Polícia

Quarta-Feira, 26 de Junho de 2019, 17h:45 | Atualizado: 27/06/2019, 07h:50

DEPOIMENTO NA GCCO

Coronéis negam que PMs presos estavam a serviço na entrada de celulares na PCE

Divulgação

celulares apreendidos

Os 85 celulares, cabos e fones apreendidos dentro de freezer apreendido na portaria da PCE, em Cuiabá, neste mês

Coronéis da Polícia Militar negaram, em depoimento à Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), que os PMs presos na Operação Assepsia estivessem a serviço da corporação quando teriam auxiliado a entrada de celulares na Penitenciária Central do Estado (PCE).

O subtenente Ricardo de Souza Carvalhaes e o cabo Denizel Moreira, ambos da Rotam, e o tenente Cleber de Souza Ferreira, lotado no Terceiro Batalhão, foram presos no dia 18, durante a deflagração da Assepsia.

Além deles, também são acusados de facilitar a entrada de celulares na unidade prisional, e estão na cadeia, o diretor da PCE, Revétrio Francisco da Costa, e o subdiretor, Reginaldo Alves dos Santos. Juntos, os cinco alvos da operação teriam organizado a entrada de um freezer com diversos celulares na penitenciária.

Logo após as prisões dos três militares, a Associação dos Oficiais da Polícia e Bombeiro Militar de Mato Grosso (Assof/MT) afirmou que eles estavam realizando um trabalho de inteligência e foram pegos por engano. Os próprios militares também disseram que estavam a serviço quando os celulares entraram na unidade prisional e, por isso, pediram que o caso fosse encaminhado para a Vara Militar.

Porém, em depoimento à GCCO, a tarde de terça (25) e quarta (26), os coronéis responsáveis pelos setores em que os três militares presos atuam afirmaram desconhecer que os alvos da Assepsia estivessem a serviço da corporação quando facilitaram a entrada do freezer.

Os convocados para prestar depoimento sobre os presos foram os tenentes-coronéis Fernando Augustinho de Oliveira Galindo, do Terceiro Batalhão da Polícia Militar; Cleverson Leite de Almeida, da Rotam, e José Reinaldo Parreira, da Agência Regional de Inteligência da PM.

Eles asseguraram que a entrada dos aparelhos na PCE não fazia parte de nenhum procedimento da PM e disseram desconhecer qualquer relação do fato com algum procedimento da Polícia Militar.

Os depoimentos foram anexados ao inquérito sobre o caso, que será concluído pela GCCO nesta quinta (25). Depois, as apurações serão levadas ao Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco).

A alegação de que o caso deveria deixar a Sétima Vara Criminal de Cuiabá para seguir para a Vara Militar perdeu forças após as declarações dos coronéis, informou uma fonte da reportagem. Isso porque o caso somente pode mudar de Vara se ficar comprovado que os militares estavam a serviço.

O pedido de mudança na tramitação do processo ainda deverá ser avaliado pela Justiça.

Em depoimento à GCCO, na manhã de terça (25), os três militares haviam permanecido em silêncio.

Diretores da PCE culpam militares

Em depoimento à GCCO, na tarde de segunda (24), O diretor e o subdiretor da PCE negaram que tenham facilitado a entrada de celulares na unidade. Eles disseram que foram enganados pelos três militares presos, que teriam pedido a entrada do freezer no presídio sem informar o conteúdo que estava dentro do aparelho.

Segundo os depoimentos, os militares argumentaram que o eletrodoméstico seria um agrado a Petróleo, para conseguir informações para futuras apreensões. Ainda conforme os depoimentos de Revétrio e Reginaldo, o freezer entrou na unidade prisional sem passar pelo scanner, pois agentes prisionais disseram que não precisaria de tal procedimento.

Presos do CV

Além dos policiais e dos diretores da PCE, outros dois alvos da Assepsia foram Petróleo e Luciano Mariano da Silva, o Marreta. Os dois são apontados como principais líderes do Comando Vermelho em Cuiabá. Eles já estavam presos e foram alvos de mandados de prisão preventiva. Segundo as apurações, eles teriam se beneficiado pelas entradas ilegais dos celulares na PCE.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Vereador terá de devolver R$ 106 mil

justino malheiros 400 curtinha   Justino Malheiros (foto), que está licenciado da Câmara de Cuiabá para tratamento de saúde, terá de restituir R$ 106,6 mil aos cofres públicos juntamente com a empresa Votech Tecnologia em Votação Eireli. E o valor deve ser corrigido monetariamente pelo IPCA...

Única suplente com salário no Senado

clerie fabiana curtinha 400   Dos seis suplentes de senadores por Mato Grosso, uma recebe salário pelo Senado. Trata-se de Clérie Fabiana Mendes (foto), segunda-suplente de Selma Arruda. Mas o seu subsídio não é pelo cargo assegurado com a eleição da chapa, mas sim por ter sido nomeada em posto...

Prefeita e R$ 10 mi em obras em Sinop

rosana sinop 400 curtinha   A prefeita de primeiro mandato de Sinop Rosana Martinelli (foto) está fechando o terceiro e penúltimo ano de mandato com uma grande demanda de obras estruturantes. Após licitar, assinou contrato de R$ 10,2 milhões com a construtora e incorporadora Berna, que vai executar o projeto integrado de...

Justiça impede "espetáculo eleitoreiro"

helena 400 curtinha desembargadora   O Judiciário fez justiça ao mandar suspender a eleitoreira CPI contra o prefeito Emanuel. Numa fase já de pré-campanha, em que todos os 25 vereadores cuiabanos e mais uma centena de outros de fora se movimentam pensando na disputa eleitoral e ávidos para criar palanque, nada...

Parlamentar anda cabreiro até na AL

sebastiao rezende 400 curtinha   Sebastião Rezende (foto), que exerce o 5º mandato, anda cabreiro e assustado, até mesmo na hora de circular pelos corredores da Assembleia. E não pode avistar um jornalista que sai correndo. Na terça, após a sessão ordinária, o deputado acelerou os passos quando...

10 anos "adormecida" sobre Energisa

gisela 400 curtinha   Depois de mais de 10 anos atuando no Procon, a advogada e primeira-suplente de deputada federal Gisela Simona (Pros) agora que se acordou para a gravidade sobre a prestação de serviços da Energisa, campeã de reclamações junto ao próprio Procon. Passou todos esses anos sem mover...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O que você acha das denúncias, principalmente sobre pagamento de propina, feitas pelo ex-presidente da AL José Riva, que tenta fechar delação?

São verdadeiras

Nem tudo é verdade

Acho que ele está mentindo

Não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.