Barbosa, que hoje ganhou o direito ao regime semiaberto, foi hostilizado por populares no Fórum de Cuiabá. Um homem, que estava no corredor, que dá acesso às salas onde acontecem às audiências, gritou: “Silval, ladrão”. Jornalistas chegaram a...

Jayme é simpático à reeleição de EP

jayme campos curtinha   Jayme Campos (foto) vai comprar briga interna no DEM em defesa da reeleição do prefeito Emanuel Pinheiro. Mas o núcleo ligado ao governador Mauro Mendes não é muito simpático a essa ideia. Numa reunião recente, com participação de Mauro Carvalho,...

Busca de brecha para demitir efetivos

A briga do governador Mauro Mendes com servidores, especialmente da Educação, que cruzam os braços na próxima segunda, tende não só se acirrar, como trazer consequências quase inimagináveis. O Executivo já anunciou que vai exugar 20% dos cargos comissionados e que, se necessário, pode demitir até efetivos, o que hoje seria impossível por causa de leis que asseguram estabilidade no serviço público....

ENQUETE

Tramita na Câmara Federal o projeto 832/2019, do deputado José Medeiros, requentando uma proposta de 2007 do então deputado Jair Bolsonaro, propondo extinguir o Exame da Ordem como exigência para inscrição na OAB e, assim, poder exercer a profissão. O que você acha disso?

Concordo - esse Exame tem de acabar

Discordo - bacharel precisa, sim, se submeter ao Exame

Sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.