Presença indígena Xavante em Barra

aguida.jpg

Águeda Borges

Recentemente defendi uma tese de doutorado intitulada: "Da Aldeia para a Cidade: Processos de Identificação/Subjetivação do Indígena na Cidade de Barra do Garças - MT", no Instituto de Estudos de Linguagem, da Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP-SP. A pesquisa se desencadeou dos estudos desenvolvidos no projeto “Arte, discurso e prática pedagógica”, CNPq, desde 2003, sobre presença/frequência indígena Xavante no espaço na cidade de Barra do Garças.

A presença frequente de indígenas no espaço urbano foi objeto exemplar de alocação de sentidos da discursividade que faz funcionar a contradição constitutiva, que a cidade funda, materializando o modo de ocupação negada, ou seja, por mais que essa presença seja real, o que se diz sobre ela, em geral, é no sentido de que ela não deveria existir.

Assim, no batimento conformado no processo discursivo, que é o procedimento metodológico exigido pela Análise de Discurso de base materialista, na qual me fundamentei, busquei compreender como se subjetiva esse sujeito que está e frequenta a cidade, mas que no discurso deveria permanecer na aldeia, voltar a ser o que era ou, até mesmo, morrer.

Tratar essa questão discursivamente é dar visibilidade para a produção da ilusão de objetividade e evidência de uma realidade, de um referente, como se um sentido já estivesse lá: como se o lugar ocupado pelos indígenas nas ruas, calçadas de Barra do Garças, significassem, a priori.

Os materiais heterogêneos que compõem o “corpus” da pesquisa mostram a dificuldade que o discurso do urbano tem em lidar com aquele que ocupa o espaço planejado para outra finalidade, não enxergando a rua como um lugar de transbordamento do social, que reflete e faz funcionar a ordem própria da cidade. Esse é mais um modo de disfarçar os sentidos que produzem e reafirmam a explosão do social no espaço urbano.

Constatei que esse lugar os interpela a subjetivar-se, a significar-se e produzir sentidos; mesmo pertencendo à unidade positiva do direito (todos são iguais perante a lei), o sujeito, quando colocado em relação a ela, identifica-se com o que está fora dela, como aquele que pertence/não pertence ou é um problema, uma questão a ser resolvido(a).

Analisamos, por exemplo, que o preconceito não atinge a memória indígena e que mesmo interpelados pela formação social capitalista, os Xavante concorrem com a formação social indígena, se inscrevendo entre uma e outra formação discursiva no terreno movediço do ir e vir da aldeia para a cidade.

Barra do Garças, embora incorpore, por exemplo, o desenho escrito do nome Xavante impresso em diversos lugares, enxerga o indígena como um fora do lugar, um corpo que não cabe na cidade, e, paradoxalmente materializa uma espécie de naturalização acerca dessa presença/frequência na constituição urbana.

Enquanto sujeito, discursivamente, o Xavante é negado, é alvo de preconceito, “não chega a ser brasileiro”, “não devia estar na cidade”, é coisificado como objeto que “suja, enfeia, entulha o espaço urbano” por um lado, por outro se inscrevem, nesse mesmo espaço, imagens (montagens) estereotipadas, como algumas encontradas no Facebook do Portal do Araguaia emergindo outros lugares de enunciação, como o do empreendimento, o do turismo ecológico. Defendo que a relação do discurso verbal e imagético se dá por composição. Essa noção considera que cada uma das materialidades possui regiões de opacidade discursiva próprias da sua natureza e que impossibilitam o uso da noção de complementaridade, isto quer dizer que a imagem não tem a função de apenas ilustrar. Ela compõe os significados. Assim, no enredo discursivo que costura o processo de identificação do indígena Xavante desenhado/exposto/foto-montado que dá vistas no espaço urbano a um discurso de que ao artista tudo é lícito, penso que ao analista do discurso, também, quando esse se utiliza de um dispositivo teórico para interpretar. Sob o meu olhar, o sujeito indígena materializado pelo desenho da nomeação, pela disposição/exposição de imagens diversas, ainda que negado na presença física real, funda uma cidade Xavante.

Ademais, os Xavante se subjetivam ao tornar pública a sua presença, eles dizem: “os Xavante mudaram, hoje precisa mostrar que a cultura, a língua não morreu”, esse é, sob o meu parecer, um gesto de apropriação do espaço da cidade, que também é o “seu” espaço, é um modo de se dizer diferente, porém, pertencente. Essa presença modificada em relação ao imaginário e afetada pelo modelo da sociedade capitalista, pelo consumo, pelo dinheiro produz discursos conflituosos. É possível afirmar que primeiro foram colonizados pela religião, pela catequese, pela língua, cultura e agora a colonização é pelo capital. Não são reféns de um Deus, mas reféns do homem, do dinheiro.

Ao final da pesquisa espero que os fenômenos marcados discursivamente possam servir para o debate em torno do papel das instituições superiores sobre a responsabilidade na elaboração, por exemplo, de políticas educacionais que contemplem o caráter contraditório do sujeito, que, marcado pela incompletude, anseia pelo desejo de ser inteiro, uno.

Águeda Aparecida da Cruz Borges é professora do curso de Letras do ICHS/Campus Universitário do Araguaia/UFMT, em Barra do Garças-MT, de Língua Portuguesa (2ª Língua) para alguns povos indígenas, como Munduruku, Guarani Kaiowá, Tapirapé, doutora em Linguística pelo IEL/ UNICAMP, líder do Grupo de Pesquisa: “Arte, Discurso e Prática Pedagógica”, (ADP) – CNPq, e pesquisadora do Grupo: “Mulheres em Discurso”, UNICAMP/CNPq - e-mail: guidabcruz@hotmail.com

MDB em clima de racha em Tangará

joao jose 400 curtinha   Em Tangará da Serra, o MDB enfrenta racha. O prefeito Fabio Junqueira, com apoio de filiados históricos, quer lançar à sucessão municipal o seu secretário de Infraestrutura e antigo gestor do Serviço de Água e Esgoto, Wesley Lopes Torres, sobrinho do ex-vereador Daniel...

Advogados disputam cadeira no TJ-MT

andre pozetti 400 curtinha   É extensa a lista de advogados que estão se movimentando, nos bastidores, para a cadeira vitalícia de desembargador do Tribunal de Justiça, sob indicação do Quinto Constitucional da OAB/MT. Caberá ao Colégio de Conselheiros da Ordem, composto por 33 advogados,...

Max insiste em ficar na 1ª Secretaria

max russi 400 curtinha   Max Russi (foto) ainda não desistiu de continuar na Primeira-Secretaria na próxima Mesa Diretora, mas, como possui menos apoio do que a emedebista Janaina Riva, deve mesmo ocupar outro posto, o de primeiro-vice-presidente. A eleição, que marcará a reeleição de Botelho na...

Deputados criticam membros da CCJ

elizeu nascimento 400 curtinha   Membros da CCJ da Assembleia, especialmente o presidente e o vice, respectivamente, Dilmar Dal Bosco e Sebastião Rezende, foram bastante criticados pelos colegas em sessão nesta quarta. Deputados como Thiago Silva, Wilson Santos e Elizeu Nascimento (foto) disseram que a Comissão, uma das mais...

Testemunhas pra protelar investigação

camila silva 400 curtinha   Os vereadores poconeanos Camila Silva (foto), do PP, e Ademir Zulli (PTB) usaram de uma estratégia jurídica para protelar, ao máximo, a conclusão dos trabalhos da recém-criada Comissão de Investigação e Processantes (CIP) para apurar denúncia de quebra de...

Luta de Misael e asfalto no Despraiado

misael galvao curtinha 400   O presidente da Câmara da Capital, Misael Galvão (foto), está comemorando uma vitória suada: a retomada das obras de pavimentação em toda extensão das ruas Afonso Pena e Oswaldo Correa, no bairro Despraiado. Ele fez várias indicações para...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você conhece alguém próximo que foi infectado pelo coronavírus?

sim

não

em dúvida

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.