Polícia

Sexta-Feira, 05 de Março de 2021, 18h:30 | Atualizado: 05/03/2021, 19h:11

CÁCERES

Pai contesta versão de boletim e diz que filho morreu alvo de disparos de PM vídeo

Irmão da vítima, de 4 anos, viu crime; Corregedoria Geral da PM abriu inquérito e investiga a denúncia

Reprodução de vídeo

Rapaz � alvo de PM em C�ceres - Luiz Andr� Moraes Silva

O pai de Luiz André Moraes Silva, jovem de 19 anos que foi morto em suposto confronto com policiais militares do Grupo de Apoio (GAp) de Cáceres (a 225 km de Cuiabá), contesta a versão apresentada pelos agentes envolvidos no homicídio do filho. Ele assistiu os agentes disparando contra a vítima e alega que Luiz não estava com drogas, nem que estava com arma de brinquedo, além de denunciar possível perseguição. O irmão da vítima, uma criança de quatro anos, presenciou a suposta abordagem truculenta e o início dos disparos.

De acordo com o boletim de ocorrência registrada pela Polícia Militar, Luiz foi abordado para verificação de suposta venda de drogas, na noite de 19 de novembro do ano passado, no bairro Cidade Alta, no município. Ele tentou fugir por um local descrito como ermo, sem iluminação e cheio de mato. Durante a fuga, ele jogou a mochila com várias porções de drogas. O jovem foi morto depois de supostamente apontar uma arma de brinquedo para os agentes do GAp.

Para o pai, um vídeo da câmera de segurança questiona a versão apresentada pelo policial. É possível ver que o agente conversa com o pai e o filho, a fuga de Luiz André, o primeiro disparo e, no final, a criança correndo atrás para saber da situação. Em uma rede social, ele publicou que ele estava com medo de ser preso novamente, já que o filho tem passagens pela polícia.

Veja momento em que PM atira na vítima

A reportagem do teve acesso ao depoimento apresentada pelo pai na Polícia Civil.

Segundo o pai, o policial já abordou Luiz André afirmando que iria matá-lo. O pai da vítima estava assistindo TV com o filho de quatro anos, e Luiz estava sentado na calçada conversando com a namorada pelo WhatsApp. Ele viu uma luz de moto chegando e acreditou que fosse o sobrinho, mas ouviu alguém ameaçando o filho. “Vou te matar, vou te matar agora”, relata o pai em depoimento.

Em seguida, o filho gritou pelo pai. Ele correu para frente e se deparou com um policial em uma moto. O militar segurava Luiz pela camiseta e apontava uma arma na cabeça. Ao ver o pai, o policial deu um passo para trás e segurou arma de fogo com as duas mãos e mandou Luiz colocar as mãos na cabeça e virar de costas. Luiz não queria, mas o pai pediu que ele atendesse a ordem.

Arma na cabeça

O policial pediu que Luiz André levantasse a camiseta e virar de costas. O pai alega que o filho não tinha nada com ele. O policial puxou a vítima pela camiseta e colocou a arma de fogo na cabeça e passou a dizer que queria a droga. “Eu quero a droga, eu vou te matar”.

Eu quero a droga, eu vou te matar

Relato de pai sobre suposta ameaça de PM

Neste momento, o pai colocou o filho de quatro anos para dentro de casa, pois ele estava presenciando toda a cena. Depois disso, ele interveio na ação do policial e conseguiu soltar a mão do militar do seu filho, que correu para trás do pai.

O policial chamou então o pai pelo nome e começou a dizer que o filho é ladrão, traficante e seqüestrador. A declaração deixou o pai surpreso, pois não o conhecia. Enquanto isso, o filho disse que não fez nada e que o militar ia prendê-lo.

Luiz abriu o portão e o policial acreditou que ele iria fugir. O pai não soube o que aconteceu depois porque a arma de fogo fez um barulho. Apenas que o filho parou, voltou andando em sua direção e começou a correr, passou reto pelo pai e virou a rua na esquina. O policial começou a persegui-lo e desferiu o primeiro disparo ainda na rua lateral.

O policial efetuou mais quatros disparos. No quinto, o filho gritou de dor bem alto. Acredita que este tenha sido o disparo que atingiu seu filho, sendo que não sabe se foi de frente ou pelas costas. O pai viu o policial efetuar o sexto disparo, que errou o alvo e o seu filho veio a cair no chão em uma rua lateral da praça do bairro.

O pai teve que voltar por que o filho de quatro anos estava assistindo tudo aquilo e era necessário retirá-lo do local. Ele cita a participação de um segundo policial que pediu para Luiz parar que, depois de caído, passou a chutá-lo. Em menos de um minuto, o CBM apareceu e encaminhou a vítima para o Hospital Regional de Cáceres, que morreu na unidade.

Polícia Civil investiga

Após o conflito de versões, o delegado Wilson Souza Santos instaurou um inquérito para investigar o caso ainda em novembro do ano passado. Pediu imagens de câmeras de monitoramento, a arma do policial usada para atirar e intimou quatro pessoas. O caso ainda segue sob investigação.

Outro lado

Por meio de nota, a Corregedoria Geral da Polícia Militar informa que, assim como em outras situações envolvendo policiais militares no exercício ou não das funções, instaurou Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar as circunstâncias da ocorrência e conduta dos policiais. O IPM encontra-se na fase de instrução processual.

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • João | Sábado, 06 de Março de 2021, 19h53
    0
    0

    famoso conto de fardas

  • ARIOSVALDEZ RODRIGUES DE LIMA | Sexta-Feira, 05 de Março de 2021, 19h51
    5
    0

    Não há sombra de dúvidas de que há um grande número de policiais que, dia a dia, realizam um utilíssimo serviço à nossa sociedade, dentro dos estritos limites da lei, salvando vidas e evitando crimes, porém, também é certo que há um quantitativo significativo de policiais que cometem excessos e, por vezes, verdadeiros abusos; o vídeo em questão ainda não é suficiente para comprovar a prática de um crime, porém, ao que parece, de primeira vista, o policial atirou em alguém que estava correndo, ou seja, atirou nas costas; coisas assim são ensinadas a não serem feitas durante o curso de formação, especialmente neste caso em que não se afigurava o risco de terceiros. Lamentavelmente, o pai é que suportará o sofrimento e lamento, pois, creio que dificilmente haverá qualquer punição, em caso de ocorrência de crime!

  • Mário | Sexta-Feira, 05 de Março de 2021, 19h19
    2
    2

    Excludente de ilicitude!

2 suplentes já estreiam em Cuiabá

alex rodrigues 400   Com menos de quatro meses de mandato, dois dos 25 vereadores cuiabanos reeleitos no ano passado já pediram licença para abrir espaço a suplentes. Diego Guimarães (Cidadania) se afastou por 30 dias. Em sua cadeira está Maysa Leão, do mesmo partido. Marcrean Santos (PP) pediu afastamento...

Governista 2 e o desafio da reeleição

wilson santos 400 curtinha   Wilson Santos (foto), que conseguiu retornar à Assembleia "sangrando" nas urnas de 2018, impactado pelo desgaste pela defesa intransigente do Governo Pedro Taques, se prepara para atravessar outro purgatório no próximo ano, em busca de mais um mandato. O deputado tucano carrega desgaste...

Nobres chora a morte de ex-prefeito

flavio dalmolin 400   A pequena e turística Nobres, de 16 mil habitantes, parou neste Feriado de Tiradentes em comoção pela morte, por Covid-19, do ex-prefeito Flávio Dalmolin (foto). Um cortejo percorreu ruas e avenidas, parou em frente ao estádio municipal Balizão e à prefeitura, onde...

Derrotado ensaia disputa ao Governo

reinaldo morais 400 curtinha   O empresário Reinaldo Morais (foto), o rei dos porcos, está disposto a gastar mais uns milhões com nova candidatura majoritária, agora para governador. No ano passado, concorreu ao Senado e obteve votação decepcionante. Foi o penúltimo colocado numa corrida com 11...

Sicredi recua de comprar praça pública

enilson rios 400 prefeito araputanga   A diretoria do Sicredi nem esperou ser votado na Câmara Municipal o polêmico projeto sobre negociação de uma praça pública no centro de Araputanga para cancelar o negócio. A cooperativa havia "amarrado" entendimento com o prefeito Enilson de Araújo...

Sessão, voto e namoro com cantora

ulysses moraes 400   Na sessão virtual da Assembleia desta segunda, o deputado Ulysses Moraes (foto), do PSL, estava demorando para computar o voto na apreciação de um veto do governador. O presidente Max Russi (PSB), então, cobrou agilidade do colega e brincou, dizendo que agora ele só tem olhos para a Maraisa....

MAIS LIDAS