Violência e segurança: O que falta?

Sem a participação da sociedade civil fortalecida e do poder público nas 3 esferas estaremos fadados ao acelerado agravamento da insegurança que estamos vivendo em todo o país

.

nadson_ramos_2

Naldson Ramos

Falar sobre violência e segurança pública na sociedade brasileira e mato-grossense num artigo para jornal, ou mesmo capítulo de livro, é um exercício de imaginação sociológica difícil, dada a complexidade que os temas suscitam. O tema da violência no Brasil assumiu grande importância na discussão pública e tomou um rumo muito marcado pelos altos índices de violência e crimes que geram uma insegurança e medo na população.

A questão que se coloca é como entender então a permanência da violência nas sociedades contemporâneas e brasileira? De quem é a responsabilidade para reduzir nossos índices de violência e criminalidade?

Há que se afirmar e reconhecer a gravidade da situação em relação aos nossos índices de violência - São assassinadas em torno de 45 mil pessoas por ano em nosso país. A taxa de homicídio é 26 por 100 mil habitantes.  Cuiabá e Várzea Grande, juntas, a taxa se eleva para 44 por 100mil/hab - e a pouca eficácia das nossas políticas de segurança pública. Ou seja, o Brasil é um país mais violento do que os Estados Unidos e o México, o mesmo ocorre em comparação com os países latinos americanos. Cuiabá figura como a 13ª Capital mais violenta da federação. Proporcionalmente, Cuiabá é a mais violenta do que a cidade do Rio de Janeiro e de São Paulo.

Há uma visão de senso comum, muito reproduzida nos meios de comunicação, de que crimes e violência se “combate” com mais polícia, armas, penas duras e presídios.  Nos meios policiais também é muito comum ouvir a expressão “estamos combatendo o crime com mais repressão” para inibir os comportamentos criminosos.

Essa, a meu ver, é uma visão equivocada da sociedade e dos representantes dos órgãos de segurança. Crime e violência não se combatem, mas previne-se e investiga para reduzir os índices de violência a níveis aceitáveis.  O termo “combate” é mais apropriado para situações bélicas em que envolve uma guerra, ou quando se combate pragas da lavoura. Logo, crime é um problema social, produzido em um contexto social e não há como eliminar a sociedade, que de forma direta ou indireta, proporciona o aumento da criminalidade e da violência.

Evidentemente não desconheço a importância de também reprimir as atividades criminosas que acontecem diariamente. Polícia tem que estar nas ruas prevenindo, reprimindo e investigando. O problema é o prevalecimento e o investimento apenas na cultura da repressão. Isto sim é grave. Há que se ressaltar ainda que o crime não é só um problema das Polícias. Como problema social, a violência e o crime ocorrem motivados por um conjunto de variáveis ou fatores.

A violência é um problema multifacetado e complexo. Nenhum fator isolado pode explicar por que alguns indivíduos se comportam de maneira violenta em relação aos outros indivíduos. O que ocorre é uma combinação de fatores que podem indicar a emergência da violência naquele indivíduo e no contexto social onde ele vive. Portanto, atacar apenas o efeito (o criminoso) é uma visão pouco inteligente e de pouca eficácia.

Para atuar sobre este contexto social as políticas de segurança pública depende muito das ações dos governos locais, pois os municípios estão aptos, juntamente com os Estados e o Governo Federal, para atuarem permanentemente na prevenção da violência, por meio de políticas sociais e urbanas.

Neste sentido, a administração Municipal interfere de forma direta e sensível nas condições de vida da população. É no município que o cidadão paga seus impostos e reside. Parte expressiva dos problemas que alimenta a sensação generalizada de insegurança nas cidades está diretamente relacionada à qualidade de vida desfrutada pelos cidadãos nos espaços urbanos. Sem iluminação, sem ruas trafegáveis, sem creches, escolas, qualificação profissional, emprego e renda, saúde, sem praças de esporte, lazer e cultura fica difícil prevenir a violência e os crimes.

Logo, o abastecimento democrático e preventivo de segurança depende também de variáveis extra-policiais, tais como o ambiente comunitário, os equipamentos coletivos, a infra-estrutura social e urbana, transporte público, o meio ambiente e os serviços de utilidade pública.

Não podemos também deixar de reconhecer a competência constitucional dos Estados em relação à segurança pública e o protagonismo das atividades policiais. Conforme já salientei, as políticas de segurança também não podem se restringir às práticas repressivas e pouco investigativas. A desarticulação entre o município, o estado e a federação é em grande medida a responsável pelo aumento dos crimes que gera a nossa insegurança nos municípios e estado que vivemos.

Boa parte dos problemas de segurança vivenciados pelos cidadãos no espaço urbano ultrapassam a competência exclusiva e a intensidade das ações das polícias, requerendo a cooperação das comunidades e outras agências públicas e civis prestadoras de serviços essenciais à população.

Sem a participação da sociedade civil fortalecida, e sem a participação do poder público nas três esferas estaremos fadados ao acelerado agravamento do que estamos vivendo. Porém, o Estado (nas três esferas) tem condições materiais e simbólicas de liderar e coordenar um movimento de resgatar os valores coletivos promovendo a cidadania e a segurança do cidadão. Estas são algumas das variáveis sociológicas e políticas para pensarmos a violência e a criminalidade e superarmos o ódio social crescente em nossa sociedade. 

Naldson Ramos da Costa é Doutor em Sociologia pela UFRGS, professor da UFMT/ICHS, coordenador do Núcleo Interinstitucional de Estudo da Violência e Cidadania-NIEVCi, membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e da Rede Nacional de Altos Estudos em Segurança Pública – RENAESP-M.J.

Stopa vira trunfo do prefeito Emanuel

jos� roberto stopa 400   Filiado histórico do PV, José Roberto Stopa (foto) se tornou espécie de trunfo do prefeito Emanuel Pinheiro. Se o emedebista resolver buscar a reeleição, o que seria o caminho natural, Stopa pode entrar na chapa como candidato a vice ou simplesmente ficar de fora do...

Sem chance para ser desembargador

pio da silva curtinha 400   Pio da Silva (foto) é um advogado que não desiste nunca. Age no meio jurídico como aquele candidato insistente que faz questão de concorrer a cargo eletivo em toda eleição, mesmo sabendo da chance mínima de êxito nas urnas. Pio já se tornou um "eterno"...

Delação de Riva tira apoios à Janaina

max russi 400 curtinha   A delação de José Riva, que deve complicar a vida de vários ex-deputados e alguns dos atuais, dificultou a entrada da filha, deputada Janaina Riva, como primeira-secretária da futura Mesa, que será eleita na próxima semana, com Botelho na presidência pela terceira vez....

Wallace, calendário eleitoral e disputa

wallace 400 curtinha   Cassado em maio de 2015 por gastos ilícitos na campanha, após dois anos e quatro meses de mandato, o ex-prefeito de Várzea Grande, Wallace Guimarães (foto), do PV, está torcendo pelo adiamento da data das eleições. Com ganho de mais tempo, ele acredita que consiga obter ...

Rossato desiste; Lafin livre à reeleição

ari lafin curtinha 400 sorriso   Depois de ensaiar e travar discussões com seu grupo político, o empresário e ex-prefeito de Sorriso, a cidade conhecida como capital nacional do agronegócio, Dilceu Rossato decidiu não disputar a sucessão municipal neste ano. Com isso, o caminho fica mais livre para o...

Fazendo politicagem sobre Covid-19

rubia fernanda 400 curtinha   A tenente-coronel Rúbia Fernanda, pré-candidata ao Senado pelo Patriota, não só ignora medidas protetivas em relação à Covid-19, como isolamento social, mantendo agenda de visitas e reuniões, como passou a fazer politicagem com coisa séria. Numa...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você conhece alguém próximo que foi infectado pelo coronavírus?

sim

não

em dúvida

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.