ARAGUAINHA - A CIDADE DO METEORO

Sexta-Feira, 09 de Novembro de 2018, 00h:01 | Atualizado: 09/11/2018, 16h:27

SOSSEGO E ESTAGNAÇÃO

Lado positivo é a baixa criminalidade e o negativo, a escassez de empregos - fotos

Rodinei Crescêncio

Especial Araguainha, a cidade do meteoro

Na menor cidade de Mato Grosso é assim, pouca gente nas ruas, carros são incomuns, a maioria só anda a pé e o tempo parece que passa mais devagar

O silêncio assusta quem está acostumado à agitação de grandes cidades. Nas ruas da menor cidade de Mato Grosso, Araguainha, a 470 km de Cuiabá, os carros são incomuns. Pessoas andam a pé. Todos se conhecem e se cumprimentam. A tranquilidade traz alívio aos mais velhos, que demonstram amor pelo local e afirmam querer passar o resto da vida por ali. Os mais jovens, porém, planejam se mudar.

Rodinei Crescêncio

Especial Araguainha, a cidade do meteoro

Izaína Pereira ao lado do pé carregado de jaboticabas

A cidade, localizada na região sudeste do Estado, foi fundada em 24 de fevereiro de 1964. A área começou a ser povoada a partir da década de 40, com a chegada de garimpeiros, que iam ao Rio Araguainha em busca de diamantes. Anos mais tarde, em razão da grande quantidade de pessoas no lugar, o Governo de Mato Grosso transformou a região em povoado, com o nome Couto Magalhães, em homenagem ao ex-presidente da província de Mato Grosso.

Quero passar a minha vida toda aqui

Izaína Pereira de Souza, moradora

Em 64, uma Lei estadual transformou Araguainha em município. O nome foi dado em razão de a cidade estar à margem esquerda do rio homônimo, que deságua no rio Araguaia.

Melhor lugar no mundo 

Para a aposentada Izaína Pereira de Souza, 74 anos, a cidade é o melhor lugar do mundo. Ela se mudou para a região de Araguainha aos quatro anos. No município, criou, junto com o marido, os três filhos – um deles se mudou para trabalhar e nunca mais retornou. Por mais de três décadas, Izaína, hoje viúva, trabalhou como merendeira em uma escola da cidade. “Quero passar a minha vida toda aqui, porque é um lugar tranquilo e eu gosto muito”, ressalta.

Nas ruas da cidade, é comum ver diversas casas abandonadas. Os moradores que vão embora, comumente não vendem suas residências. “Não tem ninguém para comprar, por isso tem tantas construções sem donos”, explica Izaína.

Metade das ruas do município possui calçamento. Parte deles com cimento, feito com pedra de garimpo e areia, materiais retirados do Rio Araguainha. Outra parte do asfalto é de bloquete. Já a outra metade das vias da cidade não possui asfalto.

Galeria: Casas abandonadas

Rodinei Crescêncio

Especial Araguainha, a cidade do meteoro

Focou bem? - questiona idoso, caminhando pela cidade

Conforme população estimada do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), divulgada neste ano, Araguainha tem, atualmente, 956 habitantes. Os dados chamam a atenção, pois o município tem enfrentado decréscimo em seu número de moradores nas últimas décadas.

Em 1970, conforme censo do IBGE, a cidade tinha 1.718 habitantes. Desde então, o número foi diminuindo. Em 1980 eram 1.435 moradores. No ano de 1991, a população reduziu para 1.416. No início de 2000, o IBGE apontou 1.352 moradores. No censo mais recente, elaborado em 2010, o município possuía 1096 habitantes.

O decréscimo no número de moradores da cidade se justifica pela falta de oportunidades de empregos na região. Os habitantes do município têm o serviço público como fonte de renda, por meio de entidades ligadas à Prefeitura ou ao Estado. No Executivo municipal, estão empregadas 164 pessoas, entre concursados e comissionados.

Conforme o levantamento Perfil dos Municípios Brasileiros do IBGE, divulgado no ano passado, Araguainha possui 215 funcionários públicos, sendo 26 são comissionados. Destes, 164 trabalham na Prefeitura. Em 2014, a mesma pesquisa apontou que Araguainha estava entre as cinco cidades com maior número de servidores municipais em relação à quantidade de habitantes. Na época, 20,3% dos moradores atuavam na Prefeitura do Município, de modo direto.  

Há alguns poucos postos de serviço nas produções rurais. Na cidade existem poucos comércios e não há indústrias.

“O que falta aqui é uma indústria que possa empregar as pessoas. Quem fica aqui é aposentado, porque está mais tranquilo, ou quem trabalha no serviço público. Não existe outra alternativa”, declara a autônoma Josiane Franco, 42 anos, que vive na cidade desde a infância.

Rodinei Crescêncio

Josiane Franco

Josiane trabalha em restaurante da cidade, onde mora desde a infância, mas pensa em sair

Josiane trabalha em um dos poucos restaurantes da cidade, estabelecimento criado pela mãe dela, ex-vice-prefeita de Araguainha. Além de cuidar do estabelecimento, a mulher também vende cosméticos e auxilia aposentados do município que precisam ir a outras regiões para serviços como atendimento médico. Ela fez os cursos de Matemática e Administração a distância e nunca saiu de Araguainha. “Gosto muito daqui, mas quem sabe um dia eu vá para outra região”, diz, sem muitos planos por enquanto.

Falta de emprego

O prefeito de Araguainha, Silvio José de Morais Filho, o Silvinho (PSD), confirma que a falta de emprego faz com que muitos habitantes da cidade decidam ir para outros municípios. Segundo ele, além de serviço no setor público, há também a produção rural, por meio da agropecuária, com plantações de soja ou criação de gado. “Mas não é uma atividade que emprega muitas pessoas, geralmente são as próprias famílias que cuidam disso”, explica ao .

Reprodução

Silvio Jos� Araguainha

Prefeito Silvinho confirma que a falta de perspectivas é preocupante

Muitos jovens deixam a cidade para buscar outros lugares para estudar. Em Araguainha há duas escolas, uma municipal e outra estadual. Não há, porém, nenhuma faculdade ou instituição que ofereça algum curso superior.

Em relação ao comércio, Araguainha possui uma farmácia, três mercados, uma Lotérica, dois restaurantes e um hotel. Os estabelecimentos são tocados, comumente, pelos proprietários e membros de suas famílias.

Turismo

No entorno de Araguainha há diversas cachoeiras, além do seu maior atrativo turístico: a cratera de impacto, causada por um meteorito que atingiu a região há mais de 250 milhões de anos. Tais itens, porém, não são explorados pelos moradores da região, que reclamam da falta de incentivo ao turismo no local.

“Aqui tem muitos lugares que poderiam ser mais explorados pela parte do turismo, mas eles não se importam com isso”, disse uma fonte que pediu para não ser identificada.

Em Araguainha, era comum que as pessoas dessem declarações e temessem por represálias como dificuldades para arrumar serviços ou até mesmo prejudicar parentes comissionados na Prefeitura. “Melhor não colocar meu nome, para que eu não tenha problemas”, pediu uma mulher ouvida pela reportagem.

A Prefeitura da cidade afirma que não explora o turismo por falta de recursos financeiros. Conforme o Executivo municipal, as ações funcionam conforme a verba do município. O orçamento da cidade para este ano é correspondente a R$ 11 milhões, recurso oriundo do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

“A nossa arrecadação por aqui é mínima. A gente consegue, mais ou menos, por mês, quando arrecada bem, em torno de R$ 15 mil”, afirma o prefeito.

A Secretaria de Turismo de Araguainha informa que a cidade costuma receber, em média, 400 visitantes ao ano.

“O número de visitantes, infelizmente, é muito baixo. Há semanas em que não recebo nenhum hóspede novo. É muito complicado”, reclama Juscima Angela Macena, proprietária do único hotel da cidade. “Poucos turistas vêm para cá. Quando vem alguém de fora, normalmente é para estudar o domo”, acrescenta a mulher.

Os moradores de Araguainha reclamam do fato de que muitos estudiosos e turistas que visitam a cratera de impacto vão a Ponte Branca, cidade mais próxima e que também está dentro da cratera, para ir ao lugar. "Poderíamos ter muitos turistas por aqui, mas acabam preferindo ir para a cidade vizinha", lamenta uma moradora.

A reportagem ouviu pessoas que estudam o Domo de Araguainha e elas argumentaram que preferem Ponte Branca por considerarem que a cidade tem estrutura melhor para receber visitantes. "Em Araguainha, até um tempo atrás, não tinha nem hotel", comenta um dos estudiosos.

Galeria: Um de cada

Saúde e segurança

Quando acontecem roubos ou furtos, são crimes praticados por pessoas de outras cidades. Em geral, a cidade é muito tranquila. Dificilmente registramos boletim de ocorrência, porque acabamos resolvendo as coisas no diálogo

Soldado PM Rodrigues

No menor município de Mato Grosso há apenas uma unidade de pronto-atendimento, com um médico plantonista e enfermeiros. “Normalmente os pacientes que precisam de atendimento mais sério são transferidos para Alto Araguaia”, comenta a secretária de Turismo da cidade, Sideuma Rodrigues.

Em relação à segurança, um fato chama a atenção: não há Delegacia de Polícia na cidade. Conforme a Polícia Civil, foi desativada no ano passado, em razão da pouca demanda criminal na cidade. As ocorrências de Araguainha são atendidas em Ponte Branca nos dias de semana. Nos finais de semana, quando a delegacia da cidade vizinha não atende ocorrências, os casos são levados para Alto Araguaia.

O crime mais recente, considerado de grande proporção, foi o assalto à unidade dos Correios da cidade, no ano passado. Um assaltante foi baleado e morreu durante uma troca de tiros.

Rodinei Crescêncio

Especial Araguainha, a cidade do meteoro

Soldado PM Rodrigues afirma que uma das vantagens de trabalhar na cidade é a calmaria

Segundo o cabo PM Eduardo de Souza, que nasceu em Araguainha e há oito anos atua na Polícia Militar da cidade, o fechamento da Polícia Civil trouxe dificuldades para os oito militares que trabalham em regime de plantão na única base da cidade. “Agora temos de fazer todo o serviço de delegado, escrivão, investigador, desde que Policia Civil deixou prédio”, diz.

Para o soldado Rodrigues, que há dois anos está lotado em Araguainha, um dos benefícios em trabalhar no município é a calmaria da região. “Normalmente, quando acontecem roubos ou furtos, são crimes praticados por pessoas de outras cidades que vêm para cá. Mas em geral, a cidade é muito tranquila. Dificilmente registramos boletim de ocorrência, porque acabamos resolvendo as coisas no diálogo”, diz.

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • marta | Sábado, 10 de Novembro de 2018, 13h33
    1
    0

    deixem a cidade como ela é, vão levar industria para esse lugar pra que? pra desmatamento, pra poluição, o lugar tem que ficar com o pessoal que esta, quem é errado é o ser humano, o lugar é assim mesmo e ponto. sera que meu comentario sera pulicado?

  • Monica | Sábado, 10 de Novembro de 2018, 03h17
    1
    0

    Aí sim RdNews! Reportagem completa, obrigada.

  • Juracy Ady | Sexta-Feira, 09 de Novembro de 2018, 21h57
    1
    2

    Jajah nunca mais

  • Araguaia | Sexta-Feira, 09 de Novembro de 2018, 10h30
    9
    3

    CONVERSA FIADA JOAO ARRUDA, VOCE DEVE SER UM DOS BABAS OVO QUE É FUNCIONARIO DOS CAMPOS. JULIO E JAIME NÃO FIZERAM NADA POR ARAGUAINHA, E NEM PELO ESTADO, ESSES CAMPOS SÓ ATRASARAM O ESTADO, E ATRASOU OS SALARIOS.

  • Joao Arruda | Sexta-Feira, 09 de Novembro de 2018, 09h41
    4
    9

    Este Municipio e a cidade de Araguainha, só foi lembrado pelo Governo do Estado de Mato Grosso, quando o Julio José de Campos, era o Governador do Estado, recebemos inumeros beneficios e obras publicas, até a mulher dele a saudosa dona Isabel Campos, visitou a nossa cidade e trouxe os beneficios sociais. Depois dele ,só o seu irmão Jaime lembrou da gente com alguma coisa.O resto nunca veio por aqui e nem mandou nada pra nós. Somos gratos aos Campos.

Matéria(s) relacionada(s):

Confira também:

INíCIO
ANTERIOR
1 de 1
PRÓXIMA
ÚLTIMA

R$ 71 mi já estão reservados para 13º

rogerio gallo 400 curtinha   Após os primeiros meses de "choradeira", pintando cenário do caos financeiro e administrativo, o governo estadual consegue, pela primeira vez neste 2019, fechar o mês com recurso provisionado para pagar o 13º dos cerca de 100 mil servidores. O secretário de Fazenda, Rogerio Gallo (foto),...

Jackson, enfim, nomeado ao TRE-MT

jackson 400 curtinha tre   O presidente Bolsonaro, enfim, escolheu, de uma lista tríplice, quem passa a compor o Pleno do TRE-MT no cargo de juiz titular, na categoria jurista, para dois mandatos de mandato. Trata-se de Jackson Francisco Coutinho (foto), que desde o ano passado já atua como juiz-membro substituto no Tribunal. Nos...

Com mais de 60 prefeitos e esposas

mauro mendes virginia 400   Acompanhado do governador e esposo Mauro, a primeira-dama Virginia Mendes recebeu para um jantar no Palácio Paiaguás, na segunda, mais de 60 primeiras-damas, além de prefeitos e outras autoridades. O governador, que promoveu o encontro, aproveitou para expor números, ações e...

UPA do Verdão vai ser entregue - veja

emanuel pinheiro 400 curtinha   O prefeito Emanuel Pinheiro programa inaugurar na primeira quinzena de dezembro a UPA do Verdão (próximo à Arena Pantanal), uma nova e moderna estrutura que terá capacidade de atendimento de cerca de 12 mil pessoas por mês - veja aqui o vídeo que mostra a obra em fase...

Capital transmite final da Copa Verde

O Cuiabá Esporte Clube enfrenta o Paysandu hoje, às 20h, pela final da Copa Verde, no estádio Mangueirão. O Dourado precisa vencer por dois gols de diferença para ficar com o título. Caso a vitória seja por um gol de diferença, a decisão vai para os pênaltis. A Capital FM 101.9, que acompanha o futebol regional desde início do ano, será a única rádio de Cuiabá que fará a...

Um dos cuiabanos na final Fla x River

leonardo campos curtinha 400   O presidente da OAB-MT, Leonardo Campos, o Leo Capataz, é um dos flamenguistas de Cuiabá que já estão em Lima ou que ainda vão embarcar rumo à capital do Peru para assistir a final da Copa Libertadores entre Flamengo e o argentino River Plate. O confronto será...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.