Apagão já

carlos avalone

Carlos Avalone Júnior

Quando o assunto é energia, tenho sido convidado a escrever sobre o tema por trabalhar no setor e por ser diretor do Sindenergia. Entre os anos 1999 e 2002 tive a oportunidade de atuar como secretário de Indústria, Comércio e Mineração do Estado de Mato Grosso, e, em 2001, convivi com a realidade do apagão e todos os seus efeitos negativos sobre a nossa sociedade. Entretanto, importa relembrar que naquele momento o nosso Estado, depois das reformas estruturantes implementadas pelo Governo Dante, encontrava-se na condição de exportador de energia. Mas o caráter de âmbito nacional do apagão acabou nos obrigando, ainda que autossuficientes, a adotar como medida o racionamento. Os preços aumentaram para inibir o consumo e as indústrias, comércio e produtores foram obrigados a conviver com as cotas mensais.

 

Uma das consequências disso foi que contratos não puderam ser cumpridos, o que resultou em grandes prejuízos e, em muitos casos, os empresários tiveram que adotar férias coletivas ocorrendo, assim, a inevitável e prejudicial paralisação das produções.

Hoje estamos assistindo o início de um novo período de incertezas. Afirmo isso respaldado na minha experiência e avalizado pela opinião dos especialistas, segundo os quais o risco de apagão é de 18%. Não precisamos de um olhar mais atento para confirmar isso, já que temos convivido com falta de energia, falta esta que ocorre e ocorreu por várias vezes em diferentes Estados nos últimos tempos. E qual é a explicação do governo para cada interrupção de energia? Culpam as tempestades, os raios, quando na verdade a falta de planejamento do setor elétrico e as medidas populistas, adotados pelo governo petista, é que são os grandes vilões dessa história.

Não tenho dúvidas de que a sociedade brasileira precisa participar dessa discussão, e faço aqui algumas ponderações. Nos últimos anos temos assistido uma verdadeira guerra contra a geração de energia elétrica através das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), e confesso que não consigo entender o verdadeiro motivo destas ações, e explico o porquê dessa minha incompreensão, vejamos.

A energia elétrica é indispensável para a nossa existência, para o funcionamento de hospitais, de suas UTIs, das escolas, residências, apartamentos, ou seja, vários aspectos da rotina de nossas vidas estão intimamente ligados à utilização, ao consumo da eletricidade. E para atender a essa demanda precisamos gerar energia e as alternativas para tanto são conhecidas, cabe à sociedade definir onde os governos e os empresários deverão investir; a decisão é nossa. As PCHs geram energia limpa, não poluem, possuem baixo impacto ambiental, baixo custo de produção, além de serem reconhecidas pelo Protocolo de Kyoto. Não utilizar a geração hídrica significa optar por alternativas.

Quanto a estas, vale lembrar que o Brasil optou nos últimos anos por investir em térmicas as quais ficam aguardando serem despachadas, ou seja, são utilizadas quando falta energia a qual tem faltado. Sem contar que as térmicas são majoritariamente movidas a diesel, combustível fóssil altamente poluente e muito mais caro. Só no ano passado gastamos R$ 11 bilhões e este ano a previsão é de R$ 19 bilhões somente para que entrem em funcionamento.

Não discuto que temos outras opções como gás natural e as usinas eólicas, mas estas não são suficientes para atender a atual demanda. No que se refere à opção da utilização da energia nuclear, sobre esta me recuso a discutir após o tsunami do Japão e as consequências decorrentes do acidente. Sendo assim, sugiro que o caminho que deve ser adotado pela sociedade, governos, empresários, universidades, cientistas e pela classe política é o da união pela viabilização e utilização do maior potencial hidroelétrico do mundo, o qual se encontra justamente no Brasil, isso sem deixar de respeitar a legislação ambiental e a regulamentação do setor elétrico nacional que, indiscutivelmente, são bastante rígidas.

Carlos Avalone Júnior é deputado estadual pelo PSDB, diretor do Sindicato da Construção, Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica e Gás no Estado de Mato Grosso (Sindenergia) e presidente do Instituto Ação Verde

Lucas impõe regras pra cortar energia

luiz binotti 400 curtinha   Em Lucas do Rio Verde, a Energisa está proibida de interromper o fornecimento de energia elétrica, mesmo por inadimplência, sem informar ao consumidor, por escrito e com antecedência de 15 dias, sobre a suspensão dos serviços. O projeto aprovado pelos vereadores se transformou na...

Cidinho declina do convite à suplência

cidinho 400 curtinha   O ex-senador e empresário Cidinho Santos (foto), do PL, declinou do convite para compor uma das suplências da chapa ao Senado de Otaviano Pivetta (PDT). Em princípio, ele havia aceitado ser o primeiro-suplente. Mas questões empresariais não permitem que neste ano Cidinho concorra a cargo...

Conselhos, o populismo e a reeleição

ze do patio 400 curtinha   Em Rondonópolis, o prefeito Zé do Pátio (foto), bastante conhecido pelo perfil populista, busca se apegar cada vez mais às massas. Até para inaugurar um posto de saúde, Pátio, estrategicamente, aproveita para criar, ali na comunidade, os chamados conselhos. Busca debater...

Educação Inclusiva no Nilo Póvoas

marioneide 400 curtinha   A Seduc, sob Marioneide Kliemaschewsk (foto), decidiu desativar a tradicional escola estadual Nilo Póvoas, que funcionava há 50 anos no bairro Bandeirantes, em Cuiabá, o que acabou gerando protesto de pais e alunos. O prédio agora vai abrigar o Centro de Referência em...

Partidos com 2 ou mais pré ao Senado

margareth buzetti 400 curtinha   Dirigentes partidários estão passando apurado, nesta fase de pré-campanha, para conduzir o processo de escolha de candidatura ao Senado para a vaga de Selma Arruda, cassada por crimes eleitorais. Mesmo sabendo que as chances são remotíssimas de êxito nas urnas, alguns...

Muitos cuiabanos votam em Chapada

thelma de oliveira 400 curtinha   A ex-deputada federal Thelma de Oliveira (PSDB), que em 2016 transferiu o domicílio eleitoral de Cuiabá para Chapada dos Guimaráes, já está trabalhando nos bastidores o projeto de reeleição. E, agindo nos bastidores e de forma estratégica, ela conseguiu um...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O governador Mauro Mendes acaba de encerrar o 1º dos quatro anos de mandato. Na sua opinião, como está indo a administração?

ótima

boa

regular

ruim

péssima

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.