Polícia

Sábado, 04 de Março de 2017, 17h:45 | Atualizado: 05/03/2017, 08h:39

Equipe da Derf-VG captura os três suspeitos de matar sargento da PM

PJC

Assassinos sargento

 Acusados de matar o sargento da PM Carlos Venero da Silval já foram presos pela Polícia Civil

A Polícia Civil prendeu três dos autores da morte do sargento aposentado da Polícia Militar, Carlos Venero da Silva, ocorrido no dia 28 de fevereiro. Dois dos presos, Lenilson Ferreira de Campos, 22, e Odenir Araújo de Almeida, 44 anos, são apontados como mandantes do crime, e Anderson Henrique de Pinho, 25 anos, como um dos executores, juntamente com Wellington Marques Leite, que está foragido

As prisões foram efetuadas pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Várzea Grande (DERF-VG), em cumprimento de mandados de prisão preventiva. Todos irão responder por roubo seguido de morte (latrocínio).

 Os mandantes, Lenilson e Odenir, fazem uso de tornozeleiras eletrônicas e já tinham sido conduzidos pela Polícia Militar logo após o crime. Foram eles que  levaram de carro os comparsas até o local para praticar o assalto. Segundo assessoria da Polícia Civil, no entanto, por serem monitorados, ficaram rodando com o veículo para despistar a coleta de provas da Polícia, na investigação, conforme já havia informado a delegada, Ana Cristina Feldner, da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP).

 Durante a investigação preliminar, ambos não foram reconhecidos pelas testemunhas e também a trajetória do monitoramento eletrônico das tornozeleiras era incompatível com a suspeita de executores, em razão de não terem parado no local do crime. "Talvez, no decorrer da investigação possa ser demonstrada a coautoria dos mesmo modalidade de partícipe", disse Feldner,  em seu despacho.

 "Além de serem os mandantes ficaram responsáveis pelo suporte logístico, de levar e pegar os comparsas. Para isso usaram o carro do Wellington, que era dirigido por Lenilson. Eles tentaram driblar o monitoramento permanecendo com o veículo em movimento", afirmou a delegada da Derf, Elaine Fernandes.

 Em interrogatório, o suspeito Anderson Henrique Pinho disse que já foi preso por tráfico de drogas e que não ficou muito tempo na cadeia. Ele confessou ter vínculo com Wellington Marques, sendo conhecidos do bairro São Matheus, em Várzea Grande. Disse ainda que fazem "paradas juntos, para fazer um vale", jargão que significa praticar roubos.

Também confirmou conhecer, do mesmo bairro,  Lenilson Ferreira de Campos e Odenir Araújo de Almeida, justificando que Lenilson é primo de Wellington.

 Ao ser questionado sobre o latrocínio do policial militar, ocorrido no dia 28 de fevereiro, por volta das 17h50, na sorveteria Planeta do Sorvete, no bairro São Matheus, contou que a ideia de fazer o assalto foi do Lenilson. Ele quem teria planejado junto com o primo, Wellington,  como seria o roubo. "O combinado era fazer um 'vale' na sorveteira e de quebra levar a caminhonete", revelou no interrogatório.

A caminhonete era do policial e estava estacionada na frente do estabelecimento. Mas os criminosos pensavam que o veículo era do dono da sorveteria.

No dia crime, os quatro criminosos marcaram de se encontrarem, próximo a Madeireira Nortão, local em que Lenilson iria passar as coordenadas de como seria executado o roubo. Os suspeitos, Lenilson, Wellington e Odenir, estavam em um Pálio preto, que era dirigido por Lenilson.

 Lenilson instruiu Anderson e Wellington irem com o "ferro", referindo-se a arma de fogo, anunciarem o assalto e ainda levarem o veículo.

 Os quatro foram todos no veículo, passaram em frente à sorveteria, viram a caminhonete estacionada, e pouco mais à frente, na rua de um supermercado, o carro atrás de uma escola, onde desceram Anderson e Wellington, permanecendo os outros dois no apoio para a fuga, dando voltas com o Pálio.

 Wellington, Armado com um revólver calibre 38, e Anderson chegaram na sorveteria e deram de  frente com um homem e uma mulher. O homem, que era o policial militar, flagrou que se tratava de um assalto e logo sacou a arma que portava. Na sequencia, Wellington atirou no policial e ambos saíram correndo, sem levar nada do estabelecimento, nem dinheiro e muito menos o veículo.

 Os dois contaram que correram e se esconderam no mato. Eles ligaram para Lenilson ir buscá-los, indo para a casa de Lenilson, no bairro Paiaguás. A casa fica em frente a residência de Odenir. O suspeito, Anderson, disse que  ficou uns 30 minutos no local e depois pegou um mototáxi para o bairro Pascoal Ramos, em Cuiabá, permanecendo escondido na casa da sogra até a manhã deste sábado, quando foi preso. (Com Assessoria)

Postar um novo comentário

Comentários (8)

  • Milico | Domingo, 05 de Março de 2017, 11h24
    2
    0

    Parem de falar merda sem conhecer sobre o que realmente aconteceu... a gloriosa PM deteve 5 suspeitos de terem participado do crime, mas não tinham nenhuma prova em concreto que os vinculassem ao crime. Sem provas ninguém fica preso. Por isso foram soltos.Com a investigação foram produzidas provas que demonstraram que 2 dos 5 conduzidos pela PM tinham participado do crime. Com isso o mandado de prisão foi expedido pelo judiciário. Parem de omitir opinião sem conhecimento

  • Pablo | Domingo, 05 de Março de 2017, 11h12
    0
    0

    Parabéns Delegada por ter tido a humildade de aceitar seu erro ao relaxar a prisão e prender os mesmos suspeitos que a PM já tinha preso em flagrante.

  • Valdomiro | Sábado, 04 de Março de 2017, 22h15
    1
    0

    Parabéns a delegada Elaine fernandes que conseguir colocar esse bando de vagabundo na cadeia dando uma resposta a população de Várzea Grande

  • Julio | Sábado, 04 de Março de 2017, 18h49
    3
    0

    Nunca, jamais esqueceremos de vocês vacilões.

  • Pablo | Sábado, 04 de Março de 2017, 18h22
    2
    1

    Não sou da área da Segurança Pública, mas já recebi alguns vídeos explicativos sobre a unificação da polícia e eventos como este me levam a crer que o Brasil precisa repensar o modelo de polícia. A princípio o chefe de polícia deveria ser dos quadros de carreira, ter MUITA EXPERIÊNCIA de rua pra depois assumir a chefia e não fazer um concurso e já entrar como Delegado. Como a Delegada solta os criminosos presos pela polícia militar e depois os prende novamente?

  • Gabriel | Sábado, 04 de Março de 2017, 18h17
    2
    1

    Nem sei o que dizer, primeiro a Delegada liberou os suspeitos encaminhados pela PM afirmando que não eram os autores e depois prende os mesmos suspeitos. Ficou claro uma disputa por holofotes da imprensa. Por isso o Brasil está assim.

  • Dalto | Sábado, 04 de Março de 2017, 18h15
    2
    2

    Se são os mesmos que a PM prendeu porque soltou e depois prendeu? Só pra dizer que fou a polícia civil? Cheguei recentemente dos Estados Unidos e lá não tem uma polícia dividida como aqui e garanto pra vcs as coisas funcionam. Essa briga de ego é um atraso.

  • Julio | Sábado, 04 de Março de 2017, 18h12
    2
    2

    Essa Polícia Civil é uma piada, relaxou o flagrante porque a polícia militar que tinha prendido e depois prende as mesmas pessoas. Kkkk

Silêncio sobre operação e elo com MBL

ulysses moraes 400 curtinha   O deputado de primeiro mandato Ulysses Moraes (foto), que deixou o DC e se filiou ao PSL, coordenador em Mato Grosso do Movimento Brasil Livre (MBL) e chamado por muitos de paladino da moralidade, mesmo sendo bastante ativo nas redes sociais, não usou a internet para comentar a operação da...

Nomes do DEM para vereador de VG

pablo 400 curtinha   O DEM do casal Jayme-Lucimar, senador e prefeita, respectivamente, é dono da maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com sete dos 21 vereadores. Destes, cinco já estão trabalhando projeto de reeleição, sendo eles Gisa Barros, que era do PSB; Valdemir Bernadino, o Nana; Pedro...

Flerte com candidato de outro partido

selma arruda 400 curtinha   Apesar de estar filiada ao Podemos, a ex-senadora Selma Arruda, que teve o mandato cassado por crimes eleitorais e deixou a cadeira neste ano, continua flertando com o pedetista, empresário e vice-governador Otaviano Pivetta, que não demonstra mais tanto ânimo para continuar com o projeto de disputa...

Joelson e as traições política e familiar

joelson 400   Dos 23 vereadores pela Capital que vão à reeleição, o que mais deve enfrentar dificuldades para obter êxito nas urnas é o sargento Joelson (foto), que aproveitou a janela de março e trocou o PSC pelo Solidariedade. Primeiro, por causa da atuação pífia. Trata-se de um...

Calistro, dúvida à reeleição e Sumaia

sumaia leite 400 curtinha   Jânio Calistro, reeleito para o 2º mandato de vereador em 2016 e como o mais votado em Várzea Grande, com 3.658 votos pelo PSD, se mudou para o DEM dos Campos, mas ainda avalia se vai encarar o teste das urnas deste ano. Ele se mostra um tanto baqueado, após ficar preso por três meses. E...

Grupos convergem para Emanuelzinho

emanuelzinho 400   O jovem deputado federal Emanuelzinho (foto) está cada vez mais empolgado com a possibilidade de disputar a Prefeitura de Várzea Grande. Até se mudou da Capital para a cidade vizinha, onde montou apartamento no Edifício Maktub. Uma das revelações políticas do PTB, Emanuelzinho tem...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.